fbpx

Streaming

Alternativas aos royalties de mídia

O streaming forneceu parte da resposta.

Em 2017, os ativistas do referendo suíço lutaram contra os royalties obrigatórios da mídia na Suíça. Eles fizeram campanha pela abolição de um imposto anual de 450 CHF (€ 385/$453), usado para financiar emissoras públicas de TV e rádio. Uma das críticas mais comuns lançadas contra eles era que tal movimento acabaria com essas emissoras públicas e seu enriquecimento cultural. Mas quão precisa é tal declaração, realisticamente?

A indústria de jogos está em constante movimento para se revolucionar. Após o ato padrão de apenas jogar, vieram os modos multijogador online, que tornaram os jogos mais interativos e estenderam o tempo durante o qual permaneceram relevantes. Hoje, jogos como “Grand Theft Auto 5” podem ser mantidos vivos por anos, devido a constantes atualizações e atualizações do jogo. Aí veio o chamado “Vamos Brincar!” vídeos online, durante os quais os jogadores jogaram e comentaram sobre eles para o entretenimento de um determinado público. Este foi um sucesso particular no caso do YouTuber “PewDiePie”, um jogador sueco que agora está acumulando impressionantes 110 milhões de assinantes na plataforma do Google.

O streaming, por outro lado, virou o conceito de entretenimento online de cabeça para baixo. Os streamers de vídeo on-line transmitem ao vivo seu conteúdo para um público que faz doações voluntariamente pelo conteúdo que recebe. Agora, existem streamers ganhando até $4 milhões por ano, por meio de vendas de camisetas, jogos de azar e patrocínios de empresas, mas o streamer médio também pode ganhar a vida com seu trabalho. De acordo com uma fonte da CNBC, o streamer médio no site popular Contração muscular ganha entre $3.000 e $5.000 se jogar 40 horas por semana. Isso não incluiria a receita de anúncios, atualmente em $250 por 100 assinantes. Uma coisa é certa, o sistema funciona.

Continuo tendo a mesma impressão quando observo sites de crowdfunding como GoFundMe ou Ulele: as pessoas contribuem voluntariamente para um produto de que gostam, sem problemas para investir dinheiro que ninguém exige que gastem. A questão, portanto, é: o que os usuários de mídia suíços, ou quaisquer contribuintes na UE, fariam com seu dinheiro extra se não fosse pela redistribuição do governo?

Sabemos que o entretenimento pode ser facilmente produzido pelo livre mercado, então como exatamente podemos ter certeza de que acabaremos com um produto cultural no final do processo, se dependermos de receita de publicidade ou doações de patronos? A resposta é: não sabemos. Mas podemos dar um palpite, especialmente porque alguns canais de propriedade pública já estão produzindo filmes de sucesso e programas que vendem para plataformas de streaming.

As maiores obras de arte de nosso tempo não foram criadas por meio de programas governamentais, mas porque os indivíduos gostaram da arte e a defenderam em detrimento de outras coisas nas quais poderiam ter gasto seu dinheiro. Eu diria que, por padrões razoáveis, videogames são arte. É claro que isso gera continuamente um debate controverso, que deixa os artistas clássicos em pé de guerra com a mera ideia de que eles podem ser rivalizados. Mas uma questão mais interessante é: por que é tão importante para algumas pessoas que os jogos NÃO sejam arte? Seu consumidor médio de streaming não gastará seu tempo em uma galeria de arte se o stream desaparecer, nem seria justo afirmar que ele ou ela é mais ou menos culto por causa disso.

Talvez haja uma alegação de que isso não é arte, mas, francamente, não é tão evidente quanto na época de Tetris e Pong (que agora provavelmente são arte retrô).

Isso também não desvia do fato de que a arte convencional pode se beneficiar dos avanços tecnológicos se optar por apropriar-se deles. Por que não transmitir ao vivo uma galeria de arte e receber doações e dinheiro para publicidade? Por que depender de subsídios, quando a tecnologia e a boa vontade dos clientes nos permitem ser criadores independentes?

Podemos não ter todas as respostas para os críticos da campanha do referendo suíço ou qualquer outra campanha na UE para abolir os royalties da mídia, mas temos boas pistas.

Publicado originalmente aqui.

The EU’s Proposed Content Quota Will Hurt Consumers

“The attempt by ministers in the EU to raise the quota of European content in digital streaming services to 30 percent will end up hurting consumers by artificially raising prices for everyone. It benefits producers in some countries and hurts them in others. Overall, it will only end up raising costs for all European citizens. […]

Role para cima