fbpx

Contaminação por micotoxinas: os perigos do mofo

A contaminação por micotoxinas está prestes a se tornar um problema maior à medida que as mudanças climáticas evoluem. A fim de prevenir a segurança alimentar e a segurança alimentar, os agricultores europeus precisam de ferramentas adequadas de proteção das culturas….

O que você faz quando vê um conjunto de mofo na geléia na geladeira? A infeliz sabedoria doméstica convencional é removê-lo e continuar a comer qualquer produto alimentar afetado. Os equívocos dos consumidores vão além disso - em estudo recente conduzido pela Universidade de Copenhague, pesquisadores encontrado que os consumidores dinamarqueses consideram o bolor como um sinal de “naturalidade”, enquanto os produtos tratados com pesticidas são prejudiciais à saúde.

Este é um mal-entendido problemático da natureza, perpetuado por décadas de denegrir a agricultura moderna e o trabalho dos agricultores. O uso de fungicidas e melhores unidades de armazenamento para prevenir o mofo não é arbitrário e contra os interesses dos consumidores, muito pelo contrário. Os fungos carregam micotoxinas, que afetam adversamente a saúde humana.

As micotoxinas são substâncias químicas tóxicas de ocorrência natural produzidas por bolores (fungos) que crescem nas plantações. Clima úmido, danos causados por insetos e armazenamento inadequado promovem o crescimento de mofo nas plantações e aumentam a probabilidade de contaminação por micotoxinas. Entre as micotoxinas mais comuns estão as aflatoxinas, ocratoxina A (OTA), fumonisinas (FUM), zearalenona (ZEN) e desoxinivalenol (DON – também conhecido como vomitoxina), que podem ser ingeridos através da ingestão de alimentos contaminados, incluindo laticínios (pois animais infectados podem transportá-los para o leite), ovos ou carne. Uma das mais perigosas são as aflatoxinas, que podem afetar milho, trigo, arroz, soja, amendoim e nozes, e pode causar câncer. O mais desconcertante, até 28% de todos os cânceres de fígado em todo o mundo podem ser atribuídos às aflatoxinas, e sua características imunossupressoras deixam os humanos debilitados contra outras doenças. As características são conhecidas pela ciência moderna desde a virada do século.

Na África, isso é uma epidemia mortal. A exposição à aflatoxina é mais letal do que a exposição à malária ou tuberculose, com 40% de todos os cânceres de fígado na África estando relacionado a ele. A contaminação por micotoxinas pode ocorrer devido ao armazenamento inadequado de alimentos, mas, mais importante, ocorre na ausência de medidas corretas de proteção de cultivos, incluindo produtos químicos.

Um estudo publicado recentemente pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) mostra que a mudança climática impacta esses problemas. “Alguns dos fatores importantes que influenciam a produção de micotoxinas – temperatura, umidade relativa e danos às culturas por pragas – são afetados pelas mudanças climáticas”, escreve o órgão da ONU. 

Para prevenir esses fungos, os agricultores usam fungicidas. Fungicidas são compostos químicos biocidas ou organismos biológicos usados para matar fungos parasitas ou seus esporos. No entanto, uma grande variedade de fungicidas está sendo criticada por grupos ambientais, por causa de avaliações de risco baseadas em perigos. É importante entender por que eles estão errados, estabelecendo a diferença entre “perigo” e “risco” na linguagem científica.

Por exemplo, o sol é um perigo ao ir à praia, mas os banhistas limitam sua exposição aplicando protetor solar. Uma abordagem regulatória baseada no perigo seria proibir todas as excursões à praia, a fim de eliminar completamente o perigo. A mesma lógica da regulamentação baseada em riscos é frequentemente aplicada na regulamentação de proteção de cultivos, juntamente com um mal-entendido do princípio da precaução. Em essência, os defensores da regulamentação baseada em riscos endossariam a proibição de todos os métodos de proteção de cultivos que não sejam completamente seguros, independentemente da dosagem. Ao ignorar a importância da equação Risco = Perigo x Exposição, a regulamentação baseada em perigo não segue uma abordagem de formulação de políticas cientificamente sólida e, a longo prazo, baniria todas as ferramentas necessárias disponíveis aos agricultores para garantir a segurança do consumidor.

“Ouvir a ciência” precisa ir nos dois sentidos. Não podemos enfrentar os desafios das mudanças climáticas e, ao mesmo tempo, defender a ideia de que toda a agricultura moderna é má. Os agricultores precisam ser parte da solução, não parte do problema, assim como os produtos químicos desenvolvidos para prevenir doenças duradouras.

Publicado originalmente aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Role para cima