fbpx

Energia

Kommt mit nachhaltigen Flugkraftstoffen das nächste Energiedebakel?

Von Fred Roeder, Geschäftsführer do Consumer Choice Center

Auf der Suche nach grüneren Himmeln stehen Regulamentações weltweit vor der Herausforderung, Flugkraftstoffe nachhaltiger zu gestalten. A União Européia (UE) com seu ReFuelEU-Gesetzgebung eine Vorreiterrolle übernommen, die eine schrittweise Erhöhung des Einsatzes von nachhaltigen Flugkraftstoffen (SAFs) vorschreibt. Der Weg zur nachhaltigen Luftfahrt ist jedoch nicht ohne Hürden, da SAFs derzeit drei bis viermal teurer sind als konventionelles Kerosin. Darüber hinaus fügt die potenzielle Erhöhung der Verbraucherpreise eine weitere Ebene der Komplexität zu der bereits komplizierten Debatte hinzu. Se não formos aprovados, poderemos obter o prêmio de energia durante a guerra russa na Ucrânia e o hausgemachten Atomausstieg noch zu einem Flugpreishammer kommen.

Em novembro de 2023, a iniciativa da UE 'ReFuelEU Aviation' foi lançada, einen wichtigen Bestandteil des 'Fit for 55'-Pakets, das darauf abzielt, o CO2-Fußabdruck des Luftverkehrssektors zu reduzieren. Die Gesetzgebung schreibt vor, dass Lieferanten von Flugkraftstoffen einen Mindestanteil nachhaltiger Flugkraftstoffe (SAFs) em seu produto einschließen müssen, começando com 2% em janeiro de 2025 e até 2050 em 70% ansteigend. Auch Kraftstoffe synthetische sind erforderlich, mit einem zunehmenden Anteil. Das Gesetz zielt darauf ab, o Luftverkehr e o Klimaziele der EU anzupassen und Probleme wie geringe Verfügbarkeit und hohe Preise bei der Entwicklung von SAFs anzugehen. Die Verordnung soll am 1. Januar 2024 in Kraft treten, wobei bestimmte Bestimmungen ab 2025 gelten.

Eine zentrale Sorge in diesem Diskurs ist die Notwendigkeit eines globalen Ansatzes, anstatt protektionistischen Maßnahmen nachzugeben. Der Einsatz von SAFs sollte über Grenzen hinweggehen und Zusammenarbeit zwischen Nationen, Regulamentações e outros grupos de interesses anteriores. Quando as normas mais rigorosas da UE são adoptadas, deve ser adoptada uma norma histórica e neutra em termos tecnológicos.

Um aspecto bemerkenswerter deste herausforderung é o Rolle von aus Palmöl gewonnenen SAFs, insbesondere em Südostasien. A proteção biológica da UE é administrada nesta região. Palmöl-Derivate stellen eine geeignete und günstigere Rohstoffquelle für SAFs dar. As exportações para o Sudostasien e a África Ocidental têm o potencial, durante o qual a produção de um produto contínuo é reduzida para reduzir esse produto de queda.

Os Gleichen Stimmen, die sich für den Ausstieg aus fossilen Brennstoffen aussprechen, sind baer historisch gegen the Verwendung von Palmöl. Die Herangehensweise der EU an Palmöl als Rohstoff für SAFs scheint widesprüchlich zu sein und unterstreicht die Notwendigkeit einer nuancierteren und kohärenteren Strategie. Quando a SAFs Erfolg haben sollen, müssen politische Entscheidungsträger Umweltziele mit dem Rohstoffe potencialmente inovador em Einklang traz.

Ein Vergleich mit der Energiepolitik Deutschlands, die in ihrem Eifer, zu dekarbonisieren und auf Kernenergie zu verzichten, zu unbeabsichtigten Konsequenzen wie vermehrtem Kohlegebrauch und höheren Strompreisen führte, sollte die EU zur Vorsicht mahnen. Das richtige Gleichgewichts ist entscheidend, um sicherzustellen, dass Nachhaltigkeitsziele nicht unbeabsichtigt zu nachteiligen wirtschaftlichen und Umwelt-auswirkungen führen.

Zusammenfassend erfordert der Weg zu bezahlbaren und nachhaltigen Flugkraftstoffen é um reforço colaborativo e global. A UE deve ser um sistema de proteção em Palmöl para obter SAFs aufgeben e einen ausgewogeneren Ansatz verfolgen. Während die Luftfahrtindustrie Schritte in Richtung einer güneren Zukunft unternimmt, müssen politische Entscheidungsträger, Regulierungsbehörden und Aktivisten alte Mantras couldgen und pragmatische Lösungen über ideologische Debatten stellen. Quando a Flugkraftstoffe Jemals é uma alternativa tragfähige Massenmarktalternative werden sollen, sind kluge und pragmatische Ansätze erforderlich.

UNE RENAISSANCE NUCLÉAIRE NA EUROPA

É hora de reconhecermos o papel vital da energia nuclear e de defendermos tanto que forçamos o bem em nosso mundo.

Pendentes da década, os frutos da revolução do gás de xisto, assim como seu novo status de primeiro-ministro exportador líquido de gás natural no mundo, foi demonstrado que os consumidores americanos beneficiam de uma energia abundante.

Mais do que os efeitos da pandemia, as perdas da cadeia de aprovação, a guerra na Ucrânia e o aumento das despesas públicas aconteceram em um ponto alto da inflação, todos os aspectos se sont soudain tornés vers les factures des serviços públicos. Em 2021, os Américains só caíram'à 25% de mais energia que o ano anterior.

O problema dos consumidores de energia continua a ser agravado pelos compromissos políticos destinados a «todo eletrificador», notadamente as subvenções massivas para os veículos elétricos, as pompas de conforto doméstico e os painéis solares na suíte de um futuro neutro em carbono .

Até o momento, as políticas dos Estados aceleraram esse processo, pelo menos 22 Estados – além de Porto Rico e Washington, DC – foram contratados para produzir eletricidade 100% com zero carbono de gelo em 2050.

Mais plutôt que de subventionner nos objetivos políticos em matéria de clima com des panneaux solaires, des baterias et des éoliennes fabricados para o estrangeiro, pourquoi ne pas nous tourner vers la nouvelle génération d'une technologie sûre, qui est déjà la source d' eletricidade mais densa e mais isenta de carbono no mundo? E qual foi o tempo de defesa da nova energia?

Le meme défi se presente notamment for l'Europe, qui ambigüe sur le nucléaire. A União Europeia está no mesmo debate sobre a questão nuclear, seja verde ou não, embora estejamos em paz desde os longos períodos em que é considerada uma energia verde.

Os investidores no setor de energia, os clientes e até os políticos ecológicos, todas as razões de sua vontade se voltam para a nuclear. A energia nuclear é segura, adequada e confiável. Ela não produz emissões e cria milhões de milhões de empregos de qualidade em gerações superiores. Isso não é para garantir que as centrais nucleares disponham de grandes estacionamentos que os éoliennes ou os parques solares.

Enquanto isso, a energia nuclear tradicional enfrenta mais obstáculos. As preocupações ambientais e de radiação são invocadas, embora as novas inovações digam que os combustíveis tolerantes a acidentes reduzem os riscos. As restrições regulamentares e as autorizações podem retardar as aprovações e as renovações até um ano atrás. Além disso, um encore importante, os projetos nucleares necessários tanto para a capital quanto para o capital, que atingiram os limites financeiros dos investidores privados e dos serviços públicos, que podem ser aplicados nas subvenções para o resto do patrimônio.

Além disso, os passeios de refrigeração em concreto são brutais e o controle estatístico altamente centralizado, como suas características de energia nuclear, pode ser um atraso na revolução.

A tecnologia de energia nuclear da geração pró-corrente – diz que os pequenos reatores modulares (SMR) – pode participar da fissão do átomo com seu antecessor, mas sua forma moderna é totalmente diferente.

Les SMR podem ser também pequenos como um veículo utilitário esportivo, mas produzem menos de muitos megawatts de energia. É possível fornecer energia mais rapidamente e mais eficientemente à energia elétrica ou à indústria e, em certos casos, o combustível usado pode ser reutilizado. Les SMR podem desenvolver a principal fonte de energia sem carbono para uma grande usina de fabricação que emprega milhões de pessoas e salva as residências.

Por exemplo, o desenvolvedor da SMR X-energy colabora com o gigante da química Dow para instalar uma central nuclear SMR avançada no local de fabricação da Dow em Seadrift, no Texas. O projeto da Dow visa fornecer ao local de Seadrift a eletricidade e o vapor industrial seguros, eficientes e sem emissões de carbono, enquanto os ativos existentes em matéria de energia e vapor se aproximam do fim de seu tempo de competir.

O projeto depende da obtenção de diversos exames e aprovações, mas as empresas como a Dow devem respeitar as regras de atraso para garantir o desempenho da exploração de seu site. A X-energy lançou as atividades pré-exigidas do NRC para seu reator Xe-100 em 2018.

Se nós desejamos fornecer a energia à grande échelle e à faible coût aos milhões de consumidores de energia, o ritmo de criação de pequenos reatores nucleares, diga que o presidente Macron anunciou que a França em construção, deveria ser estendido para d'autres pays européens.

Existem soluções simples que nos permitem ganhar tempo. Chaque État não la licence nucléaire expire deve prever de prolongar a duração da vida central. Les Etats dotés de lois antinucleaires devem revoir suas implicações. Na medida do possível, os Estados devem incluir as tecnologias nucleares e a fusão nas definições de «energias próprias», como a Caroline du Nord parece pronta para a justiça. O NRC deve seguir seus esforços constantes para reduzir as cobranças regulamentadas para acelerar os exames e as autorizações para as novas centrais nucleares, sempre se concentrando na segurança.

Embora para deixar as centrais em carvão sem alternativa, os Estados europeus devem permitir rapidamente que promotores de projetos experimentem converter essas instalações em centrais nucleares.

Ela representa bilhões de euros de economias para os consumidores de energia, centenas de milhões de empregos bem remunerados e possibilidades ilimitadas para os inovadores de implementar a próxima geração de tecnologias nucleares, tanto no nível nacional que no nível mundial.

Os políticos e os reguladores criaram o paradigma de um mundo sem emissões de gás com efeito de serre. A energia nuclear permite atingir esse objetivo e traz prosperidade, resiliência e durabilidade que nos permitirão descansar independentemente do plano energético.

É hora de reconhecermos o papel vital da energia nuclear e de defendermos tanto que forçamos o bem em nosso mundo.

Publicado originalmente aqui

Navegando pelo Futuro: Insights da COP28 em Dubai

Tempos emocionantes estão em curso na COP28 no Dubai, onde os líderes globais estão a convergir para abordar preocupações ambientais prementes e traçar um rumo sustentável para o nosso planeta. À medida que as discussões se desenrolam, é crucial aprofundar-se nas principais preocupações dos consumidores que moldarão o futuro do nosso mundo. Junte-se a mim enquanto exploramos os tópicos importantes que dominam a agenda e seu impacto potencial em nossas vidas.

Renascimento da energia nuclear: uma mudança de jogo para os preços globais da energia?

Os holofotes na COP28 estão firmemente voltados para a energia nuclear, com 22 nações a comprometerem-se a triplicar a sua produção de energia nuclear até 2050. Isto sinaliza um potencial renascimento da energia nuclear, levantando questões sobre o seu papel como fator de mudança nos preços globais da energia. À medida que olhamos para um futuro energético mais limpo e mais sustentável, o ressurgimento da energia nuclear poderá desempenhar um papel fundamental na satisfação das nossas crescentes exigências energéticas.

À medida que o ímpeto aumenta na COP28, é lamentável que algumas nações, incluindo a Alemanha, não façam parte da coligação que se compromete a triplicar a produção de energia nuclear. No entanto, os esforços colectivos da comunidade global na conferência demonstram um compromisso em enfrentar os desafios prementes que temos pela frente. As decisões tomadas e as discussões realizadas no Dubai têm o potencial de moldar a nossa trajetória ambiental, abrindo caminho para um futuro mais sustentável e resiliente.

Agricultura Moderna e Engenharia Genética: Sustentando uma População Mundial em Crescimento

Em meio a preocupações com a segurança alimentar e uma população global crescente, a agricultura moderna e a engenharia genética ocupam o centro das atenções. Podem estas inovações alimentar o mundo de forma sustentável ou apresentam desafios éticos e ambientais? A COP28 proporciona uma plataforma para discutir a intersecção entre tecnologia, agricultura e o imperativo de garantir a segurança alimentar para todos.

Meu colega Bill Wirtz escreve, “Embora a resistência da comunidade orgânica às culturas geneticamente modificadas possa muitas vezes ser ideológica, as vantagens da modificação genética tornaram-se evidentes nas jurisdições onde pode ser legalmente utilizada na produção de alimentos. A edição genética permite que as culturas absorver 30% mais dióxido de carbono sem efeitos nocivos sobre eles, torna o trigo seguro para pessoas que sofrem de doença celíaca, cria amendoins sem alergia, e produz arroz resistente à seca na Índia. No geral, as culturas editadas por genes crescem de forma mais eficiente com menos uso de recursos (como água), acelerando assim a velocidade com que avança a eficiência agrícola.

Embora a COP28 no Dubai aborde uma série de preocupações ambientais, o debate em torno do consumo de carne é um tema proeminente e controverso. Os defensores da restrição do consumo de carne argumentam que é um passo necessário para mitigar as alterações climáticas e promover a sustentabilidade. No entanto, a Organização para a Alimentação e a Agricultura (FAO) apresenta uma contra-narrativa, enfatizando o papel vital da carne, dos ovos e do leite no fornecimento de nutrientes essenciais que não são facilmente obtidos a partir de fontes vegetais. A FAO afirma: “Carne, ovos e leite oferecem fontes cruciais de nutrientes tão necessários que não podem ser facilmente obtidos a partir de alimentos à base de plantas”. Esta declaração sublinha a importância nutricional dos produtos de origem animal, particularmente na prevenção de deficiências nutricionais prejudiciais que persistem mesmo em países de rendimento mais elevado.

Os críticos do movimento para limitar o consumo de carne apontam para os dados da FAO, desafiando a noção amplamente difundida de que o gado, especialmente as vacas, está a contribuir desproporcionalmente para as alterações climáticas. Os dados da FAO disponíveis publicamente contradizem a noção de que a pecuária é apenas um fardo ambiental, revelando que é responsável por 12% das emissões globais de gases com efeito de estufa. Simultaneamente, a pecuária desempenha um papel fundamental no fornecimento de sustento, contribuindo com 30% de proteína global e quase 20% de calorias consumidas em todo o mundo. É essencial considerar estas perspetivas diferenciadas no discurso em curso, reconhecendo a complexa interação entre escolhas alimentares, impacto ambiental e necessidades nutricionais globais. 

Combustíveis de Aviação Sustentáveis (SAF): Exagero ou Esperança para uma Aviação Ecologicamente Correta?

Com a indústria da aviação sob escrutínio quanto ao seu impacto ambiental, os Combustíveis de Aviação Sustentáveis (SAF) surgem como uma solução potencial. Mas serão apenas exageros ou poderão realmente tornar a aviação mais acessível e amiga do ambiente? O caminho para a aviação sustentável não é isento de obstáculos, uma vez que os SAF continuam a ser três a quatro vezes mais caros do que o querosene convencional. Além disso, o potencial aumento dos preços no consumidor acrescenta outra camada de complexidade ao já intricado debate. EU escreveu na Revista do Parlamento, “a jornada rumo a combustíveis de aviação acessíveis e sustentáveis exige um esforço colaborativo e global. A UE deve abandonar quaisquer opiniões protecionistas sobre os SAF derivados do óleo de palma e adotar uma abordagem mais equilibrada. À medida que a indústria da aviação avança em direção a um futuro mais verde, os decisores políticos, reguladores e ativistas devem abandonar velhos mantras e dar prioridade a soluções pragmáticas em detrimento de debates ideológicos. Se os combustíveis de aviação sustentáveis algum dia se tornarem uma alternativa economicamente viável para o mercado de massa, serão necessárias abordagens inteligentes e pragmáticas.” As discussões na COP28 visam desvendar as promessas e os potenciais desafios da transição para combustíveis de aviação sustentáveis.

Prosperidade sem combustíveis fósseis: um enigma global

Uma das questões candentes na COP28 é se é possível criar mais prosperidade sem depender de combustíveis fósseis. À medida que as nações enfrentam a necessidade de descarbonizar as suas economias, torna-se fundamental encontrar um equilíbrio entre o crescimento económico e a sustentabilidade ambiental. A abertura do mercado produzirá energia mais barata, mais limpa e mais abundante a médio e longo prazo. A história do avanço mostrou que tais revoluções não podem ser planeadas e os prazos não podem e não devem ser claramente definidos. Tal como não havia um calendário para o tempo que o carro demoraria a substituir a carruagem puxada por cavalos ou o e-mail para substituir a carta, não haverá um calendário para tornar a Suíça livre de poluição; os consumidores, e não os autodenominados monopólios naturais, podem fazer essa mudança.

Minha colega Yael Ossowski escreve, “Dados de 2022 mostram petróleo e gás representado quase 70 por cento do consumo de energia americano, e a Administração de Informação sobre Energia dos EUA informa que o consumo global de combustíveis líquidos (gasolina e diesel) permanecerá elevado durante a próxima década.

Na busca por energia sustentável, o conceito de neutralidade tecnológica precisa ocupar um lugar central na COP28. Qual a sua importância para garantir a segurança energética e que papel desempenha na promoção de um panorama energético diversificado e resiliente? À medida que as nações navegam na transição para fontes de energia mais limpas, encontrar o equilíbrio certo e adoptar uma postura neutra em relação à tecnologia torna-se um aspecto crucial das discussões.

Fique ligado nas atualizações enquanto navegamos pelo intrincado cenário da COP28!

Ataques legais aos combustíveis fósseis só nos tornarão mais pobres

Quase metade de todos os estados dos EUA têm prometido tornar-se totalmente livre de carbono até pelo menos 2050.

Enquanto muitos estados e o governo federal pressionam e subsidiam os empresários para ampliarem alternativas livres de carbono aos combustíveis fósseis, como a energia nuclear, eólica e solar – outros estados esperam alcançar os seus objectivos aparentemente processando empresas de petróleo e gás até à extinção.

Embora os consumidores americanos tenham sido os principais clientes das empresas de combustíveis fósseis, vários procuradores-gerais estaduais democratas iniciaram ações judiciais elaboradas na esperança de atribuir legalmente as alterações climáticas a um punhado de empresas.

Procurador-geral de Minnesota, Keith Ellison foi na vanguarda, mas teve muito apoio e financiamento ao longo do caminho, inclusive de importantes escritórios de advocacia de todo o país e do bilionário ex-prefeito de Nova York, Michael Bloomberg.

Embora o nosso sistema judicial deva ser imune a agendas políticas, estes terceiros visam determinadas indústrias e empresas para litígios, na esperança de fazer pender a balança em casos importantes que estão a ser ouvidos em todo o país.

Esta tendência é tão preocupante que o Comitê de Supervisão e Responsabilidade da Câmara realizou uma reuniãoaudição em Setembro para avaliar esta ameaça. Mas o que faltava naquela discussão no Congresso sobre movimentos com grandes recursos e fortemente coordenados para influenciar acções legais era objecto de litígio climático.

Em Setembro, o maior processo judicial sobre alterações climáticas foi arquivado pelo estado da Califórnia contra cinco grandes empresas petrolíferas e associadas, alegando engano público sobre os riscos climáticos associados aos combustíveis fósseis.

Com uma economia duas vezes maior que a da Rússia, a Califórnia torna-se não apenas o maior estado dos EUA a processar empresas de energia, mas a maior economia a fazê-lo. A Califórnia já exerceu a sua influência antes, processando os fabricantes de automóveis pelas emissões de gases com efeito de estufa e proibindo legalmente a venda de novos veículos movidos a combustão até 2035.

A vingança da Califórnia contra o petróleo e o gás pode parecer impraticável, mas o facto de 17 estados terem seguido o exemplo da eventual proibição dos automóveis movidos a gás mostra que “como vai a Califórnia, assim vai a nação” é mais do que apenas um ditado.

No entanto, a Califórnia enfrenta a mesma batalha difícil que o seu processo mal sucedido da indústria automobilística. Um professor de direito ambiental na Universidade de Yale contou Segundo o Wall Street Journal, “toda a economia moderna depende da indústria petrolífera e poderá ser difícil atribuir responsabilidades apenas às empresas”.

O processo em si, contudo, não fará nada para promover o progresso climático. Na verdade, só aumentará os encargos para os consumidores, caso sejam bem sucedidos. Os preços do gás já são desproporcionalmente altos na Califórnia, em 55 por cento maior do que a média nacional. Mas pior ainda é a campanha prolongada e multimilionária levada a cabo por terceiros para pressionar os produtores de energia e persuadir o público de que foram enganados.

Doadores privados com grandes recursos persuadiram organizações e advogados a assumirem litígios climáticos, investindo milhões em instituições como o Centro para a Integridade Climática (CCI), que incentivam agressivamente os governos estaduais e locais a processar os produtores de energia. Aliados como o Fundo da Família Rockefeller não só ajudam a canalizar dinheiro para a CCI – cerca de $10 milhões, na verdade – mas também organizam fóruns jurídicos e iniciam o apoio à ligação climática entre os funcionários eleitos.

O senador Ted Cruz e o representante dos EUA James Comer levantaram essas preocupações, apontando o principal escritório de advocacia que litiga ações judiciais climáticas, Sher Edling, é essencialmente pago para empresas de energia-alvo. Em vez de implementar taxas de contingência, “os processos judiciais estão a ser financiados, isentos de impostos, por liberais ricos através de fundos de repasse de dinheiro obscuro”.

Além disso, o bilionário Michael Bloomberg colocou força jurídica por trás do movimento, semeando o Centro de Impacto Estadual de Meio Ambiente e Energia da Escola de Direito da NYU com $6 milhões oferecer advogados como “Procuradores-Gerais Assistentes Especiais”. Esses advogados, integrados em nível estadual, fornecem mais poder jurídico para prosseguir com ações climáticas.

Mais recentemente, um investigação de ética no Congresso foi aberto a Ann Carlson, administradora interina não confirmada da National Highway Traffic Safety Administration (NHTSA), por sua agenda extrema e parceria anterior com Sher Edling. Os membros alegam que ela esteve envolvida na coordenação dos esforços do escritório de advocacia para prosseguir com litígios climáticos e trabalhou para juntar dinheiro através de fundos de dinheiro obscuro para apoiar esse trabalho.

Esta campanha pública para difamar os produtores de energia ignora a realidade de que dependemos dos combustíveis fósseis e precisamos deles para liderar a transição energética da América, como têm feito há anos.

Dados de 2022 mostram petróleo e gás representado quase 70 por cento do consumo de energia americano, e a Administração de Informação sobre Energia dos EUA informa que o consumo global de combustíveis líquidos (gasolina e diesel) permanecerá elevado durante a próxima década.

Apesar disso, estes processos têm como alvo os produtores de energia na esperança de reduzir o papel do desenvolvimento americano do petróleo e do gás e de privar os consumidores de fontes de energia acessíveis, mesmo que não existam substitutos imediatos.

A guerra jurídica e de relações públicas contra os produtores de energia é o caminho errado para uma mudança real – um erro apenas amplificado pelo dinheiro obscuro e pelas redes partidárias para encorajar mais processos judiciais climáticos. É hora de procurarmos soluções de bom senso, em vez de enganar o público com ações judiciais dissimuladas que não combaterão as alterações climáticas e não tornarão as nossas vidas melhores.

Publicado originalmente aqui

Reafirmar a neutralidade suíça: os casos de energia

À l'étranger, na caricatura souvent la Suisse par sa suale neutralité. Esta descrição deverait nous interroger, car elle reflète sans doute plus qu'une simple philosophie de relações internacionais.

Esta neutralidade transparente em nossa relação com a política. A população suíça voit ses hommes políticos como os garantidores de um quadro geral e não como os sauveurs que permitem reorientar a nação na boa direção. Olhando para o exterior, a política suíça é menos conflituosa, além de abordar a discussão e a busca de soluções. 

No entanto, há assuntos que parecem estar relacionados com este príncipe. Este é, notadamente, o caso da política energética, que se tornou um assunto passional. Il ya des pro et des antinucleaires, des pro et des antisolaires, sans parler des éoliennes, qui détruisent le paysage ou save la planetète. Choisis ton camp, camarada!

A neutralidade energética deve ser a solução que devemos defender coletivamente no nível político. Este princípio repousa na flexibilidade e na aceitação das diferentes soluções possíveis, a fim de manter um fornecimento de energia confiável e durável para preservar o meio ambiente. A diversificação das fontes de energia é capital para garantir nossa prosperidade.

No entanto, nestes últimos anos, a política energética suíça foi um torneio controverso com a mise em obra da política energética de 2050, que está em ruptura com a história de nosso país.

Leia o texto completo aqui

Um Renascimento Nuclear é o melhor caminho a seguir

Durante décadas, os frutos da revolução do fracking, além do nosso status recém-criado como o maior maior exportador líquido do gás natural, demonstrou que os consumidores americanos estavam nadando em energia abundante.

Mas à medida que os efeitos pandémicos da escassez da cadeia de abastecimento, a guerra na Ucrânia e o aumento dos gastos governamentais deram lugar a aumentos da inflação, de repente todos os olhares se voltaram para as contas de serviços públicos. Em 2021, os americanos gastaram tanto quanto como 25% mais em energia do que no ano anterior.

A agravar esse problema para os consumidores de energia estão as promessas políticas que visam a “electrificação de tudo”, incluindo subsídios maciços para veículos eléctricos, bombas de calor domésticas e painéis solares na procura de um futuro neutro em carbono.

Agora, as políticas estatais estão a acelerar isso, já que pelo menos 22 estados – mais Porto Rico e Washington, DC – se comprometeram com a produção de electricidade sem carbono 100% ou com emissões de carbono “net zero” até 2050.

Mas em vez de subsidiar o nosso caminho em direcção aos objectivos políticos climáticos com painéis solares, baterias e turbinas eólicas fabricados no estrangeiro, e se olhássemos para a nova geração de uma tecnologia segura que já é a fonte de electricidade mais densa e livre de carbono do mundo? ? E se for hora de defender mais uma vez a energia nuclear?

Os investidores em energia, os clientes e até os políticos verdes deveriam ter todos os motivos para amar o átomo. A energia nuclear é segura, limpa e confiável há décadas. Não produz emissões e produz dezenas de milhares de bons empregos durante gerações. Há uma razão pela qual as usinas nucleares têm estacionamentos maiores do que as turbinas eólicas ou os parques solares.

Pelo menos três estados — Illinois, New Hampshire e Carolina do Sul — geram actualmente mais de 50% das suas necessidades de electricidade a partir da energia nuclear, tornando-os efectivamente neutros em carbono e um centro ideal para a indústria com utilização intensiva de energia. 

Até o guerreiro verde, governador da Califórnia, Gavin Newson, foi forçado a repensar o fechamento do Diablo Canyon diante de metas climáticas agressivas, dando uma tábua de salvação à única usina nuclear do estado. Outros estados estão a reconsiderar a energia nuclear à medida que as suas licenças se aproximam da data de expiração.

Dito isto, a energia nuclear tradicional enfrenta vários obstáculos. São invocadas preocupações ambientais e de radiação, embora novas inovações, como combustíveis tolerantes a acidentes, tenham diminuído o risco. As restrições regulatórias e as licenças podem atrasar as aprovações e renovações por até uma década. Mais importante ainda, os projectos nucleares são significativamente intensivos em mão-de-obra e capital, testando os limites financeiros dos investidores privados e dos serviços públicos que recorrem a subsídios para se manterem à tona.

Mas a era das torres de arrefecimento de betão brutalistas e do controlo estatal altamente centralizado, como únicas características da energia nuclear, pode já ter acabado.

A tecnologia de energia nuclear da próxima geração — como pequenos reactores modulares — pode partilhar a divisão do átomo com a sua antecessora, mas a sua forma moderna é tudo menos isso.

Os SMRs podem ser tão pequenos quanto um SUV, mas ainda assim produzem muitos megawatts de energia. Eles podem fornecer energia de forma mais rápida e confiável à rede elétrica ou à indústria e, em alguns casos, o combustível irradiado pode ser reutilizado. Os SMRs poderiam tornar-se a principal fonte de energia livre de carbono para uma grande instalação industrial que empregaria milhares de pessoas e manteria a carga fora das redes residenciais. 

Por exemplo, o desenvolvedor de SMR X-energy é colaborando com a gigante química Dow para instalar uma usina nuclear SMR avançada na unidade de fabricação da Dow em Seadrift, Texas. O projeto da Dow está focado em fornecer às suas instalações em Seadrift energia segura, confiável e com zero emissões de carbono e vapor industrial como ativos de energia e vapor existentes perto do fim de sua vida útil.

O projeto depende da entrega de diversas análises e aprovações, já que empresas como a Dow devem seguir prazos rígidos para garantir a operação contínua de seu site. A X-energy iniciou pela primeira vez as atividades de pré-aplicação do NRC para seu reator Xe-100 em 2018.

Apenas um pequeno projeto de reator modular, feito pela NuScale, com sede em Oregon, foi certificado pela Comissão Reguladora Nacional, que divulgou sua regulamentação final após um processo de aplicação de uma década.

Se quisermos fornecer energia em grande escala e a baixo custo para milhões de consumidores de energia, esse ritmo terá de avançar para um cronograma extremamente rápido.

Existem soluções simples que podem nos poupar tempo. Todos os estados com uma licença nuclear expirada devem considerar apoiar a extensão da vida útil das centrais. Os Estados com estatutos antinucleares deveriam repensar as suas implicações. Sempre que possível, os estados devem incluir a tecnologia nuclear e de fusão nas definições de “energia limpa”, como a Carolina do Norte parece equilibrado pendência. O NRC deve continuar os seus esforços constantes na redução dos encargos regulamentares para acelerar as revisões e licenças para novas armas nucleares, mantendo ao mesmo tempo um foco na segurança.

Em vez de fecharem centrais a carvão sem alternativas, os Estados deveriam permitir rapidamente que proponentes de projectos experientes convertessem essas instalações em centrais nucleares. O Departamento de Energia dos EUA estimativas que mais de 80% das centrais de carvão existentes no país poderiam ser convertidas de forma barata em SMR ou reactores nucleares avançados, poupando até 35% em custos de infra-estruturas e reduzindo simultaneamente as emissões durante décadas. Já existem roteiros para converter empregos em usinas de carvão em empregos nucleares de próxima geração.

Isto representaria milhares de milhões de poupanças para os clientes de energia, mais centenas de milhares de empregos bem remunerados e oportunidades ilimitadas para os inovadores libertarem a próxima geração de tecnologia de energia nuclear, tanto a nível interno como como exportação global.

Políticos e reguladores criaram o paradigma de um mundo líquido zero. A energia nuclear permitirá isso e proporcionará prosperidade, resiliência e sustentabilidade que nos manterão independentes em termos energéticos. 

É altura de reconhecermos o papel vital da energia nuclear e de a defendermos como uma força para o bem no nosso mundo.

Publicado originalmente aqui

A perigosa transição energética prevista na Suíça

A Suíça pode arriscar uma grande devastação no preço da energia, enquanto a Alemanha continua na suíte da surtida nuclear.

A prosperidade da Suíça deve-se principalmente à sua impressionante capacidade de produzir, importar e fornecer energia a empresas e aux ménages. O país possui o sistema elétrico mais adequado entre os 31 países membros da Agência Internacional de Energia, que fornece uma quantidade mais fraca de dióxido de carbono para cada quilowatt produzido. Malgré une population croissante, la Suisse a réussi à réduire ses emissions de carbone de 18,3% desde 1990, tout en connaissant une croissance économique continue.

Uma energia peu coûteuse et suffisante é uma condição condição sine qua non da competitividade industrial e permite que consumidores gastem seu dinheiro para outros bens. O índice semestre « Índice de países Empresas familiares » (em todo o mundo) foi atribuído à Suíça o quarto lugar em matéria de competitividade energética em 2008, mas apenas o quinto lugar em 2022. Durante o mesmo período, a Alemanha foi lançada do 11º ao 18º lugar.

No entanto, o país foi confrontado com os défis liés ao impacto da invasão da Ucrânia pela Rússia no mercado suíço de energia e com as exigências dos croissantes em matéria de mudança climática. Para enfrentar esses problemas, o governo suíço prefere adotar uma estratégia energética visando atingir a neutralidade carbônica de 2050. Parmi les politiques inclui no plano figurante de fortes subvenções para as energias renováveis e o fechamento das centrais nucleares. Um erro de déjà cometido pela Alemanha.

Sortie du nucléaire

Até o presente, a lógica das autoridades de regulação suíças é aplicada no modelo padrão do monopolo natural, em um fornecedor exclusivo de fornecimento de eletricidade a um custo decrescente, uma vez que os primeiros passos de instalação de linhas elétricas e a construção de grupos eletrogênicos pagos. A indústria suíça de energia é muito majoritária (90%) detida pelo Estado e presente em barreiras elevadas à entrada, assim como um nome importante de consumidores cativos, todos beneficiando de importantes subvenções.

O resultado da votação de 18 de junho de 2018 abriu a voz de uma política energética prescritiva que impõe resultados para a neutralização das emissões de carbono em determinados setores da economia.

O ES 2050 (o plano de transição energética suíça) prevê uma saída progressiva de energia nuclear com lucro de outras fontes de energia neutra em carbono, significando que a energia solar, solar ou hidroelétrica não pode, au mieux, que parcialmente substitui a energia nuclear.

Os combustíveis fósseis estranhos são indispensáveis para cobrir as necessidades energéticas da Suíça. O consumo total é de 225 terawatts de energia. Os derivados de petróleo utilizados para o transporte e o transporte representam a maior parte do consumo final total, com 95,81 terawattheures, ou seja, 42% do consumo total. Como título de comparação, o gás não representa 33,97 terawattheures, assim como 15% do consumo total. A partir de 2022, o gás suíço será importado através das placas da UE.

Essas mesmas fontes de energia desempenham um papel essencial nas transições energéticas. Selon os données do Estado, a Suíça está passando por um exportador de rede elétrica em vez de um importador de rede elétrica no inverno durante toda a transição para o objetivo ES 2050, com importações líquidas de 5,7 bilhões de quilowatts-hora aux primeiro e quatrième trimestres.

Ineficácia da produção

O governo está pronto para a introdução de centrais de ciclo combinado a gás ou a petróleo (que representa atualmente 9% da produção de energia, mas que deve progredir para outras opções padrão). Apesar das ambições elevadas de “energia própria” do ES 2050, pelo menos um relatório da AIE previu que a Suíça importava benefícios de combustíveis fósseis, e não menos, em razão de seus objetivos climáticos.

Então, todo plano de autossuficiência é um conjunto que será levado ao cheque. A produção nacional de todos os consumidores deve reduzir o importante déficit energético de 95,81 terawattheures, o que coûterait aux consumidores comuns de milhões de bilhões de francos suíços rien que para produzir energia é ineficaz e mais poluente que d'acheter à l'étranger une energia plus abordável e de melhor qualidade. O resto da energia total consumida proveniente da produção interna: 56,8% da produção nacional de energia elétrica proveniente de 682 centrais hidroelétricas e de 220 barragens do país (a Suíça detém a mais forte densidade de barragens no mundo), energia nuclear compatível com 34%.

É conveniente que o rappeler de que a consumação energética suíça esteja déjà découplée da população e do croissance econômico, é claro que a ideia de que o croissance econômico está intrinsecamente ligado ao aumento da poluição (e refuta as afirmações empíricas dos partidários da décroissance). Embora a população do país tenha aumentado de 15% e a economia tenha alcançado um crescimento do PIB de cerca de 32% medido em parte do poder de compra desde 2000, as emissões totais de carbono da Suíça diminuíram de 18,3% entre 1990 e 2020.

No entanto, complicações a longo prazo resultaram neste resultado. Por outro lado, as exigências de matéria de luta contra a mudança climática não fazem com que croître au fil du temps. O governo federal suíço ainda não adotou objetivos climáticos no quadro do protocolo de Kyoto e as contribuições determinadas no nível nacional no quadro do acordo de Paris, engajando-se na redução das emissões de gás com efeito de serre de 20% d 'ici 2020 e 50% de ici 2030, afin de revenir aux níveis observados para o último fois em 1990.

A Suíça deve ser reprimida e evitar a devastação da casa pelo preço da energia que a Alemanha continua na suíte da surtida nuclear.

Publicado originalmente aqui

O Departamento de Energia de Biden não sabe o que economizará o dinheiro da Virgínia

Nas primeiras semanas de 2022, chegou a hora de substituir vários eletrodomésticos em nossa casa em Manassas, Virgínia.

O isolamento do sótão já não era eficaz e o sistema de ar condicionado/aquecimento estava a lutar para empurrar o ar para todos os quartos.

Graças a um faz-tudo focado nos detalhes, também aprendemos que o aquecedor de água precisava urgentemente de substituição.

O reparo do HVAC foi suficiente para estourar qualquer orçamento que tínhamos em mente para reparos domésticos durante o inverno, e o assunto de comprar também um aquecedor de água era um insulto além de um ferimento.

Consideramos nossas opções e financiamos um novo aquecedor de água $800 e um sistema HVAC muito mais caro com juros de 9.99% durante um período de 12 meses.

Como os consumidores comuns em toda a América, minha esposa e eu temos o conhecimento mais íntimo de nossas finanças e das prioridades conflitantes em nosso orçamento mensal.

A administração de Joe Biden e o seu Departamento de Energia sob Jennifer Granholm presumem saber o que era melhor para nós quando precisávamos de novos eletrodomésticos?

Em julho, o DOE de Biden divulgou novas propostas de padrões de eficiência energética para aquecedores de água, após alguns meses controversos de defesa de sua intenção de restringir o uso de fogões a gás pelos consumidores.

A administração defendeu a sua política ao mesmo tempo que afirmava que as próximas restrições eram pura ficção inventada pelos seus oponentes no Congresso.

Em 2029, estes regulamentos exigiriam que as novas instalações de caldeiras utilizassem bombas de calor elétricas. Essas bombas de calor extraem calor do ar circundante para aquecer a água, em vez de aquecer a água internamente.

As normas aplicáveis aos aquecedores de água tradicionais a gás serão mais rigorosas, com o inevitável efeito de aumento de custos.

A economia disto é bastante simples. Os aquecedores de água com bomba de calor são máquinas mais eficientes em termos energéticos porque absorvem o calor circundante, em vez de ter que criar todo o calor do nada.

Os consumidores poderão poupar várias centenas de dólares por ano num sistema de bomba de calor. A administração Biden e os seus falcões ambientalistas favorecem as bombas porque produzem menos emissões do que as caldeiras a gás.

O problema é que os aquecedores de água com bomba de calor são mais caros, variando de $1.500 a $3.000 adiantados para o dispositivo – enquanto os aquecedores a gás convencionais geralmente custam apenas $500 a $1.000.

Num mundo perfeito, os consumidores pensariam a longo prazo em cada despesa e investimento que fizessem. Mas como vivemos no mundo real, as pessoas estão apenas tentando chegar ao amanhã.

Coletivamente, os americanos devem agora mais de $1 triliões em dívidas de cartão de crédito, lideradas principalmente pelos saldos dos cartões de crédito.

A Virgínia está entre as 10 primeiras em todo o país, com o virginiano médio precisando de pelo menos 13 meses para pagar seus saldos, de acordo com um estudo da WalletHub.

Muitos de nós estamos gastando dinheiro que não temos, e a situação ficou tão ruim durante esse período de inflação alta que até mantimentos estão sendo comprados a crédito em números recordes. Se isso soa como você, você não está sozinho, eu estive lá.

Se você estiver livre de dívidas ou financeiramente seguro, as regras do DOE que o forçariam a comprar um aquecedor de água mais caro e eficiente não parecerão grande coisa.

Se você é como os milhões de americanos que estão pisando na água devido ao aumento do custo de vida, esse aquecedor de água provavelmente irá para a conta do seu cartão de crédito. Com o aumento das taxas de inadimplência dos cartões de crédito, qualquer economia proveniente da eficiência energética desaparecerá.

O que é feio em fazer grandes compras a crédito é que você não está apostando que nada de ruim aconteça no período sem juros da dívida. No nosso caso, vai entender, mais coisas ruins aconteceram. Quinze meses depois ainda estamos pagando aquele aquecedor de água financiado e analisando os juros acumulados.

A Casa Branca reciclou o argumento do secretário do DOE, Granholm, sobre os consumidores economizarem cerca de $1.000 durante a vida útil dos aquecedores de água com bomba de calor, mas não se surpreenda se eles silenciosamente retrocederem nas economias projetadas do consumidor, como aconteceu com o Departamento de Energia relatório sobre regulamentos de fogões a gás.

Independentemente de um dispositivo ou outro economizar o dinheiro da minha família mês após mês por ser mais eficiente em termos energéticos, os reguladores não sabem o que está acontecendo na minha vida ou na minha conta bancária.

Os consumidores comprarão os produtos de que precisam, quando precisarem deles e, no caso de eletrodomésticos caros, isso provavelmente significará apenas aumentar a sua dívida. Os consumidores realmente economizam dinheiro quando podem comprar os produtos que compram e podem escolher entre uma ampla variedade de eletrodomésticos no mercado.

Nós administraremos nossa casa, secretário Granholm, você administra a sua.

Publicado originalmente aqui

Novo estudo: Von Deutschlands Fehlern aprender – Energiesicherheit in der Schweiz

O Consumer Choice Center (CCC), uma organização global de consenso, que tem a sua nova Nota de política zur Energiesicherheit in der Schweiz veröffentlicht. O Arbeit wurde de Fred Roeder, Emil Panzaru, Frederic Jollien, Bill Wirtz e Luca Bertoletti verfasst e betont a bedeutung von Technologienutralität und Offenheit in der Energiepolitik.

Laut der Studie ist es anmassend and ineffektiv, konkrete Ziele zur schrittweisen Abschaffung bestimmter Energiequellen festzulegen. Stattdessen argumentieren die Autoren, dass technologische Innovationen und die Wahlmöglichkeiten der Konsumenten, die Schlüssellösungen sind, um sowohl die Energieversorgungssicherheit als auch die Nutzung vielversprechender und kosteneffizienter Energiequellen sicherzustellen. Deutschlands gescheiterte und kostspielige Energiewende sollte eine Warnung für den Standort Schweiz sein.

Roeder betont, dass Politiker aufhören sollten, fossile Brennstoffe für Autos, Heizsysteme und die Kernenergie verbieten zu wollen. Em vez disso, o planejamento para a abstração do uso de reatores atômicos na operação suíça é feito e preparado para novos equipamentos de fabricação de carvão. Ausserdem wird die Unterstützung vielversprechender Durchbrüche in der Kernenergie, wie beispielsweise kleiner modulare Reaktoren, gefordert.

Leia o texto completo aqui

Interferência do governo em energia e jogos está prejudicando a PA

As pequenas empresas em toda a Pensilvânia enfrentaram muitas dificuldades nos últimos anos, variando de gargalos na cadeia de suprimentos a mandatos burocráticos. E o pedágio não passou despercebido, como evidenciado pela visita do presidente Joe Biden ao estado logo após a posse. 

Durante sua visita em março de 2021, o presidente Biden observou que alguns 400.000 empresas no estado estavam prestes a fechar. Suas políticas, no entanto, não ajudaram: o governo proposta de orçamento 2023 faz pouco para aliviar os encargos dos empresários da Pensilvânia. 

De fato, o governo Biden pediu aumento de impostos sobre residentes e empresas, embora os habitantes da Pensilvânia já paguem uma das taxas de imposto mais altas do paísPreços mais altos da gasolina também são prováveis, visto que Biden está pressionando por novas regulamentações de energia que inibir o fornecimento de energia alternativa. Os preços do gás na Pensilvânia já estão entre os mais altos nos EUA, e as contas de aquecimento residencial dos residentes do estadobater recordes no final do ano passado.

Tudo isso explica por que as reservas de gás natural do estado devem ser alavancadas. Um recente Artigo do Wall Street Journal credita o gás natural para manter as contas de energia gerenciáveis durante este verão quente; e para os residentes da Pensilvânia, o gás natural é benéfico não apenas para reduzir os custos de energia, mas também para impulsionar o crescimento econômico. A capacidade total de armazenamento de gás natural da Pensilvânia é a quarta maior do país, em cerca de 763 bilhões de pés cúbicos, e o fraturamento gera substanciais efeitos de transbordamento econômico, gerando empregos e oportunidades de investimento.

Além de infringir o fornecimento de energia, o governo Biden também está interferindo em negócios privados – mais recentemente no setor de jogos, outra indústria importante para a Pensilvânia. 

Recentemente, a presidente da Federal Trade Commission de Biden, Lina Kahn, procurou bloquear a aquisição da desenvolvedora de jogos Activision-Blizzard pela Microsoft. Felizmente, o caso da FTC foi insuficiente no tribunal, e os usuários do Xbox da Microsoft podem esperar melhores opções ao assinar o seus planos de Game Pass.

O acordo Microsoft-Activision melhora as opções de jogos para os consumidores e também ajuda a elevar o status da Microsoft no mercado global de jogos. Tencent, com sede na China, e a Sony, com sede no Japão, atualmente dominam o reino dos jogos.

A aquisição da Activision-Blizzard pela Microsoft é um passo importante para a economia da Pensilvânia, já que, de acordo com a revista Fortune, a Pensilvânia é um dos 10 principais estados para desenvolvimento de videogame. Acredita-se que o setor de jogos do estado valha a pena mais de $80 milhões localmente. É alarmante que Khan e o governo Biden tenham procurado sufocar a competitividade dos Estados Unidos neste setor, especialmente quando as jurisdições internacionais luz verde a transação. Quando a UE é um defensor melhor das aspirações de uma empresa americana do que nosso próprio governo federal, algo está claramente errado.

Graças em parte a essas políticas econômicas restritivas, a Pensilvânia agora se classifica 44 de 50 no ambiente de negócios para o crescimento econômico. E, de acordo com o Índice de Clima Fiscal Empresarial Estadual de 2023, o estado classifica 42 de 50 para impostos corporativos e 33 de 50 para taxas de impostos gerais. A caminho da eleição presidencial de 2024, o governo Biden deve reconhecer a importância política da Pensilvânia e aliviar as restrições regulatórias para permitir que os residentes do estado prosperassem.

Publicado originalmente aqui

Role para cima
pt_BRPT