fbpx

Plástico

Le Québec peut être un leader du plastique sans Trudeau

Durante a pandemia, o plástico tornou-se um mal-necessário para responder a contra-indicações sanitárias.  

Qu'il s'agisse de l'équipement de protection individual, des boîtes de repas a importador ou encore des cloisons en plexiglas dressées afin de protéger les clients au restaurant, il est devenu omniprésent. 

L'ubiquité de cette matière n'est pas nouvelle, mas son utilité dans l'ère de la COVID est marquante. Pourtant, cela ne change rien quant a son caractère poluant. Personne ne souhaite répandre cette matière dans la nature, surtout pas dans nos fleuves et autres cours d'eau. 

C'est la raison pour laquelle le premier ministre du Québec François Legault a annoncé l'élargissement du système de consigne. Ce faisant, il cherche à mieux recycler les bouteilles de plastice. O ministro do Meio Ambiente, Benoit Charrette, também revelou os planos para reduzir o consumo de plástico das empresas no espírito de reciclagem de meus déchets. 

Há também centenas de empresários quebequenses na indústria de reciclagem que se tornaram mais eficazes e mais lucrativos à vista. L'usine de Lavergne à Montréal en est un bel exemple, tout comme Plastiques GPR de Saint-Félix-de-Valois. Ces deux entreprises comptent des clients partout à travers le monde et aident à faire rayonner le Québec. 

A popularidade dessas iniciativas é fruto dos esforços da indústria e do governo do Québec. 

Le plastique n'est pas toxique

Il parece aujourd'hui qu'Ottawa cherche à aller se chercher une part de cette gloire. Em outubro, o governo de Justin Trudeau declarou que projetou o plástico como uma substância tóxica conforme o anexo 1 da Lei Canadense sobre a proteção do meio ambiente. Cela interdirait l'utilisation d'arts en plastico a use únicos tels que les en plasticique, les baldes, les bâtonnets a melanger, les ustensiles et les recipientes de polystyrène. 

Cette décision du gouvernement nous inquiète pour deux raisons. Tout d'abord, nous savons tous que les produits en plasticque ne sont pas toxices. Ce n'est pas comme l'amiante et le plomb, deux autres produits déjà identifiés par cette loi. Você pode liberar uma matéria de grande utilidade ao mesmo tempo que as substâncias cancerígenas? Cela ne fait aucun sens. 

Ensuite, aqui está o trabalho de empreendedores e empresas inovadoras que buscam soluções concretas para resolver o problema da poluição, observando o ciclo de vida dessas maneiras. Bannir ces matières ou les considerados « tóxicos » eliminam as soluções privadas que foram desenvolvidas por nossos empreendedores e inovadores locais. Ce rejet des solutions innovantes est inquiétant. 

Qui plus est, Ottawa vient empiéter une fois de plus sur les esforços des provincials pour lutter contre ces matières résiduelles. Le Québec et l'Alberta ont déjà mis en place des planes afin de réduire la consommation de plastices. Esses planos conçus localement répondent mieux aux besoins de leurs citoyens que ceux imposés par Ottawa. 

La reclassification du plastique est loin d'être une bonne solution. Trata-se de uma démarche cínica do governo Trudeau visando justificar o seu emprego em um domínio de competência provincial e responder a maladroitement aux demandes des groupes environnementaux. 

Un bien indispensável

S'il est nécessaire d'applaudir les esforçes pour réduire la consommation de plastices, il is tout aussi important d'être réaliste : le plastice est un bien indispensável, et la pandémie nous l'a rappelé. L'important est de s'assurer qu'il ne se ramasse pas n'importe où et puisse être recuperadotilisé ou bien reciclé. 

C'est grâce au génie québécois que nous pourrons descarte de nosso plástico de forma responsável, et non grâce a une prohibition du gouvernement federal. Em vez de liberar as províncias para obter suas abordagens e os inovadores encontrarem soluções eficazes, o governo federal escolheu a voz do parseuse de interdição pura e simples de certos produtos. Cela nuit à tout le monde, et particulièrement à nous tous, consommateur. 

Esta reclassificação veio também criar uma verdadeira incerteza sobre o que poderá ser adicionado à lista de produtos tóxicos em uma futura abordagem. 

Le Québec a montré qu'il est un leader dans le recyclage du plastice. Il is crucial qu'Ottawa lui permette de le demeurer. 

Yaël Ossowski, Directeur adjunto à L'Agence pour le choix du consommateur, um grupo mundial de defesa dos consumidores

Publicado originalmente aqui.

O problema com o debate sobre o plástico

Os impostos sobre o plástico são boas intenções, mas uma economia ruim.

O novo imposto plástico da União Europeia entrou em vigor em 1º de janeiro. Você verá esse novo imposto frequentemente descrito como um imposto da UE que você paga diretamente como consumidor a um tesouro em Bruxelas. Embora isso seja indiretamente verdadeiro, é importante entender como isso funciona. O imposto sobre o plástico cobra um imposto de 80 cêntimos de euro por quilo de embalagem de plástico — o que não significa tudo o que é feito de plástico, apenas embalagens de plástico, e aplica-se apenas a embalagens de plástico não recicláveis.

Então, quem exatamente paga esse imposto? A UE não dá instruções claras sobre isso, porque a UE não pode implementar impostos nos estados membros. Parece razoável que os estados membros tributem os fabricantes, mas teoricamente, eles só precisam enviar o valor anual exigido para a UE, que calcula o valor com base na quantidade de embalagens plásticas não recicláveis que foram consumidas em cada país. 

O imposto foi decidido na Cúpula do Conselho Europeu em julho, quando os líderes da UE lutavam para encontrar novas fontes de receita para financiar o maior orçamento da história da UE. Este imposto arrecadará entre 6 e 8 bilhões de euros por ano, mas isso dificilmente será suficiente para compensar o dinheiro necessário para financiar os programas da UE.

É questionável se o imposto terá o efeito desejado. Os países da UE com indústrias que produzem embalagens plásticas não recicláveis encontrarão uma maneira de subsidiar essas empresas, possivelmente até com fundos da UE. Quem realmente pagará esse imposto são os consumidores que, mais uma vez, pagarão mais por alimentos, bebidas ou produtos de higiene. 

O que devemos fazer é ser mais duros com a poluição plástica. A poluição, esse é o verdadeiro problema que as pessoas estão tentando resolver, e que deveria ter multas mais duras para quem realmente polui. Se você despeja embalagens plásticas em um rio ou no mar, precisa ser responsabilizado por essas ações.

Toda essa conversa é estranhamente semelhante à discussão sobre impostos sobre sacolas plásticas ou proibições totais de sacolas plásticas. Em 2011, a Agência Ambiental do Reino Unido Publicados uma avaliação preliminar do ciclo de vida de sacolas de supermercado. O objetivo: estabelecer o impacto ambiental de diferentes sacolas em uso e sua prática de reutilização. A intenção era informar os formuladores de políticas públicas sobre o impacto que uma repressão às sacolas plásticas poderia ter. Desnecessário dizer que os políticos tiveram pouca preocupação com a avaliação real apresentada pelo relatório.

Ao analisar o impacto de cada bolsa no aquecimento global, a agência avaliou o impacto ambiental de acordo com o esgotamento abiótico (descarte de produtos produzidos pelo petróleo bruto), acidificação (impacto no solo, corpos de água doce e oceanos), eutrofização (nutrientes contidos em água), toxicidade humana, ecotoxicidade aquática de água doce, ecotoxicidade aquática marinha, ecotoxicidade terrestre e oxidação fotoquímica (poluição do ar).

Os pesquisadores então analisaram o número de vezes que uma sacola precisaria ser reutilizada para ter o mesmo impacto ambiental que a sacola convencional de PEAD (Polietileno de Alta Densidade) a que as pessoas estão acostumadas. Chegam à seguinte conclusão:

“Em números redondos são: saco de papel – 4 vezes, saco PEBD – 5 vezes, saco PP não tecido – 14 vezes e o saco de algodão – 173 vezes.”

O leitor atento fará agora a pergunta dedutiva correta: então, quais são os níveis de reutilização que experimentamos na prática? Ou: o comportamento das pessoas reflete o impacto ambiental das sacolas de compras?

O relatório usou dois estudos australianos que afirmam a seguinte expectativa de vida para as sacolas mencionadas anteriormente: sacolas de papel (papel kraft) foram de uso único, LDPE (polietileno de baixa densidade) entre 10 e 12 vezes, enquanto não tecido Não foram incluídas as sacolas de PP (polipropileno) (somente as sacolas de PEAD trançado tiveram sua expectativa de vida incluída), e as sacolas de algodão tiveram 52 viagens em média.

Essas descobertas podem ser uma aproximação, mas mesmo se informarmos o público e duplicarmos a reutilização de sacolas alternativas, as sacolas de papel e algodão nem atingiriam o ponto de equilíbrio.

O resultado final é: o novo imposto sobre embalagens plásticas da UE é motivado pela ambição de aumentar a receita e não é necessariamente informado pela melhor ciência. Nem tudo o que parece sensato na superfície acabará sendo a melhor política a ser implementada.

Publicado originalmente aqui.

A proibição de plásticos só vai piorar a crise pandêmica do consumidor

Sacolas plásticas, palitos, canudos, talheres, embalagens de seis anéis e certos recipientes para viagem - os seis itens de plástico descartáveis que o governo Trudeau vai proibir são uma lista curta, mas as consequências dessa política serão duradouras.

Superficialmente, proibir esses itens pode parecer um pequeno passo, mas a proposta do governo usa o Anexo 1 da Lei de Proteção Ambiental do Canadá (CEPA), o que significa que os plásticos seriam classificados indevidamente como substâncias “tóxicas”.

Deixe isso afundar. Os plásticos que usamos há meses para embrulhar nossa comida para viagem, enviar itens com segurança à nossa porta e fornecer uma barreira entre os profissionais de saúde e o vírus COVID-19 por meio de máscaras N95 são agora, de acordo com o governo canadense, vai aparecer em uma lista de substâncias tóxicas. Mas todos sabemos que os plásticos não são tóxicos - eles são o oposto de uma substância nociva ou perigosa, algo que o próprio ministro do Meio Ambiente, Jonathan Wilkinson, admitiu quando o anúncio foi feito em outubro . No entanto, independentemente das intenções do ministro Wilkinson, com esta nova classificação “os consumidores assumiriam que todos os dias e produtos essenciais que contêm plástico agora são tóxicos”, como notado pela Câmara de Comércio dos Estados Unidos.

Então, por que o governo está usando o Anexo 1 do CEPA? Porque fornece o caminho mais rápido e fácil para a proibição de produtos. Não há efetivamente nenhum obstáculo à frente, e o governo canadense está correndo, e correndo rápido.

O período de comentários sobre o documento de discussão do governo federal, que descreve seus planos de forma ampla, termina em 9 de dezembro, fornecendo à indústria, aos parceiros comerciais e, mais importante, aos canadenses comuns, apenas 60 dias para fornecer comentários - o mínimo para uma proposta federal. desta natureza.

Essa abordagem unilateral que o governo está adotando pode ter amplas ramificações que podem realmente minar seus objetivos políticos e prejudicar os consumidores – não apenas no Canadá, mas também nos Estados Unidos.

Em primeiro lugar, o governo federal não terá que consultar ninguém se e quando decidir adicionar novos produtos plásticos a esta lista no futuro. Isso pode significar qualquer coisa, desde tampas de garrafas a bolsas intravenosas e para-choques de carros.

Embora não esteja necessariamente claro o que será banido a seguir, certamente está claro quem arcará com o ônus financeiro do uso de alternativas plásticas: os consumidores. As proibições de produtos exigem que as empresas incorram em novos custos para produtos alternativos, e esses custos são sempre repassados aos consumidores por meio de preços mais altos. E o momento é particularmente desafiador, visto que os consumidores já estão enfrentando aumentos de preços em suas vidas diárias. Por exemplo, como resultado do fechamento estimado de 300 a 400 supermercados no próximo ano devido a desafios econômicos, os consumidores precisarão gaste 5% a 7% a mais em mantimentos. Nesse momento crítico, o governo não deve adotar medidas que apenas aumentem esses ônus.

É também importante notar que muitas alternativas aos plásticos têm impactos ambientais piores do que os próprios produtos de plástico. Isso pode ocorrer por vários motivos, incluindo o peso de um produto, que é um fator importante quando se considera o embarque de mercadorias e as emissões subsequentes, ou a produção e fabricação dos próprios produtos. No entanto, o governo precisa desacelerar e conduzir uma avaliação científica mais crítica das alternativas.

Em última análise, o lixo plástico é um problema que precisa ser gerenciado – tanto no Canadá quanto no exterior. Infelizmente, a abordagem do governo ao plástico renuncia completamente ao lado da gestão de resíduos e, em vez disso, opta por banir classes inteiras de produtos. Os mais afetados por esta proibição mal oportuna e pesada seremos você e eu, que somos simplesmente consumidores tentando navegar com segurança em nosso caminho através desta pandemia.

Publicado originalmente aqui.

A 'proibição do plástico' de Trudeau não ajudará o meio ambiente. Em vez disso, poderia prejudicá-lo

Opinião: As alternativas têm um impacto total significativamente maior no meio ambiente, enquanto aumentam os custos para os consumidores

Por David Clement

Esta semana, o primeiro-ministro Justin Trudeau anunciou que seu governo tentará proibir muitos plásticos de uso único a partir de 2021. Embora a lista final de itens proibidos ainda seja indeterminada, provavelmente incluirá sacolas plásticas, recipientes para viagem, talheres e canudos. Para justificar ainda mais a proibição, a ministra do Meio Ambiente, Catherine McKenna, citou imagens de animais marinhos feridos ou mortos como resultado do plástico em nossos oceanos.

É um tom difícil de resistir. Ninguém quer contribuir para mortes marinhas como resultado do plástico, e a maioria de nós não gosta da ideia de itens de plástico levarem mais de 1.000 anos para se decompor em aterros sanitários. Essas preocupações, em última análise, decorrem de preocupações com as mudanças climáticas e os problemas ambientais que podem surgir como resultado.

Infelizmente para os ambientalmente conscientes entre nós, a proibição de plásticos de uso único não faz quase nada para a questão do impacto dos plásticos na vida marinha oceânica e faz muito pouco em termos de impacto ambiental. Os canadenses não são poluidores significativos quando se trata de lixo marinho. Até 95% de todo o plástico encontrado nos oceanos do mundo vem de apenas 10 rios de origem, todos no mundo em desenvolvimento.

William Watson: Depois de proibir os plásticos descartáveis, Trudeau pode ser um primeiro-ministro descartável
A reação em rápido crescimento ao plástico preocupa as empresas de petróleo
Terence Corcoran: Como os ativistas verdes nos manipularam para uma guerra inútil contra o plástico
O Canadá, em média, contribui com menos de 0,01 MT (milhões de toneladas métricas) de resíduos plásticos mal administrados. Em contraste, países como a Indonésia e as Filipinas contribuem com 10,1% e 5,9% do plástico mal administrado do mundo, o que representa mais de 300 vezes a contribuição do Canadá. A China, o maior poluidor de plásticos do mundo, é responsável por 27,7% do plástico mal administrado do mundo. O Canadá, quando comparado a países europeus como Inglaterra, Espanha, Itália, Portugal e França, na verdade contribui quatro vezes menos em plástico mal administrado. Os únicos países europeus em pé de igualdade com o Canadá são a Suécia, a Noruega e a Finlândia, significativamente menores. Uma proibição de plásticos pode parecer produtiva em termos de poluição por plásticos, mas as evidências não sugerem que o Canadá seja realmente um contribuinte significativo para o plástico mal administrado, o que significa que uma proibição canadense fará pouco para ajudar a vida marinha devastadoramente impactada pela poluição plástica.

No entanto, os proponentes dirão que ainda devemos apoiar a proibição com base na tentativa de conter as mudanças climáticas. Embora nobre, a proibição de plásticos não significa necessariamente melhores resultados ambientais. De fato, alguns produtos alternativos, embora rotulados como alternativas verdes, têm um impacto ambiental total significativamente maior quando o processo de produção é considerado.

Pegue as sacolas plásticas, por exemplo, que são o inimigo público número um. O pensamento convencional sugere que a proibição de sacolas plásticas de uso único resultará em pessoas usando sacolas reutilizáveis e que essa redução no uso de plástico terá um impacto positivo no meio ambiente. A pesquisa do Ministério do Meio Ambiente da Dinamarca realmente desafiou essa sabedoria convencional quando procurou comparar o impacto total das sacolas plásticas com suas contrapartes reutilizáveis. Os dinamarqueses descobriram que as alternativas às sacolas plásticas traziam externalidades negativas significativas. Por exemplo, as substituições comuns de sacolas de papel precisavam ser reutilizadas 43 vezes para ter o mesmo impacto total de uma sacola plástica. Quando se tratava de alternativas ao algodão, os números eram ainda maiores. Uma alternativa de sacola de algodão convencional precisava ser usada mais de 7.100 vezes para igualar uma sacola de plástico, enquanto uma sacola de algodão orgânico precisava ser reutilizada mais de 20.000 vezes. Sabemos pelos padrões de uso do consumidor que a probabilidade de alternativas de papel ou algodão serem usadas dessa maneira é incrivelmente improvável. Esses resultados também foram amplamente confirmados com a própria avaliação do ciclo de vida do governo do Reino Unido, que concluiu que essas alternativas têm um impacto total significativamente maior no meio ambiente.

Embora os canadenses possam apoiar a ideia da proibição do plástico, eles não querem pagar por isso. Um estudo da Dalhousie University nos mostrou que 89% dos canadenses apoiam a legislação para limitar o uso de plásticos. No entanto, esse mesmo estudo também mostrou que 83 por cento dos canadenses não estavam dispostos a pagar preços mais de 2,5 por cento mais altos por produtos como resultado de regulamentações de plástico. Isso cria um problema significativo para a proibição de Trudeau, porque preços mais altos são exatamente o que veríamos.

Existem soluções simples disponíveis para nós que não envolvem proibições pesadas. Primeiro, poderíamos nos concentrar mais estritamente em limitar como os plásticos acabam em nossos rios, lagos e córregos. Melhores programas de reciclagem e proibições mais rígidas de jogar lixo podem ajudar muito a reduzir o plástico que o Canadá produz. Para os produtos de uso único que acabariam em aterros sanitários, poderíamos seguir o exemplo da Suécia e incinerar esses resíduos. Isso cria uma fonte de energia para as comunidades locais, enquanto captura as toxinas transportadas pelo ar, limitando o escoamento tóxico e reduzindo significativamente o volume de resíduos.

Uma boa política pública deve abordar um problema real e deve ter um impacto significativo sobre o referido problema. Infelizmente, a proibição de plásticos de uso único proposta por Trudeau teria pouco ou nenhum impacto nos resíduos oceânicos em geral, ao mesmo tempo em que promoveria alternativas de alto impacto e aumentaria os custos para os consumidores. Todos os três fatores juntos criam uma mistura de políticas bastante tóxica.

David Clement é o gerente de assuntos norte-americanos do Consumer Choice Center.

Leia mais aqui

Ah… porque o problema é o petróleo, os restaurantes (e os clientes) pagam o preço

Jeff Stier, do Consumer Choice Center, diz que todos os americanos são afetados pelo que acontece nos oceanos e todos devem trabalhar para reduzir a poluição – mas isso não justifica a proibição de todos os usos de produtos, ele argumenta.S “E não é apenas para proibir os plásticos porque eles afirmam que acaba no oceano”, acrescenta ele, “mas [também] […]

Das Luftballonverbot hilft Schildkröten nur wenig

Das Europäische Parlament hat mit überwältigender Mehrheit am 24. Oktober für ein Verbot von vielen Produkten gestimmt, die aus Einwegplastik hergestellt werden. Sollen zum Beispiel ab dem Jahr 2021 Einwegteller und Besteck aus Plastik, sowie Q-Tips oder Luftballonhalter verboten werden. Ferner sollen Hersteller vieler Einwegprodukte direkt für die Entsorgung dieser Produkte zahlen, obgleich sie […]

Podemos combater as mudanças climáticas sem prejudicar os consumidores

Se você ainda não percebeu que realmente erramos no meio ambiente, deve estar vivendo sob uma rocha. Nos últimos dez anos, produzimos mais plástico do que no século passado – e recuperamos apenas 5% do plástico que usamos atualmente. Furacões, secas e mortes de corais […]

Mercados emergentes devem se opor às proibições de plástico

A nova estratégia de plástico da Comissão Europeia está se aproximando da conclusão final, depois que o Parlamento Europeu adicionou uma lista ainda maior de itens de plástico proibidos. No entanto, as consequências para as economias emergentes não devem ser ignoradas. A versão do comitê de meio ambiente do Parlamento Europeu adiciona sacolas plásticas finas, produtos feitos de plásticos oxodegradáveis e caixas e copos para viagem […]

Você quer salvar as tartarugas? Não proíba os plásticos – proíba o lixo

FOAM FACTS: Como qualquer bom londrino, aproveitei o fantástico clima de verão para andar de caiaque de Limehouse a Hackney, descobrindo aquela parte da cidade por água. Como um praticante de caiaque em rios e mares bastante experiente, fiquei surpreso ao ver como as águas de Londres estão cheias de lixo. Mais ou menos ao mesmo tempo, o debate nacional e global […]

Plástico de uso único e a indústria de sinalização

SIGNLINK: Fred Roeder, do grupo de lobby Consumer Choice, com sede em Londres, diz: “Ao proibir plásticos descartáveis, como copos de isopor, canudos, mexedores e cotonetes na Europa, não resolveremos o problema real, que é a terrível poluição de nossos oceanos com lixo plástico. Embora a UE responda por mais de 20% da produção econômica mundial, […]

Role para cima
pt_BRPT