fbpx

Como podemos garantir a privacidade do consumidor?

Todas as semanas, ouvimos falar de novas violações de dados, hacks e divulgações de informações financeiras e pessoais confidenciais.

No mês passado, foi o ataque cibernético no Gasoduto Colonial nos Estados Unidos, causando picos nos preços da gasolina e longas filas na bomba. Antes disso, surgiram notícias de um vazamento de dados afetando meio bilhão de contas do Facebook, um bot que raspou com sucesso 500 milhões de contas do LinkedIn e um hack na Universidade de Stanford que expôs milhares de números de segurança social e detalhes financeiros. O ciclo é interminável.

O grande número de relatórios de vazamentos de dados, hacks e golpes em contas afetadas agora cresceu tanto que consumidores e usuários ficam entorpecidos. Quanto mais esse número cresce, mais ficamos entorpecidos.

Mas as violações de dados privados são importantes. E os consumidores devem ser justamente contrariados.

Porque para cada erro de empresa, exploração de hacker e banco de dados governamental inseguro, existem milhares de empresas e organizações fazendo certo, mantendo os dados dos usuários seguros, criptografados e longe de olhares indiscretos.

E embora os países individuais da União Europeia tenham suas próprias leis de privacidade e dados, o aspecto mais problemático aqui é o problemático Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR), que muitas vezes torna mais difícil para empresas legítimas proteger dados, não menos.

Embora devamos estar sempre atentos a possíveis vazamentos e hacks, a principal preocupação de uma lei ou diretiva de privacidade de dados inteligente e de bom senso deve ser defender a inovação, o que não é o caso no momento.

Para cada nova empresa de dados de saúde, empresa de logística ou wearable de consumo, a coleta e retenção adequada de dados é um valor fundamental. Quanto mais as regras forem uniformes, claras e não criarem barreiras à entrada, mais inovação veremos no que diz respeito à proteção de dados.

Devemos incentivar as empresas a adotar padrões de interoperabilidade e dados abertos para garantir que os dados sejam portáteis e de fácil acesso para os usuários. As principais redes de mídia social agora permitem essa previsão, e tem sido o padrão para dados de sites por vários anos.

Se isso se tornar o padrão, os consumidores poderão escolher as marcas e serviços que melhor atendem às suas necessidades e interesses, em vez de apenas empresas deixadas de pé na esteira do excesso de regulamentação.

Ao mesmo tempo, se quisermos revisar as regras de privacidade na UE, devemos consagrar o princípio da neutralidade tecnológica, onde o governo evita decretar vencedores e perdedores. Isso significa que regular ou endossar vários formatos de dados, algoritmos ou tecnologia deve ser determinado por empresas e consumidores, não por agências governamentais sem o conhecimento necessário para tomar boas decisões. A recente tentativa da UE de designar o “carregador de telefone comum” como a conexão micro-USB, em um momento em que as conexões USB-C estão se tornando o padrão da indústria, é um exemplo fácil.

Isso também se estende a práticas de inovação, como publicidade direcionada, segmentação geográfica ou personalização, que são fundamentais para a experiência do consumidor.

Além disso, devemos ser cautelosos com todas as tentativas de proibir a criptografia para uso comercial e pessoal.

A pressão tem montado à Comissão Europeia para rever a encriptação por agentes privados, mas isso seria um erro.

A razão pela qual a criptografia continua sendo uma ferramenta poderosa no arsenal de empresas e agências que lidam com nossos dados e comunicações é porque ela funciona. Devemos defendê-la a qualquer custo.

Embora haja muito com o que se preocupar quando se trata de violações e hacks online, os consumidores devem poder se beneficiar de um mercado inovador de produtos e serviços, livre de regulamentações que muitas vezes restringem o progresso.

Esse equilíbrio é possível e necessário, tanto se quisermos ter uma experiência online mais segura, quanto se quisermos continuar tendo a melhor tecnologia à nossa disposição para melhorar nossas vidas.

Publicado originalmente aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Role para cima