fbpx

TAXA: Proibição de canudos de plástico, impostos sobre refrigerantes, proibição de carros a diesel, repressão ao fumo, restrições ao consumo de álcool: a lista de restrições às liberdades pessoais das pessoas está aumentando constantemente. Mas por que o Estado Nanny é tão popular?

Cuidado com o saco plástico e o recipiente de isopor! Esse parece ser o tema em desenvolvimentos regulatórios recentes. As cidades que impõem impostos e proibições especiais às sacolas plásticas descartáveis e que barram os recipientes de isopor dos restaurantes estão crescendo exponencialmente. No caso de sacolas plásticas de uso único, a evidência mostra claramente que o PEAD convencional (polietileno de alta densidade) vence as sacolas alternativas em seu impacto ambiental. Isso ocorre porque a taxa de reutilização de sacolas de papel ou algodão está muito abaixo da taxa necessária para se equilibrar com a sacola plástica.

A história é a mesma para o poliestireno expandido (EPS) – comumente conhecido como isopor: cidades como Seattle, Washington DC, Portland, Minneapolis ou San Francisco proibiram os produtos EPS em todos os setores, o que tem consequências para ambos os produtores, varejistas e consumidores. Quando comparamos espuma de poliestireno com copos de papel, descobrimos que o papel usa mais petróleo, mais vapor, mais energia elétrica, mais água de resfriamento, mais águas residuais e mais massa para aterros sanitários. As oportunidades de reciclagem do isopor estão aí: ele é triturado para ser reutilizado como isolamento de teto, ou pode ser derretido e transformado em pellets usados para criar itens de plástico mais duros, como brinquedos ou madeira falsa.

Mas as ideias coloridas para novas proibições vão além de apenas proibir o produto. A OMS está abordando a questão das técnicas de marketing para crianças: a OMS, que priorizou o combate às doenças não transmissíveis (DNTs) (são, por exemplo, doenças autoinfligidas), escreve em umRelatório de 2010 sobre sua Estratégia Global sobre Dieta, Atividade Física e Saúde:

“Dado que a eficácia do marketing é uma função da exposição e do poder, o objetivo geral da política deve ser reduzir tanto a exposição das crianças quanto o poder do marketing de alimentos ricos em gorduras saturadas, ácidos graxos trans, açúcares livres, ou sal.”

Como resultado, a OMS vem avançando na definição exata do que essas restrições devem implicar.

Em 2012, o órgão da ONU desenvolveu ainda mais sua proposta de limitar o marketing para crianças, com um documento-quadro sobre a implementação de políticas. Aqui, a OMS dá um exemplo de como as prescrições políticas podem ser implementadas:

“Exemplo: eliminar todas as formas de marketing de quaisquer produtos aos quais uma ampla gama de crianças esteja exposta, com uma definição ampla do que constitui marketing direcionado a crianças.”

Em uma entrada de blog de 2014, a OMS citou Amanda Long, diretora-geral da Consumers International, “uma organização global de direitos do consumidor”: “As empresas de alimentos gastam bilhões de dólares desenvolvendo marketing que realmente funciona”. Note-se que “organização dos direitos do consumidor, neste caso, não significa nenhum direito para os consumidores, neste caso os pais, de escolher o que é bom para seus próprios filhos.

Esta é, em última análise, a mensagem que recentemente adoptou projecto de propostas do Conselho da União Europeia sobre restrições à comercialização mandar. Os ministros consideram que esta é uma questão de defesa do consumidor, bem como para a “redução das desigualdades na saúde” e política de prevenção. Mas tudo o que realmente traduz é uma enorme desconfiança na paternidade. Uma proposta que está em alta no momento é a proibição de personagens de desenhos animados em caixas de cereais matinais, como já está em vigor no Chile. O simples fato de já existir um país que implementou a medida, dará a oportunidade aos “defensores da saúde pública” (continuarei a chamá-los assim até estar convencido de que é isso que eles realmente defendem), de torcer o números até que eles esbocem um relatório para considerá-lo um grande sucesso.

A ideia de que o consumidor precisa de uma autoridade centralizada que lhe diga como se comportar deriva da ideia fundamental de que ele é incapaz de tomar decisões racionais. É interessante ver como o tema é abordado, no exemplo das restrições à comercialização de produtos: os pais são vistos como influenciados pelos próprios filhos, que sofreram lavagem cerebral por parte das empresas. À medida que o marketing se torna sinônimo de manipulação, os consumidores manipulados precisam de alguém para protegê-los.

Devemos definir o simples fato de um produto estar sendo descrito pelo produtor como “bom”, como manipulação?

A falha básica é um mal-entendido entre “manipulação” e “marketing”, duas palavras que não apontam para o mesmo tipo de estratégia. Os governos parecem acreditar que todos os tipos de publicidade enganam os consumidores sobre o produto, quando na verdade este é um caso mais excepcional. Quando a Volkswagen manipulou seus veículos para mostrar uma produção de emissões mais baixa, eles estavam dando aos consumidores informações falsas sobre seu produto. Quando as empresas anunciam benefícios de saúde de seus produtos que não podem ser comprovados, estão intencionalmente enganando seus clientes. No entanto, isso está longe de anunciar um produto como sendo legal, refrescante, confortável ou moderno. Devemos definir o simples fato de um produto estar sendo descrito pelo produtor como “bom”, como manipulação?

Mas a ideia de proteção ao consumidor continua sendo importante para os governos porque os consumidores foram ensinados a se perceberem como vítimas. Para isso, vários países europeus já possuem ministérios de defesa do consumidor. Assim como o Ministério da Verdade, é uma questão de quem decide como o consumidor é realmente protegido, em vez de deixar essa decisão para o indivíduo.

O Estado Nanny é popular porque as pessoas perderam a confiança em suas próprias habilidades de tomar suas próprias decisões, não porque elas realmente as perderam. Os governos se alimentam da ideia do indivíduo irresponsável, porque consumidores confiantes não aceitam a mera existência do paternalismo. Se queremos derrotar o Estado Nanny, precisamos não apenas nos opor às políticas individuais que os governos introduzem, também precisamos capacitar os indivíduos a acreditar em sua capacidade de agir como indivíduos responsáveis.

Consulte Mais informação

Role para cima