fbpx

Greens/EFA Report vai atrás de pesquisadores de plantas e organizações da UE. Falha

Um verão muito seco, juntamente com um baixo suprimento de fertilizantes e picos de energia, criaram a tempestade perfeita para o setor agrícola europeu, com culturas básicas como girassol e milho despencando 12 e 16 por cento, respectivamente (1).

Não é de admirar que haja pressões crescentes (2) por parte de estados membros como República Tcheca, Romênia, Lituânia, Suécia e Itália para reconsiderar as regras da UE que levaram à decisão do Tribunal de Justiça Europeu de 2018 sobre técnicas de melhoramento genético de plantas. A decisão do Tribunal altera a diretiva original da Comissão Europeia de 2001 sobre modificação de plantas, tratando as plantas baseadas em CRISPR e a manipulação genética tradicional como uma e a mesma coisa. Os críticos apontam, com razão, como o julgamento dificulta a inovação em um momento de crise, quando a engenhosidade é necessária mais do que nunca.

A resposta do grupo Greens European Free Alliance a essas pressões pode ser melhor caracterizada como tempestuosa. A EFA surgiu na arena do discurso público com um relatório (4) que inclui algumas páginas de reivindicações e muito mais páginas de acusações pessoais.

Não importa o trovão emocional, nem as afirmações do relatório nem suas acusações se sustentam.

Suas alegações sobre os efeitos da engenharia genética são que ela produz mutações incontroláveis, não intencionais e inseguras nas células, muito além daquelas encontradas naturalmente ou em reprodução mutagênica padrão (como induzida por radiação ou reação química). Seria melhor manter a agricultura orgânica com plantas orgânicas.

No entanto, essas alegações não correspondem à evidência esmagadora (5) (pesando milhares de estudos ao longo de um período de 21 anos) de que as plantas editadas reduzem (em vez de aumentar) a necessidade de pesticidas (6), são menos propensas a doenças ( 7) e são mais confiáveis do que métodos de melhoramento de plantas mais antigos (8). Análises ainda mais críticas de estudos (9) não encontraram evidências de que sejam inseguros para os seres humanos.

As afirmações ignoram o fato de que a agricultura orgânica 100% costuma ser mais intensiva em energia e usar (e, portanto, mais poluente) (10) e não aumenta (11) a tarefa de alimentar bilhões de pessoas em todo o mundo.

Essas declarações raivosas costumam ser ilógicas. Uma linha de argumentação diz que ter uma patente é a prova de que o novo procedimento genético não pode produzir o mesmo resultado de um processo natural. Isso deve ser verdade, diz ele, porque de outra forma não teria sido patenteado! Dito isso, uma patente pode ser concedida por outros motivos além de alcançar um resultado diferente – como encontrar um meio novo e mais fácil para o mesmo resultado. Por 'coincidência', isso está mais próximo do verdadeiro argumento a favor do melhoramento genético de plantas.

Sem mencionar como o relatório exagera ao tentar desacreditar a criação mutagênica ao mesmo tempo que novas técnicas. Neste ponto, a razão para rejeitar a reprodução mutagênica (agora quase um século de prática) é que ela prejudica as plantas, embora não prejudique pessoas ou animais. Alguém poderia facilmente rejeitar as plantas alimentares, ou a seleção natural, pelos mesmos motivos.

A maior parte do relatório é menos sobre ciência do que sobre a política na ciência. Acusa acadêmicos e grupos favoráveis à inovação, como EPSO, ALLEA ou EU-SAGE, de não serem pesquisadores. Em vez disso, eles são ativistas se passando sorrateiramente como especialistas neutros para fazer a licitação sinistra de empresas e políticos de porta giratória. Em seguida, nomeia e envergonha vários indivíduos que trabalham no campo antes de concluir que é necessária mais transparência no nível da UE.

Vamos deixar de lado por um momento que as acusações são falsas – muitos desses mesmos pesquisadores nunca esconderam seus currículos do escrutínio público e foram muito francos sobre seus pontos de vista (12).

Esqueça por um momento como é incomum dizer que pesquisadores bem estabelecidos não devem buscar 'desenvolvimentos de carreira' no campo em que se especializam, devem limitar contatos na indústria cujo desempenho são solicitados a comentar e não podem acessar nenhum dos dados públicos -fundos privados que são padrão acadêmico.

Em vez disso, vamos nos concentrar no que o relatório acaba fazendo. Ao tentar envenenar o debate com conversas sobre interesses obscuros, isso mina a fé nas instituições científicas da UE, uma vez que os consumidores não têm motivos para confiar em organizações que são tão corruptas e egoístas quanto a EFA as faz parecer. Apresenta um ponto de vista que pinta toda crítica como uma 'reivindicação de lobby' e seu lado como 'realidade'. O relatório faz tudo isso enquanto não compreende a ciência e a prática da modificação genética.

Melhor então respirar fundo e se acalmar.

Publicado originalmente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Role para cima