fbpx

No início deste mês, o governo lançou um novo regulador chamado Unidade de Mercados Digitais, um quango projetado para introduzir novos freios e contrapesos às atividades abrangentes de gigantes da tecnologia como Facebook e Google. É a resposta do governo aos apelos de todo o mundo para 'controlar' a grande tecnologia. O lançamento do corpo foi adiado por vários meses, mas ainda não está claro exatamente quais serão seus parâmetros ou propósito.

Parte da retórica em torno do DMU foi positiva. Comunicado de Imprensa do Governo descreve como 'pró-competição', o que é encorajador. O giro em torno do lançamento do DMU também enfatiza a necessidade de “estimular o desenvolvimento de serviços digitais e preços mais baixos para os consumidores”.

Tudo isso soa muito positivo – se for verdade. Uma abordagem focada no consumidor que busca mais competição, e não menos, seria de fato uma benção para a indústria de tecnologia e seria uma coisa boa para todos nós. Só o tempo dirá se o governo confirma essa retórica centrada no consumidor na política do DMU, ou se cai na armadilha à qual os órgãos estatais são tantas vezes vulneráveis, de errar do lado da intervenção gratuita no mercado.

Parece haver algum grau de apetite dentro do governo por um regime mais intrusivo que seria altamente prejudicial, tanto para as empresas envolvidas (e, portanto, para a economia do Reino Unido como um todo) quanto para os usuários comuns de serviços online como você e eu. Secretário de Saúde Matt Hancock, por exemplo,aplaudido o governo australiano por sua nova lei pioneira que obriga plataformas online como Facebook e Google a pagar por conteúdo de notícias.

Esse movimento foi incrivelmente prejudicial na Austrália e repeti-lo na Grã-Bretanha seria um erro catastrófico. Nunca ninguém teve que pagar um produtor de conteúdo para hospedar um link em sua plataforma. Na verdade, mesmo uma compreensão rudimentar de como o mercado online funciona deixa claro que a dinâmica é inversa – as pessoas desembolsam grandes somas em pacotes de publicidade digital, o que significa que pagam para colocar seus links nas telas de mais pessoas.

A decisão do governo australiano, então, de intervir arbitrariamente no mercado e forçar o Facebook e o Google a pagar aos veículos de notícias para hospedar seu conteúdo não fez nada para o usuário ou para o livre mercado. Tudo o que conseguiu foi transferir algum dinheiro do bolso de Mark Zuckerberg para o de Rupert Murdoch. A aprovação estridente de Matt Hancock a essa política – para a qual ninguém, nem mesmo o governo australiano que a implementou, parece capaz de oferecer uma defesa coerente – é um mau sinal.

Facções e fronteiras estão começando a se formar dentro do Governo e do Partido Conservador de forma mais ampla sobre isso. Mesmo dentro do gabinete, começam a surgir linhas divisórias entre figuras como Hancock, que parecem favorecer mais intervenção do governo, e outros como o secretário de Negócios Kwasi Kwarteng e o secretário de Digital, Cultura, Mídia e Esportes, Oliver Dowden, que – pelo menos até agora – parecem estar do lado do mercado livre e da crença de que a DMU deve ajudar a concorrência, e não tentar reestruturá-la desde o início.

Só o tempo dirá qual lado vence no final. O DMU ainda pode ser um herói ou um vilão. Só podemos esperar que o governo mantenha o consumidor em mente ao elaborar sua política de tecnologia.

Publicado originalmente aqui.

Compartilhar

Seguir:

Mais postagens

Assine a nossa newsletter

Role para cima