fbpx

trabalho de parto compromisso proibir jatos particulares por causa de seu impacto ambiental pode ser pura política eleitoral, mas também é um lembrete oportuno para pensar sobre a melhor abordagem para lidar com a mudança climática e o colapso ambiental.

Existem duas maneiras principais de responder a uma situação de emergência: disparar o alarme em um esforço para neutralizar o perigo rapidamente ou dar um passo para trás para avaliar adequadamente o problema sem ceder à pressão emocional.

No caso da mudança climática, a primeira abordagem prevaleceu claramente. Os gostos de Extinction Rebellion alertam para a destruição iminente, e Alexandrio Ocasio-Cortez prevê o fim do mundo em pouco mais de uma década. Suas 'soluções', como tentar descarbonizar toda a economia britânica em pouco mais de cinco anos, também cheiram a alarmismo.

O alarmismo da mudança climática tem sido imensamente bem-sucedido em promover todos os tipos de proibições, restrições alimentares e impostos. Essas medidas estão longe de ser uma panacéia, especialmente no longo prazo. Além disso, para alcançar os resultados desejados, eles precisam ser aplicados de forma consistente e em todos os níveis de governo. É por isso que estão fadados ao fracasso: sempre haverá free-riders, aqueles que dariam um jeito de manter sua dieta carnívora ou evitar o pagamento de impostos.

Além desse tipo de alarmismo, uma das formas mais eficazes de combater as mudanças climáticas é por meio da inovação na agricultura.

A agricultura orgânica é atraente porque é “natural” e, portanto, associada a uma maior segurança alimentar, mas pode fazer mais mal do que bem se optarmos por segui-la. Em 2017, pesquisadores do Instituto de Pesquisa de Agricultura Orgânica da Suíça estimaram que, se o mundo optasse por se converter totalmente à agricultura orgânica, precisaríamos de 16 a 81% mais terra para alimentar o planeta.

A dependência excessiva de recursos naturais limitados, como no caso da agricultura orgânica, é significativamente mais perigosa do que os impostos. A população mundial está crescendo e precisamos de alimentos. A promoção de produtos orgânicos promete fornecer menos no momento em que mais precisamos.

A boa notícia é que liberar o potencial da engenharia genética, longe de ser uma tecnologia 'Frankenstein', é uma arma poderosa na luta contra o colapso ambiental. Com a ajuda da edição do genoma, poderíamos diminuir nossa dependência de recursos naturais e minimizar o uso de fertilizantes e pesticidas. A criação de culturas tolerantes à seca e ao calor reduziria a necessidade de desmatar áreas selvagens para liberar mais terras para fins agrícolas. E poderíamos ajudar a combater a sobrepesca substituindo o óleo de peixe por canola EPA/DHA (ácidos graxos ômega-3).

Os benefícios da engenharia genética são surpreendentes, mas muitas vezes são descartados por causa de alegações de segurança alimentar não comprovadas e riscos associados à alteração da aparência da agricultura. Os cientistas rejeitaram repetidamente a ideia de que os alimentos geneticamente modificados são menos seguros do que os cultivados convencionalmente. A verdadeira questão, ao que parece, é a resistência humana à mudança, juntamente com histórias assustadoras mal informadas e não científicas.

O custo humano dessa resistência à mudança pode ser assombroso. Pegue o arroz dourado: um livro novo estima que milhões de pessoas morreram ou ficaram cegas desnecessariamente porque lhes foi negado o acesso a esse alimento milagroso por uma combinação de regulamentação excessivamente zelosa e campanha anti-transgênica equivocada.

Isso não é nada novo, claro. Ao longo da história, as pessoas têm sido céticas, ou mesmo temerosas, em relação à inovação. E, no entanto, persistiu contra todas as probabilidades e melhorou nossas vidas de maneiras antes inimagináveis. Devemos enfrentar os alarmistas e dar à engenharia genética uma chance de alimentar o mundo – e ajudar a salvar o planeta.


Para mais fatos sobre Saúde e Ciência, confira nossos outros artigos aqui.


O Consumer Choice Center é o grupo de defesa do consumidor que apoia a liberdade de estilo de vida, inovação, privacidade, ciência e escolha do consumidor. As principais áreas políticas em que nos concentramos são digital, mobilidade, estilo de vida e bens de consumo e saúde e ciência.

O CCC representa consumidores em mais de 100 países em todo o mundo. Monitoramos de perto as tendências regulatórias em Ottawa, Washington, Bruxelas, Genebra e outros pontos críticos de regulamentação e informamos e ativamos os consumidores para lutar pela #ConsumerChoice. Saiba mais em 
consumerchoicecenter.org

Compartilhar

Seguir:

Mais postagens

Assine a nossa newsletter

Role para cima