fbpx

caçadores de confiança

Os Trustbusters do Facebook são motivados pela política partidária, não pela preocupação com o consumidor

Por Yaël Ossowski

Canalizando o espírito de Theodore Roosevelt e a nostalgia da Era Progressista do início do século 20, a última má ideia que circula nos círculos da elite é usar o poder destruidor de confiança do governo federal para acabar com a rede social Facebook.

A ideia foi promovida por políticos democratas como os senadores Elizabeth Warren e Amy Klobuchar e também republicanos como o senador Ted Cruz. Até mesmo Chris Hughes, um cofundador original do Facebook, aderiu à ideia, conforme expresso em seu agora infame artigo de opinião do New York Times.

Mas não vamos nos enganar. Não estamos lidando com um monopólio corporativo como a Standard Oil, a US Steel ou mesmo a Microsoft. Estamos falando de sites de mídia social e serviços disponíveis na web aberta.

Ninguém é forçado a usar essas plataformas e é muito gratuito e barato criar as suas próprias. Este não é um monopólio no sentido literal, nem mesmo figurado.

Já existem muitas redes sociais concorrentes que as pessoas usam para uma série de serviços diferentes. Seja Snapchat, Reddit, Pinterest ou Twitter, existem muitos serviços onde as pessoas se conectam com amigos e compartilham informações. Acontece que o Facebook “se deu conta” das necessidades do maior número de consumidores. Isso justifica a intervenção do governo? Não.

Sejamos claros: a internet é o playground definitivo para a escolha do consumidor. As tentativas do governo de intervir e regular com base em considerações políticas, no entanto, apenas restringirão a escolha do consumidor e nos privarão do que desfrutamos até agora.

Sem dúvida, algumas ações da empresa foram flagrantes e serão punidas com justiça. A multa esperada de $5 bilhões da Federal Trade Commission no Facebook por causa de seu manuseio incorreto de dados e privacidade do consumidor é um bom primeiro passo.

Mas o movimento que pede aos reguladores federais que usem seu poder para desmembrar a empresa cheira a política partidária.

Os democratas estão furiosos com o fato de os usuários da plataforma terem sido persuadidos a votar em Donald Trump nas eleições de 2016 devido a um impressionante esforço de divulgação da campanha de Trump (sem mencionar os supostos grupos de fachada russos). Os republicanos, por outro lado, condenam a moderação pesadamente liberal do Facebook, que tem como alvo específico páginas e postagens conservadoras. A censura de um post citando a Declaração de Independência por ser considerado “discurso de ódio” é apenas um exemplo.

Mas pelo que aprendemos com o CEO do Twitter, Jack Dorsey, e outras elites tecnológicas, banir indivíduos ou páginas são decisões altamente complexas tomadas por milhares de moderadores que seguem um conjunto interno de diretrizes, seja no YouTube, Twitter ou Facebook. O artigo investigativo publicado no Verge sobre a carga de trabalho e o estresse dos moderadores do Facebook durante a remoção de conteúdo ruim da plataforma fala disso.

Apesar dessas loucuras, a esmagadora maioria dos usuários está satisfeita com seus perfis. Eles podem se conectar com amigos e familiares em todo o mundo e compartilhar imagens e postagens que iniciam conversas. Milhões de pequenas empresas, artistas e até sites de notícias dependem dessas plataformas para ganhar a vida.

Usar a força do governo para desmembrar negócios devido a atitudes ou ações específicas que eles tomaram, tudo legal de acordo com a lei atual, é altamente vingativo e restringirá a capacidade de pessoas comuns como eu ou milhões de outros consumidores de aproveitar as plataformas para as quais nos inscrevemos voluntariamente.

Devemos responsabilizar essas plataformas quando elas cometem erros, mas não dar a mão para convidar o governo federal a determinar em quais sites ou plataformas podemos clicar.

O papel do governo não é escolher vencedores e perdedores. É para garantir nossos direitos à vida, à liberdade e à busca da felicidade, como afirma a Declaração de Independência. Não vamos usar políticas partidárias temporárias para determinar o destino de serviços e plataformas online dos quais todos desfrutamos e nos beneficiamos.

Role para cima