fbpx

Em comparação com a Europa, o sistema agrícola americano é mais eficiente e sustentável

Um dos equívocos mais notáveis de muitos americanos é que as pessoas nos Estados Unidos estão em situação pior do que suas contrapartes europeias. Se olhássemos apenas para a renda, os americanos são mais ricos do que os europeus em vários pontos de dados: o Os EUA superam o PIB per capita da maior parte da União Europeia. A classe média americana também supera a europeia, tudo enquanto desafiador o que até conta como a classe média em primeiro lugar. 

Além disso, os bens de primeira necessidade são mais baratos para a maioria dos consumidores. Como eu tenho escrito anteriormente, os americanos gastam 5% de sua renda disponível em mantimentos, em comparação com 8,7 por cento na Irlanda (a mais baixa da UE), 10,8 por cento na Alemanha, 12 por cento na Suécia, 17 por cento na Hungria e 25 por cento na Roménia. No entanto, alguns críticos afirmam que o sistema alimentar americano prioriza a eficiência sobre a sustentabilidade, o que, por sua vez, prejudica o meio ambiente. Aqui é onde a análise fica muito interessante.

No final da década de 1980, a divergência entre a Europa e os Estados Unidos em termos de produção agrícola tornou-se perceptível. Embora a Europa tenha mantido um nível estável de produção agrícola desde cerca de 1985, os Estados Unidos dobrou sua produtividade entre 1960 e o ano 2000 e está a caminho de quebrar o ganho de produtividade de 150 por cento no futuro próximo. Enquanto isso, americano insumos agrícolas estão retraindo lentamente aos níveis da década de 1960, o que significa que os EUA estão produzindo uma quantidade muito maior de alimentos com menos recursos. Por exemplo, na produção de milho, isso significa que os Estados Unidos produzem 70 alqueires por hectare, enquanto os países europeus produzem menos de 50. 

Uma mistura interessante de ação regulatória e inação levou a essa divergência. Um grande colaborador começou na década de 1970, quando A Alemanha introduziu o “Vorsorgeprinzip”, agora comumente conhecido como o princípio da precaução. Esta política é um regulamento preventivo de segurança pública que inverte o ônus da prova para o processo de aprovação regulatória: por exemplo, um novo produto químico para proteção de cultivos só pode ser aprovado se for comprovado que não tem efeitos adversos na saúde humana ou na biodiversidade. O princípio da precaução não se baseia apenas na mera toxicidade, mas extrapola para um nível de prova abrangente e difícil de estabelecer de que um produto nunca poderia representar qualquer dano. Isso alongou os processos de aprovação de novos produtos químicos significativamente como a UE consagrou em seus tratados — com o efeito irônico de que os pesticidas mais antigos permaneceram no mercado, enquanto os produtos mais novos não conseguiram aprovação. 

Na verdade, uma demonstração dos efeitos nocivos do princípio da precaução e, incidentalmente, outra razão pela qual a agricultura americana é mais eficaz, tornou-se visível no campo da biotecnologia. Alimentos geneticamente modificados, comumente conhecidos como OGMs, bem como novas tecnologias de edição de genes, permanecem ilegais na União Européia. Apesar do fato de jurisdições como Estados Unidos, Canadá, Brasil e Israel usarem essas técnicas de melhoramento de plantas há décadas, o princípio da precaução e a abordagem regulatória pesada da Europa impedem que elas sejam usadas. 

As políticas europeias, de fato, tornaram a agricultura menos sustentável porque a Europa negligenciou o ângulo da inovação. Tomemos o exemplo da destruição do solo. A agricultura é um grande contribuinte para as emissões de gases de efeito estufa porque o dióxido de carbono é armazenado no solo e, à medida que os agricultores perturbam o solo por meio do cultivo, o CO2 é liberado na atmosfera. Quanto mais você perturba o solo, mais você emite. Enquanto nos Estados Unidos, mais de 70 por cento da agricultura funciona com lavoura reduzida ou plantio direto, a Europa ainda produz mais de 65 por cento de seus alimentos com lavoura convencional. O motivo: o plantio direto exige um uso mais considerável de pesticidas, que são malvistos na Europa.

Sem inovação, a agricultura não pode se tornar mais sustentável. Enquanto a União Européia pretende reduzir as terras agrícolas, cortar o uso de pesticidas sintéticos e manter novas soluções biotecnológicas ilegais dentro de sua estratégia “Farm to Fork” (conhecida como F2F), os Estados Unidos optaram por uma abordagem diferente. A Agenda de Inovação Agrícola do USDA (AIA) avança a noção de que mais inovação, por meio de pesquisa e investimento públicos e privados, torna o sistema alimentar mais eficiente e sustentável. O AIA é a abordagem voltada para o futuro, enquanto o F2F tenta reduzir os impactos da agricultura no meio ambiente, reduzindo o uso de terras agrícolas e reduzindo as caixas de ferramentas dos agricultores para combater pragas e doenças de plantas.

Dito isso, o sistema alimentar americano também enfrenta desafios. Ativistas ambientais e advogados americanos parecem querer introduzir um sistema regulatório de estilo europeu por meio dos tribunais - inclusive processando empresas de alimentos. O sistema americano altamente litigioso cria um efeito perverso no qual você tem que convencer um juiz ou júri dos efeitos nocivos de uma ferramenta de proteção de cultivos, não uma agência científica com especialistas em análise de dados. Como resultado, o desenvolvimento de produtos químicos agrícolas torna-se um passivo que apenas as grandes empresas podem arcar, levando à concentração do mercado. Isso é problemático porque em uma época em que precisamos mais do que nunca de eficiência agrícola e inovação, é essencial que a competição reine na esfera agroquímica e agrotecnológica. A concorrência cria a base para cientistas, profissionais da indústria e agricultores obterem uma variedade de opções no mercado.

Em última análise, devemos reconhecer as maravilhas da agricultura moderna. Os benefícios da agricultura de alto rendimento são aparentes: alimentamos mais pessoas de forma mais sustentável, ao mesmo tempo em que cobramos menos por isso. Por exemplo, precisamos 60% menos vacas ainda produzem o dobro de leite do que produzíamos na década de 1930. Precisamos aproveitar esses tipos de sucesso para tornar nosso sistema alimentar mais eficiente e sustentável.

Publicado originalmente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Role para cima