fbpx

Dia: 27 de abril de 2020

[Mídia de marketing] O preço acalmado para a mascherina é pericolo per la libertà, non solo d'empresa ma anche dei consumitori

Roma, IT – Ieri il Presidente Conte ha dito que il prezzo delle mascherine chirurgiche sarà di 0.50 euro, Luca Bertoletti, European Affairs Manager per il Consumer Choice Center comentou: “quanto avvenuto ieri sera è pericoloso, e infatti ne vediamo già gli effetti. Molte farmacie, che avevano mascherine nei magazzini non le vendono più in quanto non riuscirebbero nemmeno a rientrare dei costi”. 

fonte http://meltwater.pressify.io/publication/5ea70c1f6139460004f70f74/5aa837df2542970e001981f6

[Mídia de marketing] O preço acalmado para a mascherina é pericolo per la libertà, non solo d'empresa ma anche dei consumitori

Roma, IT – Ieri il Presidente Conte ha dito que il prezzo delle mascherine chirurgiche sarà di 0.50 euro, Luca Bertoletti, European Affairs Manager per il Consumer Choice Center comentou: “quanto avvenuto ieri sera è pericoloso, e infatti ne vediamo già gli effetti. Molte farmacie, che avevano mascherine nei magazzini non le vendono più in quanto non riuscirebbero nemmeno a rientrare dei costi”. 

do Consumer Choice Center https://ift.tt/2Y5sPRo

Comemorei o Dia Mundial da PI, mas muitos não

No último domingo (26 de abril) assinalou-se o Dia Mundial da Propriedade Intelectual. Embora a existência da PI tenha permitido que os inovadores aproveitem as recompensas de suas invenções, cada vez mais vozes se manifestam contra as patentes e a PI em geral. Então, enquanto eu comemorava o Dia Mundial da Propriedade Intelectual, muitos nem queriam aparecer na festa.

A atual crise do COVID-19 desencadeia muitas vozes que pedem a proibição de todas as patentes de testes, medicamentos e vacinas relacionados ao COVID-19. Eu me deparei com algumas declarações muito erradas e quero destacá-las e explicar o que seus autores erraram.

Michael Barker, por exemplo escreve:

Fluindo da busca implacável por superlucros, também podemos entender o processo pelo qual as grandes empresas farmacêuticas tomam decisões sobre o tipo de medicamento que priorizarão para produção em massa. Medicamentos que podem ser vendidos a consumidores ricos em países desenvolvidos são vendidos rapidamente, enquanto medicamentos e tratamentos que poderiam beneficiar os bilhões mais pobres simplesmente caem no esquecimento. A vida humana é secundária em relação à busca de lucros.

O autor pode não saber que, dependendo do país em que você mora e do seguro que possui, os preços dos medicamentos podem variar enormemente, não por decisão do fabricante, mas por causa dos modelos de reembolso locais. No entanto, os produtores também vendem a custos iniciais diferentes nos países em desenvolvimento. A empresa britânica GlaxoSmithKline costuma cápsulas seus preços de medicamentos em mercados emergentes em 25% do preço que eles pedem em países desenvolvidos. Em muitos casos, o preço está bem abaixo do limite de 25%. A mesma empresa oferece seu tratamento de HIV/AIDS a um custo meramente variável na África do Sul. Desde 2001, a empresa suíça Novartis fornece a terapia de combinação baseada em artemisinina (ACT) de dose fixa sem lucro para compradores do setor público. Mais de 850 milhões de tratamentos antimaláricos foram administrados a pacientes em mais de 60 países onde a malária é endêmica. Empresa americana de biotecnologia Gilead tem uma campanha de parceria de acesso que licencia seus medicamentos para parceiros locais em países de baixa e média renda, vendendo medicamentos a preço de custo.   

Outro grupo que às vezes não entende totalmente a indústria de pesquisa farmacêutica é a respeitada ONG Médicos sem Fronteiras (MSF). Embora eu seja um fã pessoal de seu trabalho na linha de frente dos conflitos de saúde, discordo totalmente de sua compreensão de patentes e lucros.

MSF estados:

A organização médica humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras/Médicos Sem Fronteiras (MSF) pediu hoje que não sejam patenteadas ou lucrativas drogas, testes ou vacinas usadas para a pandemia de COVID-19, e que os governos se preparem para suspender e anular patentes e tomar outras medidas medidas, como controle de preços, para garantir disponibilidade, reduzir preços e salvar mais vidas.

Os controles de preços realmente levarão à escassez – vimos isso no passado e vemos isso na atual crise do COVID-19. Sempre que um governo limita o preço de um bem, sua oferta tende a diminuir. Controlar os preços e ao mesmo tempo garantir a disponibilidade é justo e oxímoro. Se MSF realmente deseja salvar mais vidas (o que eu acredito), eles devem encorajar preços flexíveis e proteção de patentes – Ao mesmo tempo, eles podem querer reconsiderar sua própria política de não aceitar doações em espécie da indústria farmacêutica…

Os ativistas de MSF defendem a eliminação da proteção à propriedade privada, dizendo que a propriedade nem sequer foi estabelecida por meio de fundos privados. Como os fabricantes recebem subvenções públicas por seu trabalho, seus resultados também devem ser de propriedade pública. Embora seja verdade que um em três euros gasto em pesquisa farmacêutica é dinheiro público, também é verdade que esse gasto público é compensado pelos impostos pagos. A indústria, os empregados e os clientes pagam diretamente uma quantidade muito maior de impostos do que os subsídios recebidos. Despesas totais com P&D no Reino Unido em 2015 foi de 4,1 bilhões de libras esterlinas (dos quais cerca de 1,2 libras esterlinas são fundos públicos) e a contribuição de imposto direto foi 300% maior em 3,7. Bilhão.

Novo Meta-Estudo: "Insekten-Apokalypse findet nicht statt"

Eine neue Studie zeigt zwar einen Rückgang der Landinsekten, gleichzeitig aber eine Zunahme der Süßwasserinsekten. Klimawandel und Landwirtschaft beeinflussten dies nicht. Streit ist vorprogrammiert.

Schmetterling

Eine neue Meta-Analyse zu Insektenpopulationen dürfte die Diskussion um dos Insektensterben wieder anheizen. O analista Bill Wirtz von der Firma “Consumer Choice Center” aus Brussel hat nach eigener Aussage die bisher großte und umfassendste Auswertung von Insektenstudien und Zählungen durchgeführt, die es bislang gab.

Seine Ergebnisse würden einige „der Missverständnisse zum vermeintlichen Artensterben der letzten Jahre“ korrigieren, wie der Senior Policy Analyst am Freitag in einer Presseinformation mitteilte. Er hoffe, dass die Diskussion wieder in eine weniger sensationsgetriebene Gangart rücken wird.

“Diese Analyze von 166 Langzeitstudien, die zwischen 1925 and 2018 and 1.676 Standorten auf der ganzen Welt durchgeführt wurden, gibt den vorhandenen Studien zu diesem Thema endlich die nötige Nuancierung. Seit Jahren wurden weniger tiefgreifende Forschungsergebnisse herangezogen, die behaupten, dass wir es mit einem Insektenrückgang apokalyptischen Ausmaßes zu tun haben. Wir wissen jetzt, dass dies nicht zutreffend war”, disse Wirtz.

Seiner Aussage nach hat diese Studie einen Rückgang der Insektenpopulation festellt. Dies sicherlich ein Grund für weitere Untersuchungen, doch die Zahlen zeigten, dass der Effekt ungefähr sechsmal geringer sei als in früheren Studien. Ein Teil des Rückgangs der Landinsekten werde durch eine Zunahme von Süßwasserinsekten wie Mücken und Eintagsfliegen ausgeglichen, erklärte er weiter.

Während in früheren Studien der Verursacher im Klimawandel und in der modernen Landwirtschaft gesehen wurde, habe diese Meta-Analyse keinen klaren Zusammenhang zwischen Klimawandel und Insektenpopulationen gefunden, so Wirtz weiter. „Was Landwirtschaft betrifft, so zeigt diese Studie, dass der Anbau von Nutzpflanzen tatsächlich den Insektenpopulationen zugute gekommen ist. Die Forscher haben gezeigt, dass die Zerstörung des Lebensraums durch die Urbanisierung zum Rückgang der terrestrischen Insektenpopulationen geführt hat.“

“Eine Reihe von Medien haben frühere Studien genutzt, um auffällige Schlagzeilen zu schreiben. In dem Bemühen, den Nachrichtenkonsumenten ein vollständiges Bild zu vermitteln, hoffe ich, dass diese Medien jetzt über diese neuen Erkenntnisse berichten”, então Wirtz abschließend.

Publicado originalmente aqui.


O Consumer Choice Center é o grupo de defesa do consumidor que apoia a liberdade de estilo de vida, inovação, privacidade, ciência e escolha do consumidor. As principais áreas políticas em que nos concentramos são digital, mobilidade, estilo de vida e bens de consumo e saúde e ciência.

O CCC representa consumidores em mais de 100 países em todo o mundo. Monitoramos de perto as tendências regulatórias em Ottawa, Washington, Bruxelas, Genebra e outros pontos críticos de regulamentação e informamos e ativamos os consumidores para lutar pela #ConsumerChoice. Saiba mais em consumerchoicecenter.org

Role para cima