fbpx

Índice Economia Compartilhada 2021

SUMÁRIO EXECUTIVO

O Índice de Economia Compartilhada do Centro de Escolha do Consumidor 2021 visa fornecer aos consumidores na Europa e globalmente informações concisas e relevantes sobre a disponibilidade e acessibilidade dos serviços da economia compartilhada.

INTRODUÇÃO

Em consequência da pandemia, muitas áreas de atividade económica sofreram, e a economia de partilha não é exceção. Na verdade, seria justo dizer que foi um dos campos mais atingidos. Quarentenas e bloqueios globalmente resultaram em uma queda drástica na demanda por acomodações compartilhadas no exterior e outros serviços de economia compartilhada e, como consequência, alguns governos tentaram usar isso como uma oportunidade para restringir ainda mais a economia compartilhada.

Por exemplo, em junho de 2020, Amsterdã banido alugueres de alojamento de curta duração incluindo Airbnb de operar nos três bairros do seu centro histórico. Felizmente, a proibição foi anulada em março deste ano. 

De forma semelhante, em junho de 2020, o prefeito de Lisboa prometeu “livrar-se do Airbnb” assim que a pandemia de coronavírus terminar. No entanto, o Airbnb ainda está disponível na cidade, e esperamos que continue assim.

A economia compartilhada demonstrou uma excelente capacidade de adaptação aos desafios impostos pela pandemia. O Uber, por exemplo, obrigou seus motoristas a tirarem selfies para provar que estavam usando máscaras e evitar o contato com os clientes. Os bancos dianteiros também deveriam ser deixados vazios para reduzir a interação entre motoristas e consumidores.

De maneira mais geral, uma quantidade limitada de atividades legais tornadas desnecessárias o uso de e-scooters ou aplicativos de compartilhamento de viagens. Como enfatizou um motorista anônimo da Bolt de Lviv (Ucrânia), “embora fosse lucrativo passar um dia em Bolt-ing ou Uber-ing antes da pandemia, agora devido à baixa demanda e apenas dois ou três pedidos por dia, tornou-se mais uma tentativa fútil de ganhar o suficiente apenas para pagar o combustível.

No entanto, nem tudo é desgraça e melancolia. Os aplicativos de entrega, ao contrário, foram uma verdadeira virada de jogo durante a pandemia, e isso se reflete em seus lucros. No primeiro trimestre de 2020, Uber Eats receitas subiu em mais de 50% globalmente. O Uber Freight – um aplicativo que ajuda as transportadoras a fazer reservas sem problemas e permite que os remetentes façam remessas com facilidade – aumentou as receitas em 57%. 

A natureza inovadora da economia compartilhada levou ao seu sucesso inegável e, mais importante, resistiu ao teste da crise do coronavírus. Uma das principais tarefas para o futuro deve ser criar e sustentar condições favoráveis para que a economia compartilhada continue a desenvolver novas formas de tornar nossas vidas mais fáceis e melhores.

Como um grupo global de defesa do consumidor, nós do Consumer Choice Center acreditamos que a escolha do consumidor é fundamental, e serviços que agregam valor aos consumidores – seja Uber, AirBnB, ShareNow ou e-scooters – devem ser endossados e incentivados. 

Este é o nosso segundo e aprimorado Índice de Economia Compartilhada de 2021, que visa classificar algumas das cidades mais dinâmicas do mundo e fornecer um guia valioso para os consumidores sobre os serviços de economia compartilhada disponíveis para eles.

Recentemente, também publicamos Índice LATAM Sharing Economy de 2021 para fornecer uma visão geral dos serviços de economia compartilhada disponíveis para consumidores na América Latina. Para avaliar a compatibilidade com a economia compartilhada, examinamos 50 das cidades mais dinâmicas do mundo para ver quais lideram o caminho na economia compartilhada.

Nota de pesquisa: Nós nos esforçamos para melhorar a qualidade dos dados subjacentes deste índice ano a ano e pretendemos refinar sua metodologia no futuro. Às vezes, nos deparamos com informações e indicadores contraditórios fornecidos por diferentes fontes online, especialmente nos casos de impostos. Pedimos aos leitores deste índice que reconheçam as dificuldades de trabalhar com dados heterogêneos e alertamos os usuários deste índice para estarem cientes das complicações subjacentes dos dados. Além disso, revisamos algumas das descobertas do Índice do ano passado e pedimos aos leitores que vejam o Índice de Economia Compartilhada de 2021 como uma versão aprimorada do Índice de Economia Compartilhada de 2020. O intervalo de tempo das datas varia entre 2018 e maio de 2021.

CLASSIFICAÇÃO: 10 MELHORES CIDADES

CLASSIFICAÇÃO CIDADE PAÍS PONTUAÇÃO TOTAL
1 Tallin Estônia 100
1 Tblisi Geórgia 100
2 São Paulo Brasil 95
2 Riga Letônia 95
2 Vilnius Lituânia 95
2 Varsóvia Polônia 95
2 Kyiv Ucrânia 95
3 Cidade do México México 95
3 Oslo Noruega 90
3 Estocolmo Suécia 90

Tallinn continua sendo a cidade mais amiga da economia compartilhada. Seu baixo nível de regulamentação dos serviços de carona e compartilhamento de apartamentos, juntamente com a abertura para e-scooters e inovação notável no espaço digital ajudaram a levá-lo ao primeiro lugar. A Estônia é conhecida por seu estado digital em expansão, e o fato de haver até um aplicativo de carona para crianças reforça esse fato.

Todas as principais cidades pontuam alto quando se trata de compartilhamento de apartamentos, o que significa que elas não sobrecarregam essa parte importante da economia compartilhada com impostos municipais ou requisitos de permissão especial. No entanto, Vilnius e Kyiv se destacam no transporte compartilhado, entre as 10 principais cidades, pois ambas são as únicas que não exigem uma permissão especial.

A Europa Oriental continua a ter uma atitude mais liberal em relação à economia compartilhada, enquanto os países da Europa Ocidental e Central seguem uma abordagem restritiva. Ambas as capitais nórdicas – Estocolmo e Oslo – estão entre as principais cidades amigas da economia compartilhada do mundo. Da mesma forma, seus vizinhos do norte da Europa – Tallinn, Vilnius e Riga – também pontuam mais alto no Índice. 

Por outro lado, Minsk, Valletta, Amsterdã, Haia, Bratislava, Ljubljana, Nicósia, Sofia, Tóquio, Atenas, Cidade de Luxemburgo ficaram no final da lista. Essas cidades escolheram regulamentação excessiva em detrimento do interesse dos consumidores, limitando significativamente sua escolha de consumo. 

Em maio de 2021, as scooters elétricas foram confirmadas para um teste de 12 meses em Londres a partir de 7 de junho. Para alugar uma e-scooter, os consumidores do Reino Unido precisam ter uma licença completa ou provisória para carro, motocicleta ou ciclomotor.

Em uma tentativa de preservar uma regulamentação liberal da economia compartilhada e das e-scooters, em particular, ao mesmo tempo em que incentiva o uso responsável delas, em 24 de junho, a Administração Estatal da Cidade de Kyiv assinado um Memorando de Cooperação com operadoras de serviços de aluguel de scooters elétricas. O memorando estabelece uma série de regras sobre como usar e-scooters, como limites de velocidade e proibição total em algumas áreas movimentadas da capital ucraniana. No entanto, ao assinar o memorando, as empresas de e-scooters concordaram voluntariamente com essas regras e são responsáveis pela aplicação.

Apesar das previsões sombrias no início da pandemia, a economia compartilhada sobreviveu, embora não sem perdas. Como acontece com todos os serviços que tornaram nossas vidas mais fáceis, os negócios de plataforma são amplamente apreciados por milhões de consumidores em todo o mundo. Agora que sabemos como é bom poder andar de patinete elétrico, compartilhar caronas ou dividir um apartamento com os habitantes locais, os governos terão dificuldade em nos livrar dessas opções. A economia compartilhada é movida pela criatividade e pelo empreendedorismo: o que não mata, fortalece.

BENEFÍCIOS PARA OS CONSUMIDORES:

O Índice de Economia Compartilhada fornece uma visão geral valiosa de muitos dos serviços que são muito apreciados pelos consumidores. Mais é sempre melhor, e a disponibilidade de vários serviços de economia compartilhada garante que os consumidores tenham muitas opções onde quer que vão. Nosso índice dá a você um vislumbre de uma diversidade de maneiras pelas quais sua estadia em uma determinada cidade pode ser melhor.

A pandemia prejudicou as economias na Europa e no mundo e, à medida que nos recuperamos das consequências devastadoras de uma crise de saúde sem precedentes, é importante que tenhamos mais opções de transporte e moradia para atender às nossas necessidades, preferências e orçamentos individuais.

O índice atualizado, portanto, não apenas ajuda os consumidores a ver quais cidades conseguiram preservar a economia compartilhada durante a pandemia, mas também fornece um guia prático para vários serviços globalmente. 

O Sharing Economy Index é uma compilação única de aplicativos que você pode usar para melhorar sua experiência na cidade. Em Belgrado, por exemplo, é possível ganhar dinheiro com carona sem precisar adquirir uma licença específica. No entanto, em cidades como Luxemburgo, Atenas e Ljubljana, o serviço de carona não está disponível.

BAIXE O RELATÓRIO COMPLETO AQUI:

BASE DE DADOS DISPONÍVEL AQUI:

SUCESSOS DE MÍDIA

Role para cima
pt_BRPT