fbpx

O Contrafactual: Os cigarros eletrônicos são mais ou menos perigosos do que os cigarros de tabaco convencionais?

Republicado de Clivebates.com com o consentimento do autor

QUEM passa por grandes contorções para evitar dizer com verdade menos perigoso. A característica mais importante desta seção é que a OMS não responde a esta pergunta com uma resposta verdadeira como “muito menos perigoso”. Esta é a resposta inequívoca correta com base no conhecimento científico atual. Na verdade, a OMS não responde de forma alguma à pergunta que faz – suspeito que seja para não ter que responder com sinceridade. 

A pergunta é usada para sugerir que os cigarros eletrônicos podem ser mais perigosos. A própria pergunta cria um viés de ancoragem: sugerindo que é até possível que os cigarros eletrônicos possam ser tão perigosos ou mais perigosos – como se fosse de alguma forma uma decisão bem equilibrada. Não é finamente equilibrado. Nem mesmo perto. A pergunta razoável seria “quão menos perigosos são os cigarros eletrônicos do que os cigarros de tabaco convencionais?”. A resposta é muito menos. 

A OMS oferece um desvio da questão. Sim, mas essa formulação é simplista: evita o “quão perigoso?” perguntas e evita a pergunta real feita nas perguntas e respostas - qual é o risco relativo de fumar e vaporizar? E se eles diferirem em risco por um fator cerca de vinte vezes maior do que muitos especialistas acreditam? Usar nenhum dos dois pode ser uma boa opção – mas e as pessoas que querem usar nicotina ou acham difícil parar? 

Embora ignorando a diferença mais fundamental (combustão), a OMS introduz diferenças distrativas, mas relativamente triviais. A OMS aborda esta questão com base no fato de que, como não sabemos tudo, não devemos saber nada, acrescentando a aparência de complexidade para obscurecer diferenças mais fundamentais entre cigarros eletrônicos e cigarros – ou seja, que não há produtos ou combustão e inalação de fumaça.

Para evitar responder à pergunta real, a OMS evoca um efeito de portal. Aqui, a OMS apenas evoca caminhos imaginários pelos quais o uso do produto muito mais seguro leva ao uso do produto muito mais perigoso – uma espécie de truque para sugerir que vaporizar e fumar representam riscos equivalentes. O problema é que esses caminhos são baseados em uma teoria de gateway que não se sustenta. 

A OMS implanta um dispositivo para introduzir dúvidas e remover a confiança de que os conselhos gerais sobre os cigarros eletrônicos serem mais seguros podem ser confiáveis. É uma tática dos Comerciantes da Dúvida. É claro que existem diferenças entre diferentes produtos vaping – e as diferenças surgem do padrão de uso entre os usuários. Este também é o caso dos produtos de combustão. No entanto, isso não deve obscurecer a enorme diferença entre os produtos de nicotina de combustão e não combustão no nível de toda a categoria. A diferença entre inalação de fumaça e livre de fumaça é a diferença que realmente conta. 

A alegação de que fumar e vaping têm risco equivalente é a grande mentira do controle do tabaco. É inconcebível que este seja o caso, mas é uma afirmação fácil e preguiçosa (ou cínica) de fazer. Quando o professor Stanton Glantz fez este caso, ele usou 700 palavras, minha refutação levou 13.000 – veja: Vaping risco comparado ao tabagismo: contestando uma afirmação falsa e perigosa do professor Stanton Glantz

Como mencionei acima, a Public Health England sugere que “afirmar que o vaping é pelo menos 95% menos prejudicial do que fumar continua sendo uma boa maneira de comunicar a grande diferença no risco relativo.” O Colégio Real de Médicos concorda

“Embora não seja possível quantificar com precisão os riscos à saúde a longo prazo associados aos cigarros eletrônicos, os dados disponíveis sugerem que é improvável que excedam 5% daqueles associados a produtos de tabaco fumados e podem ser substancialmente inferiores a esse número. ”

Estas são maneiras muito melhores de responder à pergunta que a OMS coloca do que as respostas fornecidas pela OMS, que essencialmente não dizem nada de útil, apenas distração e ofuscação.

Escrito por Clive Bates

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Role para cima