fbpx

imposto digital

Um imposto digital prejudicaria os consumidores

A UE há muito considera a cobrança de um imposto entre dois e seis por cento sobre as receitas locais dos gigantes das plataformas. A perspectiva de negociações comerciais com os EUA trouxe esse tema de volta aos holofotes. No entanto, um imposto digital em toda a UE limitaria o potencial …

Como está agora, a Comissão Europeia está considerando três opções para um imposto sobre serviços digitais. Um consistiria em um imposto sobre o rendimento das empresas sobre todas as empresas com atividades digitais na União Europeia, o outro um imposto sobre as receitas de certas atividades digitais na UE. Uma última opção seria um imposto sobre transações digitais entre empresas na UE. O raciocínio a favor de um DST (imposto sobre serviços digitais) é duplo: por um lado, e decorrente da pressão política francesa, o DST é considerado socialmente justo. As empresas digitais preferem locais de sede com otimização de impostos, o que significa que aquelas nações com maiores impostos corporativos perdem a receita de transações digitais. Isso seria alterado por meio de um imposto que não considerasse a localização da empresa, mas sim a localização da transação. Por outro lado, a UE acaba de criar o maior orçamento da história da união e contraiu um empréstimo de 750 bilhões de euros. Não está totalmente claro como esse dinheiro será devolvido até 2058, mas um imposto digital parece estar entre as propostas existentes.

Um DST é rejeitável por vários motivos. Não sabemos neste momento como tal imposto faria os atores do mercado reagirem. Quando o GDPR foi introduzido, vimos uma grande quantidade de operadores de mídia interromperem suas atividades na UE, porque não tinham certeza de como lidar com as novas regras de privacidade. Isso vai além de uma regra, e vai afetar os balanços das empresas. Além disso, os limiares são muito importantes. Limites de impostos baixos afetariam as pequenas startups europeias, que também poderiam voltar a oferecer seus serviços apenas em países com impostos baixos.

Os inovadores devem ser capazes de escolher entre locais com altos e baixos impostos, e não se deparar com um imposto uniforme e inevitável. Questões complicadas – como o atraso digital da UE – exigem soluções complexas de acordo com as autoridades, mas esse não é o caso. Menos intervenção significa mais inovação. Ações antitruste – uma direção que a UE tem estado mais interessada em seguir nos últimos anos – são uma ótima ferramenta para arrecadação de impostos, mas não resolvem o problema central. Precisamos de um mercado digital que tenha muitas opções diferentes para escolher, tornando menos provável que uma empresa ganhe o monopólio, pois estará mais preocupada com a concorrência real e, assim, buscará soluções inovadoras para os consumidores.

A justificativa central dada pela Comissão para ambas as propostas é que as atividades digitais não estão sujeitas à tributação tradicional. A propriedade intelectual das empresas em questão geralmente está localizada fora da UE, onde a maior parte do valor agregado é criada. A receita dessas empresas geralmente não é tributada na UE, mas isso certamente não significa que as empresas não sejam tributadas, especialmente porque os EUA adotaram um imposto mínimo global. Não é, portanto, o ideal virtuoso que “estas empresas devem pagar os seus impostos”, mas sim que estas empresas devem pagar os seus impostos à UE. A diferença para uma organização internacional que acaba de perder um importante membro contribuinte (o Reino Unido) é, portanto, mais uma questão de receita do que um princípio de justiça social.

Essa tática de barganha pode aumentar uma conta, e essa é a do consumidor europeu. Muitas vezes, o aumento das despesas das empresas em impostos indiretos, que isso inevitavelmente implicaria, aumentaria os preços para os consumidores em todo o continente. O IVA há muito é reconhecido como o imposto que mais atinge os pobres, mas muitos países da UE agora preferem introduzir níveis mais altos de tributação indireta. Numa altura em que especialmente as pessoas com baixos rendimentos podem ter um acesso mais simples a muitos produtos por causa da Internet, parece cruel restringir o seu poder de compra, especialmente no meio de uma pandemia que obriga muitos cidadãos da UE a recorrer a soluções digitais. Se nos preocupamos com aqueles com baixos salários, precisamos de um mercado mais competitivo no qual as empresas estejam em uma corrida de preços, não uma corrida para otimizar cargas tributárias astronômicas.

O futuro da economia de mercado da Europa está inegavelmente no setor digital. A ideia de tentar tributar massivamente as empresas online não é um objetivo promissor, nem para os estados nem para seus consumidores. Pertence ao caixote do lixo da integração política criativa na UE.

Publicado originalmente aqui.

Parlamento Europeu aprova novo quadro para tributação digital: os consumidores vão pagar a conta

CONTATO: Bill Wirtz Analista de Políticas Centro de Escolha do Consumidor Parlamento Europeu aprova novo marco para tributação digital: os consumidores vão pagar a conta Bruxelas, BE – Na tentativa de criar um regime tributário corporativo “claro e justo” para a União Europeia, o Parlamento Europeu aprovou uma resolução para um plano tributário que identificará a “presença digital” de […]

Role para cima