fbpx

Acabar com o monopólio arcaico da Carolina do Norte na venda de bebidas alcoólicas

Quando se trata de política de álcool, a Carolina do Norte é mais uma exceção do que um exemplo.

Embora o nosso esteja entre os 17 estados com um sistema de controle de álcool, onde o estado detém o controle monopolista de parte do comércio de álcool, ele se destaca como um dos mais restritivos. As lojas de bebidas privadas são proibidas, os preços são fixos e uma mentalidade da era da Lei Seca ainda permeia a infinidade de regulamentações de álcool supervisionadas pela Comissão Estadual de Controle de Bebidas Alcoólicas.

Existem 168 conselhos locais individuais que controlam as bebidas, um sistema bizarro e fraturado no qual políticos e administradores determinam tudo, desde os preços das garrafas de tequila até onde devem ser colocadas nas lojas ABC e quanto estocar.

O sistema estadual ABC arrecadou $1 bilhão no ano passado, gerando $430 milhões em receita tributária da qual os políticos locais e estaduais passaram a depender demais.

Com tanta sobreposição de jurisdição e controle político, não é surpresa que um auditoria de 2018 revelou $11,3 milhões em perdas ao longo de uma década devido a "má gestão". E esse número provavelmente é conservador, considerando que os políticos não são conhecidos por tomar as melhores decisões de negócios.

O sistema ABC aumenta os custos para os consumidores, aloca mal o capital que seria melhor usado pela iniciativa privada e dá muita autoridade aos políticos e administradores como planejadores econômicos em vez de reguladores. Quais seriam os benefícios dispersos e a receita tributária adicional se permitíssemos que varejistas privados de bebidas operassem?

No entanto, ainda vemos oposição a propostas moderadas apresentadas por legisladores estaduais para trazer a regulamentação do álcool para o 21º.rua século.

Semana Anterior, SB 87 foi introduzido para fundir os conselhos da ABC em condados onde há mais de dois, licenças de transporte de bebidas alcoólicas, permitir a venda de garrafas individuais para pedidos especiais, vendas de bebidas aos domingos e degustações nas lojas. Embora o projeto de lei seja encorajador, ele não vai longe o suficiente para capacitar os consumidores ao desmantelar o monopólio inútil e desnecessário das lojas ABC.

Uma pesquisa recente da Elon University descobriu que 52% dos habitantes da Carolina do Norte querem desligar o monopólio do ABC e permitir a venda privada de bebidas alcoólicas.

Esses resultados foram incluídos em um relatório de 65 páginas divulgado pela Divisão de Avaliação de Programas da Assembleia Geral no início deste mês, pedindo mudanças moderadas encontradas no projeto de lei do Senado, mas deixando de recomendar as vendas privadas de bebidas no varejo.

Infelizmente, o relatório assume que pequenos ajustes no status quo, em vez de uma reforma total, seriam o melhor caminho a seguir. Também assume que o monopólio estatal do álcool é um fato. Esse é precisamente o problema.

É a mesma razão pela qual não concedemos ao Estado o monopólio das vendas de armas de fogo, tabaco, carnes curadas e pesticidas, produtos que podem ser abusados ou explorados para causar danos. Para esses produtos e milhares de outros, acreditamos em regulamentação robusta e inteligente para incentivar a livre iniciativa e, ao mesmo tempo, proteger os consumidores, não no controle político total de um mercado para maximizar a receita tributária.

Não vamos nos iludir: a Lei Seca acabou há 86 anos, os políticos não são magos dos negócios e a venda de bebidas alcoólicas deveria ser um consumo responsável em um mercado competitivo, e não mais um programa governamental para arrecadar impostos. ABC deve chegar ao fim.

Publicado originalmente aqui

Role para cima