fbpx

Nenhuma crise não utilizada: Eurocare defende a proibição do patrocínio de álcool nos esportes

Enquanto o mundo luta contra a crise do Coronavírus, a Aliança Europeia para a Política do Álcool (EUROCARE) enfrenta um golias diferente: o patrocínio do álcool… nos esportes? Uma espécie de arranhão, especialmente considerando que a indústria do esporte passará por tempos difíceis este ano se o COVID-19 se arrastar. Com eventos e jogos cancelados, cortar a receita vital de patrocínio da indústria esportiva é, na melhor das hipóteses, cruel.

No comunicado de imprensa da EUROCARE, o grupo diz:

“Milhões de pessoas – incluindo crianças e jovens – estão expostas ao patrocínio do álcool. A evidência é clara de que a exposição ao marketing de álcool é uma causa do consumo excessivo de álcool e do início do consumo entre os jovens. Também influencia suas atitudes e aumenta a probabilidade de desenvolver problemas com o álcool mais tarde na vida”.

Naturalmente, esses ativistas não estão se referindo a evidências específicas que apontam para esse fenômeno. Com crianças em tenra idade começando a fumar, incluindo maconha – ambos não anunciados de forma alguma – aponta para a conclusão de que o patrocínio dificilmente é a origem do abuso de substâncias.

Na verdade, quando olhamos para esse problema, rapidamente descobrimos que não é o patrocínio nos esportes, ou o patrocínio como um todo, que é o problema para esses grupos, mas o álcool em si. Eles são os novos proibicionistas, incapazes de parar até que tenham banido até a última gota de diversão. 

Afinal, que patrocínio não pode ser visto pelas crianças? Seja publicidade pública em transportes públicos ou paragens de autocarro, ou qualquer canal de televisão ou programa de rádio: as crianças podem tecnicamente ouvir e ver toda a publicidade a que os adultos têm acesso. Os canais apenas para crianças não apresentam esses anúncios, e portais online como o YouTube permitem o controle dos pais que bloqueia todos os pop-ups impróprios para a idade.

Devemos também enfatizar que deve ser, antes de mais nada, obrigação dos pais proteger seus filhos de danos, educando-os sobre o uso adequado e seguro do álcool. Delegar essa responsabilidade a órgãos governamentais culminará em uma avalanche de burocracia que não interessa à escolha do consumidor.

A proibição de anúncios em nome da proteção das crianças é uma porta dos fundos para proibições flagrantes de publicidade de produtos. Outros vícios também estão em risco, como também revela o comunicado de imprensa:

“Esta pesquisa chega em um momento em que o lugar do jogo no esporte foi questionado e precisamos considerar a propriedade de vincular qualquer produto viciante e prejudicial à saúde com o esporte”.

A realidade é esta: os consumidores querem produtos e querem desfrutar de vícios como o álcool. Devemos buscar consumidores responsáveis e educados, em oposição a proibições paternalistas flagrantes. O abuso de substâncias é um problema real, mas precisamos reconhecer que existem problemas subjacentes que o explicam, indo além do mero patrocínio. 

Se o álcool é anunciado ou não, não tem impacto no desemprego ou em qualquer outra dificuldade pessoal que leve ao consumo excessivo de álcool. Esses problemas precisam ser resolvidos por meio de diferentes instituições educacionais e sociais e, mais importante, por meio de relacionamentos pessoais aprimorados. Nós, como sociedade, temos responsabilidade com nossos amigos e familiares, mais do que qualquer instituição governamental pode proclamar possuir.

A publicidade desempenha um papel importante para os consumidores: informa-os sobre novos e melhores produtos e permite a concorrência. A publicidade é o braço estendido da escolha do consumidor e deve ser protegida.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Role para cima