fbpx

Privacidade

Artigos e publicações escritas pelo CCC sobre Privacidade.

Como podemos garantir a privacidade do consumidor?

Todas as semanas, ouvimos falar de novas violações de dados, hacks e divulgações de informações financeiras e pessoais confidenciais.

No mês passado, foi o ataque cibernético no Gasoduto Colonial nos Estados Unidos, causando picos nos preços da gasolina e longas filas na bomba. Antes disso, surgiram notícias de um vazamento de dados afetando meio bilhão de contas do Facebook, um bot que raspou com sucesso 500 milhões de contas do LinkedIn e um hack na Universidade de Stanford que expôs milhares de números de segurança social e detalhes financeiros. O ciclo é interminável.

O grande número de relatórios de vazamentos de dados, hacks e golpes em contas afetadas agora cresceu tanto que consumidores e usuários ficam entorpecidos. Quanto mais esse número cresce, mais ficamos entorpecidos.

Mas as violações de dados privados são importantes. E os consumidores devem ser justamente contrariados.

Porque para cada erro de empresa, exploração de hacker e banco de dados governamental inseguro, existem milhares de empresas e organizações fazendo certo, mantendo os dados dos usuários seguros, criptografados e longe de olhares indiscretos.

E embora os países individuais da União Europeia tenham suas próprias leis de privacidade e dados, o aspecto mais problemático aqui é o problemático Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR), que muitas vezes torna mais difícil para empresas legítimas proteger dados, não menos.

Embora devamos estar sempre atentos a possíveis vazamentos e hacks, a principal preocupação de uma lei ou diretiva de privacidade de dados inteligente e de bom senso deve ser defender a inovação, o que não é o caso no momento.

Para cada nova empresa de dados de saúde, empresa de logística ou wearable de consumo, a coleta e retenção adequada de dados é um valor fundamental. Quanto mais as regras forem uniformes, claras e não criarem barreiras à entrada, mais inovação veremos no que diz respeito à proteção de dados.

Devemos incentivar as empresas a adotar padrões de interoperabilidade e dados abertos para garantir que os dados sejam portáteis e de fácil acesso para os usuários. As principais redes de mídia social agora permitem essa previsão, e tem sido o padrão para dados de sites por vários anos.

Se isso se tornar o padrão, os consumidores poderão escolher as marcas e serviços que melhor atendem às suas necessidades e interesses, em vez de apenas empresas deixadas de pé na esteira do excesso de regulamentação.

Ao mesmo tempo, se quisermos revisar as regras de privacidade na UE, devemos consagrar o princípio da neutralidade tecnológica, onde o governo evita decretar vencedores e perdedores. Isso significa que regular ou endossar vários formatos de dados, algoritmos ou tecnologia deve ser determinado por empresas e consumidores, não por agências governamentais sem o conhecimento necessário para tomar boas decisões. A recente tentativa da UE de designar o “carregador de telefone comum” como a conexão micro-USB, em um momento em que as conexões USB-C estão se tornando o padrão da indústria, é um exemplo fácil.

Isso também se estende a práticas de inovação, como publicidade direcionada, segmentação geográfica ou personalização, que são fundamentais para a experiência do consumidor.

Além disso, devemos ser cautelosos com todas as tentativas de proibir a criptografia para uso comercial e pessoal.

A pressão tem montado à Comissão Europeia para rever a encriptação por agentes privados, mas isso seria um erro.

A razão pela qual a criptografia continua sendo uma ferramenta poderosa no arsenal de empresas e agências que lidam com nossos dados e comunicações é porque ela funciona. Devemos defendê-la a qualquer custo.

Embora haja muito com o que se preocupar quando se trata de violações e hacks online, os consumidores devem poder se beneficiar de um mercado inovador de produtos e serviços, livre de regulamentações que muitas vezes restringem o progresso.

Esse equilíbrio é possível e necessário, tanto se quisermos ter uma experiência online mais segura, quanto se quisermos continuar tendo a melhor tecnologia à nossa disposição para melhorar nossas vidas.

Publicado originalmente aqui.

A segurança de dados digitais apresenta vários desafios

Em uma segunda-feira, há um vazamento de dados que afeta meio bilhão de contas do Facebook. Na terça-feira, um bot raspou 500 milhões de contas do LinkedIn. Então, na quarta-feira, a Universidade de Stanford anuncia um hack que expôs milhares de números de CPF e detalhes financeiros. E quinta-feira, a maior empresa de TI de aviação do mundo anuncia que 90% de dados de passageiros podem ter sido acessados em um ataque cibernético. E assim por diante. O ciclo é interminável.

O grande número de relatórios de vazamentos de dados, hacks e golpes nas contas afetadas agora cresceu tanto que os consumidores e usuários ficam entorpecidos. Também pode ser o crescente total da dívida nacional - quanto maior o número, menos nos importamos.

Mas as violações de dados privados são importantes. E os consumidores devem ser justamente contrariados.

Porque para cada falha de empresa, exploração de hacker e banco de dados governamental inseguro, existem milhares de empresas e organizações fazendo certo, mantendo os dados dos usuários seguros, criptografados e longe de olhares indiscretos.

E embora estados como Califórnia, Virgínia e Vermont tenham aprovado leis de privacidade e dados, muitas dessas disposições se assemelham muito ao problemático Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR) da União Europeia, tornando mais difícil para empresas legítimas proteger dados, não menos.

Quando ocorrem grandes violações de dados, os consumidores que foram legitimamente prejudicados devem ter suas reivindicações ouvidas no tribunal.

Mas as regulamentações atuais nos EUA, inclusive na Califórnia centrada em tecnologia, impõem um fardo muito grande para aqueles que seguem a lei e fazem o que é certo para seus clientes. Também existe o risco de criar uma colcha de retalhos de diferentes regras em diferentes jurisdições. Para evitar isso, uma estrutura nacional sobre dados e privacidade do consumidor precisará tomar forma.

Embora devamos estar sempre vigilantes sobre potenciais vazamentos e hacks, uma das principais preocupações de um projeto de lei de privacidade de dados inteligente e de bom senso deve ser defender a inovação.

Para cada nova empresa de dados de saúde, empresa de logística ou wearable de consumo, a coleta e retenção adequadas de dados são um valor fundamental. Quanto mais as regras forem uniformes, claras e não criarem barreiras à entrada, mais inovação veremos quando se trata de proteção de dados.

Devemos incentivar as empresas a adotar padrões de interoperabilidade e dados abertos para garantir que os dados sejam portáteis e de fácil acesso aos usuários. As principais redes de mídia social agora permitem essa previsão, e tem sido o padrão para dados de sites por vários anos.

Se isso se tornar o padrão, os consumidores poderão escolher as marcas e serviços que melhor atendem às suas necessidades e interesses, em vez de apenas empresas deixadas de pé na esteira do excesso de regulamentação.

Ao mesmo tempo, se quisermos ter uma lei nacional de privacidade, devemos consagrar o princípio da neutralidade tecnológica, em que o governo evita decretar vencedores e perdedores. Isso significa que regulamentar ou endossar vários formatos de dados, algoritmos ou tecnologia deve ser determinado por empresas e consumidores, não por agências governamentais sem o conhecimento necessário para tomar boas decisões. A recente tentativa da UE de designar o “carregador de telefone comum” como a conexão micro-USB, em um momento em que as conexões USB-C estão se tornando o padrão da indústria, é um exemplo fácil.

Isso também se estende a práticas de inovação, como publicidade direcionada, segmentação geográfica ou personalização, que são essenciais para a experiência do consumidor.

Além disso, devemos ser cautelosos com todas as tentativas de proibir a criptografia para uso comercial e pessoal.

Nas últimas semanas, o diretor do FBI, Christopher Wray, mais uma vez pediu ao Congresso que proíba o uso de criptografia, um exagero que colocaria bilhões de dólares em dados em risco da noite para o dia e nos deixaria vulneráveis a hackers estrangeiros.

Ele é acompanhado nesses esforços pelos Sens. Lindsey Graham, RS.C.; Tom Cotton, R-Ark.; e Marsha Blackburn, R-Tenn., que apresentou um projeto de lei que proibiria para sempre essa importante invenção criptográfica, alertando que ela é usada por “terroristas e outros maus atores para ocultar comportamento ilícito”.

A razão pela qual a criptografia continua sendo uma ferramenta poderosa no arsenal de empresas e agências que lidam com nossos dados e comunicações é porque ela funciona. Devemos defendê-la a qualquer custo.

Embora haja muito com o que se preocupar quando se trata de violações e hacks online, os consumidores devem poder se beneficiar de um mercado inovador de produtos e serviços, livre de regulamentações que muitas vezes restringem o progresso.

Este equilíbrio é possível e necessário, tanto se queremos ter uma experiência online mais segura como se queremos continuar a ter a melhor tecnologia ao nosso dispor para melhorar as nossas vidas.

Publicado originalmente aqui.

Os consumidores estão pegando o atalho na privacidade de dados?

Em uma segunda-feira, há um vazamento de dados afetando meio bilhão Contas do Facebook, na terça-feira um bot raspou 500 milhões contas do LinkedIn. Na quarta-feira, a Universidade de Stanford anuncia um cortar que expôs milhares de números de previdência social e detalhes financeiros. Então quinta-feira, a maior empresa de TI de aviação do mundo anuncia 90% dos dados dos passageiros podem ter sido acessados em um ataque cibernético. E assim por diante. O ciclo é interminável.

O grande número de relatórios de vazamentos de dados, hacks e golpes nas contas afetadas agora cresceu tanto que os consumidores e usuários ficam entorpecidos. Também pode ser o crescente total da dívida nacional - quanto maior o número, menos nós nos importamos.

Mas as violações de dados privados são importantes. E os consumidores devem ser justamente contrariados.

Porque para cada erro de empresa, exploração de hacker e banco de dados governamental inseguro, existem milhares de empresas e organizações fazendo certo, mantendo os dados dos usuários seguros, criptografados e longe de olhares indiscretos.

E embora estados como Califórnia, Virgínia e Vermont tenham aprovado leis de privacidade e dados, muitas dessas disposições se assemelham muito às da União Europeia. perturbado Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR) tornando mais difícil para empresas legítimas proteger dados, não menos.

Quando ocorrem grandes violações de dados, os consumidores que foram legitimamente prejudicados devem ter suas reivindicações ouvidas no tribunal.

Mas a atual colcha de retalhos de regulamentações nos EUA, inclusive no estado da Califórnia, centrado em tecnologia, impõe um fardo muito grande para aqueles que seguem a lei e fazem o que é certo para seus clientes, e correm o risco de criar regras diferentes em diferentes jurisdições. Para evitar isso, uma estrutura nacional sobre dados e privacidade do consumidor precisará tomar forma.

Embora devamos estar sempre vigilantes sobre potenciais vazamentos e hacks, uma das principais preocupações de um projeto de lei de privacidade de dados inteligente e de bom senso deve ser defender a inovação.

Para cada nova empresa de dados de saúde, empresa de logística ou wearable de consumo, a coleta e retenção adequada de dados é um valor fundamental. Quanto mais as regras forem uniformes, claras e não criarem barreiras à entrada, mais inovação veremos no que diz respeito à proteção de dados.

Devemos incentivar as empresas a adotar padrões de interoperabilidade e dados abertos para garantir que os dados sejam portáteis e de fácil acesso para os usuários. As principais redes de mídia social agora permitem essa previsão, e tem sido o padrão para dados de sites por vários anos.

Se isso se tornar o padrão, os consumidores poderão escolher as marcas e serviços que melhor atendem às suas necessidades e interesses, em vez de apenas empresas deixadas de pé na esteira do excesso de regulamentação.

Ao mesmo tempo, se quisermos ter uma lei nacional de privacidade, devemos consagrar o princípio da neutralidade tecnológica, em que o governo evita decretar vencedores e perdedores. Isso significa que regulamentar ou endossar vários formatos de dados, algoritmos ou tecnologia deve ser determinado por empresas e consumidores, não por agências governamentais sem o conhecimento necessário para tomar boas decisões. A recente tentativa da UE de designar o “carregador de telefone comum” como a conexão micro-USB, em um momento em que as conexões USB-C estão se tornando padrão industrial, é um exemplo fácil.

Isso também se estende a práticas de inovação, como publicidade direcionada, segmentação geográfica ou personalização, que são fundamentais para a experiência do consumidor.

Além disso, devemos ser cautelosos com todas as tentativas de proibir a criptografia para uso comercial e pessoal.

Nas últimas semanas, o diretor do FBI, Christopher Wray, mais uma vez convocou o Congresso para proibir o uso de criptografia, um exagero que colocaria bilhões de dólares em dados em risco da noite para o dia e nos deixaria vulneráveis a hackers estrangeiros.

Ele é acompanhado nesses esforços pelos Sens. Lindsey Graham (R-SC), Tom Cotton (R-AR) e Marsha Blackburn (R-TN), que introduziram um conta que proibiria para sempre essa importante invenção criptográfica, alertando que ela é usada por “terroristas e outros maus atores para ocultar comportamento ilícito”.

A razão pela qual a criptografia continua sendo uma ferramenta poderosa no arsenal de empresas e agências que lidam com nossos dados e comunicações é porque ela funciona. Devemos defendê-la a qualquer custo.

Embora haja muito com o que se preocupar quando se trata de violações e hacks online, os consumidores devem poder se beneficiar de um mercado inovador de produtos e serviços, livre de regulamentações que muitas vezes restringem o progresso.

Esse equilíbrio é possível e necessário, tanto se quisermos ter uma experiência online mais segura, quanto se quisermos continuar tendo a melhor tecnologia à nossa disposição para melhorar nossas vidas.

Publicado originalmente aqui.

Os consumidores estão pegando o atalho na privacidade de dados?

Em uma segunda-feira, há um vazamento de dados afetando meio bilhão Contas do Facebook, na terça-feira um bot raspou 500 milhões contas do LinkedIn. Na quarta-feira, a Universidade de Stanford anuncia um cortar que expôs milhares de números de previdência social e detalhes financeiros. Então quinta-feira, a maior empresa de TI de aviação do mundo anuncia 90% dos dados dos passageiros podem ter sido acessados em um ataque cibernético. E assim por diante. O ciclo é interminável.

O grande número de relatórios de vazamentos de dados, hacks e golpes nas contas afetadas agora cresceu tanto que os consumidores e usuários ficam entorpecidos. Também pode ser o crescente total da dívida nacional - quanto maior o número, menos nós nos importamos.

Mas as violações de dados privados são importantes. E os consumidores devem ser justamente contrariados.

Porque para cada erro de empresa, exploração de hacker e banco de dados governamental inseguro, existem milhares de empresas e organizações fazendo certo, mantendo os dados dos usuários seguros, criptografados e longe de olhares indiscretos.

E embora estados como Califórnia, Virgínia e Vermont tenham aprovado leis de privacidade e dados, muitas dessas disposições se assemelham muito às da União Europeia. perturbado Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR) tornando mais difícil para empresas legítimas proteger dados, não menos.

Quando ocorrem grandes violações de dados, os consumidores que foram legitimamente prejudicados devem ter suas reivindicações ouvidas no tribunal.

Mas a atual colcha de retalhos de regulamentações nos EUA, inclusive no estado da Califórnia, centrado em tecnologia, impõe um fardo muito grande para aqueles que seguem a lei e fazem o que é certo para seus clientes, e correm o risco de criar regras diferentes em diferentes jurisdições. Para evitar isso, uma estrutura nacional sobre dados e privacidade do consumidor precisará tomar forma.

Embora devamos estar sempre vigilantes sobre potenciais vazamentos e hacks, uma das principais preocupações de um projeto de lei de privacidade de dados inteligente e de bom senso deve ser defender a inovação.

Para cada nova empresa de dados de saúde, empresa de logística ou wearable de consumo, a coleta e retenção adequada de dados é um valor fundamental. Quanto mais as regras forem uniformes, claras e não criarem barreiras à entrada, mais inovação veremos no que diz respeito à proteção de dados.

Devemos incentivar as empresas a adotar padrões de interoperabilidade e dados abertos para garantir que os dados sejam portáteis e de fácil acesso para os usuários. As principais redes de mídia social agora permitem essa previsão, e tem sido o padrão para dados de sites por vários anos.

Se isso se tornar o padrão, os consumidores poderão escolher as marcas e serviços que melhor atendem às suas necessidades e interesses, em vez de apenas empresas deixadas de pé na esteira do excesso de regulamentação.

Ao mesmo tempo, se quisermos ter uma lei nacional de privacidade, devemos consagrar o princípio da neutralidade tecnológica, em que o governo evita decretar vencedores e perdedores. Isso significa que regulamentar ou endossar vários formatos de dados, algoritmos ou tecnologia deve ser determinado por empresas e consumidores, não por agências governamentais sem o conhecimento necessário para tomar boas decisões. A recente tentativa da UE de designar o “carregador de telefone comum” como a conexão micro-USB, em um momento em que as conexões USB-C estão se tornando padrão industrial, é um exemplo fácil.

Isso também se estende a práticas de inovação, como publicidade direcionada, segmentação geográfica ou personalização, que são fundamentais para a experiência do consumidor.

Além disso, devemos ser cautelosos com todas as tentativas de proibir a criptografia para uso comercial e pessoal.

Nas últimas semanas, o diretor do FBI, Christopher Wray, mais uma vez convocou o Congresso para proibir o uso de criptografia, um exagero que colocaria bilhões de dólares em dados em risco da noite para o dia e nos deixaria vulneráveis a hackers estrangeiros.

Ele é acompanhado nesses esforços pelos Sens. Lindsey Graham (R-SC), Tom Cotton (R-AR) e Marsha Blackburn (R-TN), que introduziram um conta que proibiria para sempre essa importante invenção criptográfica, alertando que ela é usada por “terroristas e outros maus atores para ocultar comportamento ilícito”.

A razão pela qual a criptografia continua sendo uma ferramenta poderosa no arsenal de empresas e agências que lidam com nossos dados e comunicações é porque ela funciona. Devemos defendê-la a qualquer custo.

Embora haja muito com o que se preocupar quando se trata de violações e hacks online, os consumidores devem poder se beneficiar de um mercado inovador de produtos e serviços, livre de regulamentações que muitas vezes restringem o progresso.

Esse equilíbrio é possível e necessário, tanto se quisermos ter uma experiência online mais segura, quanto se quisermos continuar tendo a melhor tecnologia à nossa disposição para melhorar nossas vidas.

Publicado originalmente aqui.

ENTREVISTA: Jennifer Huddleston sobre o caminho a seguir na privacidade do consumidor

ENTREVISTA: Jennifer Huddleston (@jrhuddles) sobre Rádio Escolha do Consumidor

-Precisamos de uma lei federal de privacidade?

-Existem práticas inovadoras utilizadas por empresas privadas. Devemos celebrá-los.

-Por que o GDPR é tão problemático

-O “Techlash” e as más ideias políticas da esquerda e da direita

-Silos de dados e como manter a privacidade e a inovação do consumidor

-Erros das leis de privacidade em nível estadual

Jennifer Huddleston é Diretora de Tecnologia e Política de Inovação da Fórum de Ação Americano

A guerra iminente com a grande tecnologia

Nas últimas semanas, houve um aumento substancial da retórica de Westminster em direção à grande tecnologia. A dramática demonstração de poder do Facebook contra – e subseqüente capitulação ao – governo australiano sobre sua nova lei obrigando-o a pagar aos meios de comunicação para hospedar seu conteúdo feito para visualização emocionante, e desde então ficou claro que ministros seniores do governo britânico estavam sintonizando a ação.

Matt Hancock saiu correndo dos blocos para declarar ele mesmo um 'grande admirador' de países que propuseram leis que obrigam os gigantes da tecnologia a pagar pelo jornalismo. Rishi Sunak tem engrandecido a cúpula do G7 deste ano, que será realizada na Cornualha. Do jeito que ele é falando, parece que ele está se preparando para liderar um exército de ministros das finanças de todo o mundo na batalha contra o Vale do Silício.

Enquanto isso, Oliver Dowden, ministro do gabinete responsável por mídia e tecnologia, indicado que ele tem conversado com seus colegas australianos para aprender mais sobre o pensamento por trás do processo de formulação de políticas. Ele seguiu com uma série de advertências severas e muito públicas para as próprias empresas,promissor para “ficar de olho” no Facebook e no Twitter, voz sua “grave preocupação” com a forma como as grandes empresas de tecnologia estão operando e ameaçando com sanções se saírem da linha.

Essa guerra de palavras unidirecional ocorre no cenário de um novo órgão regulador ameaçador que lentamente se aproxima. o Unidade de Mercados Digitais, um quango que deverá fazer parte da atual Autoridade da Concorrência e Mercados (CMA), será a principal arma do arsenal do governo. Do jeito que as coisas estão, sabemos muito pouco sobre o que se pretende alcançar.

A grande tecnologia em sua forma atual é uma indústria jovem, ainda lutando com problemas iniciais enquanto aprende a lidar com todas as informações do mundo. Existem muitas áreas em que Facebook, Google, Amazon e inúmeros outros estão falhando em suas práticas, desde a privacidade dos usuários até ameaças a jornalistas, que Dowden e outros perceberam.

Mas o instinto natural dos atores estatais de intervir tem o potencial de ser cataclismicamente prejudicial. O governo está perdendo a paciência com o livre mercado e parece prestes a intervir. Inúmeras vezes, políticas centrais aleatórias anularam a inovação e enviaram dinheiro privado para fora do país. No contexto do próximo imposto sobre as sociedades subir, há um equilíbrio delicado a ser alcançado entre regulamentação eficaz e interferência estatal excessiva.

A natureza das intervenções do governo é que elas bloqueiam a inovação e, portanto, o progresso. A regulamentação supérflua é como um burro atordoado andando de um lado para o outro no meio da estrada, parando o tráfego. Claro, o burro recebe então um balde de arrecadação de caridade e o poder de obrigar os transeuntes a contribuir com uma fatia de sua renda pelo privilégio de impulsionar a sociedade, gerar riquezas insondáveis e fornecer a todos nós acesso a serviços gratuitos que melhoraram nossa qualidade de vida além da medida.

Enquanto o governo pondera os parâmetros apropriados da nova Unidade de Mercados Digitais e procura colocar limites arbitrários sobre o que as grandes empresas de tecnologia podem fazer pela primeira vez na história de sua existência, ele deve considerar os interesses dos usuários em primeiro lugar. Há um forte argumento a ser feito para reforçar os direitos dos indivíduos e reprimir mais duramente o abuso e outras tendências preocupantes. Mas não vamos cair na mesma armadilha de nossos primos Down Under, tornando os serviços online mais caros de usar e repassando esses custos para os consumidores.

À medida que a tão famosa 'Grã-Bretanha global pós-Brexit' começa a tomar forma, temos uma oportunidade valiosa de dar um exemplo para o resto do mundo sobre como regular os gigantes da tecnologia. Os padrões que teremos que cumprir para fazer isso não são terrivelmente altos. Em essência, tudo o que o governo precisa fazer é evitar a intromissão vasta, oscilante e desajeitada que tantas vezes caracterizou as tentativas de regulamentação no passado e a Grã-Bretanha pode se tornar uma espécie de líder mundial nesse campo.

Publicado originalmente aqui.

A decisão de privacidade do ECJ tem custos enormes

Em julho, o Tribunal Europeu de Justiça derrubou o Privacy Shield Agreement, usado por empresas para transferir dados entre a UE e os Estados Unidos.

L'Inps ha (di nuovo) violato la privacidade di milioni di italiano

Em queste minério si chiedono a gran voce nomi e dimissioni di tutti e cinque parlamentari che hanno chiesto il bonus Inps de 600 euro. Nonostante questa scelta pode ser considerada inoportuna: “L'Inps e il suo presidente questa volta hanno superato ogni limite della legalità, violando la privacy di milioni di italiani”. Esta é a opinião de Luca Bertoletti, responsável europeu do Consumer Choice Center.

Inps e privacidade. Stavolta qualcosa proprio non va. In queste ore si chiedono a gran voce nomi e dimissioni di tutti e cinque parlamentari che hanno chiesto il Bônus Inps de 600 euros. Nonostante esta estrela pode ser considerada inoportuna, e certamente é a enésima prova de uma classe política inadequada:

l'Inps e il suo presidente Pasquale Tridico esta volta hanno superato ogni limite della legalità, violando la privacidade di milioni di italiano“.

Esta é a opinião de Luca Bertoletti, responsavel europeo del Centro de Escolha do Consumidor, associação internacional de consumidores ativos, soprattutto tra Stati Uniti e Canada, mas também na América Latina e na Europa.

Trovando i nomi dei 5 politici, l'Inps ha violato anche la nostra privacy 

Non c'è stata nessuna violazione della legge e, seppur in modo quantomeno inopportuno, e os três parlamentares hanno ottenuto e soldados superando regularmente todos os controles dell'Inps.

“Ma quindi -continua Bertoletti- adesso la domanda è: come mai l'Inps li ha segnalati? E soprattutto com quale potere l'Inps ha controllato il trabalho chesti individui fanno, violando a privacidade?”.

“Dimissioni del presidente dell'Inps e indagine interna su come e chi ha violato la privacy dei cittadini”

Secondo il Centro de Escolha do Consumidor, attivo anche sull'Asia e che se ocupa predominantemente de privacidade, mas também di nuove tecnologie (em particular dello sviluppo sul 5G), por como stanno le cose diventa necessaria non solo un'indagine interna all'Inps, su come e chi ha controllato la vita privata di cittadini, scoprendo il lavoro che fanno, e facendolo trapelare ai media, ma anche le dimissioni imediato del Presidente dell'Inps Pasquale Tridico:

Tutela della privacidade, cosa avrebbe dovuto fare l'Inps

“Da legge governativa l'Inps avrebbe dovuto simplesmente verifiquei os códigos Ateco por ciascuna partita Iva. E basta”. E invece… “Per carità, in realtà l'Inps è stato bravissimo a recuperar a identidade dos parlamentares. Ma la legge non prevedeva in alcun modo di risalire a nomi e cognomi di ciascun códice Ateco”.

E allora la domanda è: con quali mezzi è riuscita a scoprire l'identità dei titolari della partita Iva, com bom ritmo de privacidade, através do aumento de dados das ocupações vere dei titolari?

“Per farlo è evidente che è stato fatto un check a tappeto esteso su tutti i códici Ateco. Non essendoci tetti o paletti nella richiesta del bonus –poteva chiederlo chiunque avesse una partita iva attiva NdR– questi controlli non erano necessari”. 

Inps, che velocità nel risalire ai nomi e consegnarli alla stampa!

L'altro aspetto della vicenda riguarda la velocità con cui i nomi sono stati consegnati alla stampa: “Con veline tipiche della prima repubblica, come se fosse stata una conferenza stampa -continua Bertoletti di Consumer Choice Center-. Se você considerar il fatto che per ricevere la cassa integrazione e gli stessi bonus molti italiani, nesse caso gente che di soldi ne aveva bisogno per davvero, ha douto fare una trafila infinita e addiritura c'è chi ancora non ha ricevuto niente, altre che si sono ritrovati cognomi diversi o dati che appartenevano ad altre persone”.

Insônia, vocên organo come l'Inps, è così che la pensa Bertoletti, avrebbe dovuto fare una cosa sola. Abbinare il bonus al códice Ateco. E invece ha indagato nella privacidade di ciascun code e ciascuna partita Iva. Subindo toda a identidade do códice ciascun e subindo ao título de ciascuna partita Iva, chegando a escora no nome de parlamentares e políticos, necessariamente andando ad abbinar um nome, um cognome e um volto de todos os profissionais autônomos que já foram gordos ricos. Um grande trabalho. Ma che la legge non prevedeva. Um trabalho inoportuno. 

Tra un mese il referendum: será um caso?

Il presidente dell'Inps Pasquale Tridico lo ha già detto e ribadito mais vezes nestes dias: “Nessun collegamento tra il referendum di settembre e la comunicazione dei 5 parlamentari que hanno chiesto il bonus. Não é um caso montado. Chi proverà ad accusarci ancora sarà querelato“.

Luca Bertoletti di Consumer Choice Center responde assim:

“Beh, allora sicuramente è una coincidenza così evitiamo di essere querelati. Mas é uma coincidência que avviene il giorno dopo che la consult ha detto sì all'Election Day, accorpando Elezioni Regionali e Referendum. E il giorno stesso em cui alcuni sondaggi davano em vantaggio il No dei cittadini al taglio dei parlamentari. Ma sicuramente è una coincidenza”.

O ruolo dell'organo Inps sull'antifrode, anticorruzione e transparência

Outro paradoxo: a scoprire i nomi dei parlamentari è stato l'organo dell'Inps sull'antifrode, anticorruzione e que protege a transparência. Ma in questo caso non c'è frode né corruzione. Os políticos têm todo o direito de pedir o bônus. E neanche di mancanza di trasparenza si può parlare perché la trasparenza non era necessaria. Bastava il codice. E la partita iva aperta:

Aggiunge Bertoletti: “La narrativa mainstream é totalmente controlada por cinco deputados ei varios migliaia di politici locali e regionali che piano piano si stanno autodenunciando. Ora, abbiamo scoperto che l'ufficio antifrode che controlla dati sensibili li ha rilasciati al public. Ma la domanda é: non avrebbe dovuto invece simplesmente controllare che le partite iva fossero attive? E' quei che sta una Basilare violazione della privacy dei cittadineu. Inps pode fazer tudo e controlar che vuole ma non è che se le mie idée são contrários a un comportamento considerado etico dalla maggior part delle persone allora è autorizzata a dare il mio nome in pasto alla stampa”. 

La questione della privacy: così il Garante ha sbugiardato l'Inps

A passagem sucessiva allo scoperchiamento del vaso di pandora, e cioè la notizia della richiesta del bonus de parte di parlamentari e governadores regionais, con l'Inps che si è difesa dicendo: “Non diamo i nomi perché dobbiamo tutelar a privacidade” é o que é relativo ao Garante. Che di fatto mencionou categoricamente l'Inps.

Essendo personaggi public, e siccome si parla di soldi pubblici, la loro identità, per comes si sono messe le cose, si podeno e si devono rivelare. Intanto però ha anche aperto un'istruttoria para capire com quali methodi si è risaliti alla scoperta dell'esistenza di una “classe” politica così ampia que ha fatto richiesta del bonus: “Un altro, l'ennesimo paradosso di this storia: da una parte il Garante ha le mani legate. Perché neste caso la privacidade não vale mais. Il problema sta alla radice, con la domanda de cui abbiamo iniziato la nostra riflessione, e cioe: como ha fatto l'Inps ha scprire la loro identità?”.

Privacidade violada: una delle pagine più tristi dell'Inps

Por Centro de Escolha do Consumidor, si tratta di una delle page più tristi dell'Inps e que funge da fotografia perfeita de uma máquina de estado talmente contorcida sobre se stessa que não é mais neanche em grau de capire se quello que fa è lecito oppure no.

“Si parlava di organo che tutela e garantisce la trasparenza. Ma neste caso chi si è macchiato di mancanza di trasparenza è proprio l'Inps, non i politici”.

Política que, esta é a sensação, riusciranno a farla franca anche esta volta. Provavelmente saranno cacciati dai loro partiti, esta é uma delas minacce del leader della Lega Matteo Salvini. Ma em qualquer modo riusciranno a manter il loro posto no Parlamento. “Non dimentichiamoci che questo caos sarebbe venuto ugualmente fuori a dicembre -concluir Bertoletti- quando os deputados são obrigados a publicar i loro guadagni e il loro 730, dove ovviamente i 600 euro dell'Inps sarebbero stati necessariamente segnalati. 

Publicado originalmente aqui.


O Consumer Choice Center é o grupo de defesa do consumidor que apoia a liberdade de estilo de vida, inovação, privacidade, ciência e escolha do consumidor. As principais áreas políticas em que nos concentramos são digital, mobilidade, estilo de vida e bens de consumo e saúde e ciência.

O CCC representa consumidores em mais de 100 países em todo o mundo. Monitoramos de perto as tendências regulatórias em Ottawa, Washington, Bruxelas, Genebra e outros pontos críticos de regulamentação e informamos e ativamos os consumidores para lutar pela #ConsumerChoice. Saiba mais em consumerchoicecenter.org

Après le coronavirus, faisons des améliorations à notre cadre législatif

Após as semanas de mudanças feitas pelo consumidor, estamos indo para melhorias importantes para fazer, no que diz respeito às nossas cadeias de provisionamento e aos meios disponíveis para a aquisição de produtos e serviços. Lucros dessa fase de lucidez para fazer as mudanças apropriadas.

Plusieurs semaines de confinement nous montrent que tout ne s'est pas
deslocado para a internet e sua presença física é difícil de substituir por uma conexão com a internet. Mesmo assim, nós também voyons qu'il ya raison de se réjouir du fait que cette pandémie nous tombe dessus en 2020 et pas il ya vingt ans. Nous avons la possibilité de rechercher et comandante des produits et services, presque sans
aucune nécessité de se déplacer.

As ferramentas de trabalho à distância, como Zoom, Asana ou ferramentas do Google, começaram a revolução no mundo do trabalho. La plupart des réunions peuvent
être converties en appel video. No país como o Royaume-Uni, os consumidores podem contar com serviços de entrega de produtos alimentícios, como Amazon Fresh etOcado, nous pouvons constituem uma boa quantidade de reservas de conservas, de produtos secos e de produtos para a sala de bains, sans même avoir à nous battre pour les
derniers produits em determinados supermarchés presque vides.

No Luxemburgo, où ces services inexistentes, a questão se coloca se notre cadre réglementaire n'est pas à l'origine de ce défaut. L'ausence de services como Uber, ou les trottinettes electriques como Bird, nous indica qu'une legislation fautive est à l'origine de cette défaillance. Tanto que des villes comme Bruxelles ou Paris beneficie de l'economie de partage, les restaurateurs et la clientèle luxemburgueses doivent se contenter de sites web incomplets de restau-rants, et l'HORESCA que organiza um serviço de entrega a 10 euros par commande (pour ceux qui n'ont pas de service intégré de livraison).

Eu sei que os aplicativos descentralizados são bem preparados para enfrentar crises e demandas de clientes. Uma grande mudança no fornecimento de produtos e serviços é celui de medicamentos e serviços médicos. Pendant la pandémie, nous voyons l'arrivée des télé-consultations, don't on espère qu'elles ne resteront pas une innovation temporaire. Afin de récupérer leurs ordonnances, les pacientes ont dû se déplacer en pharmacies — une obrigate supérflue.

Huit pays dans l'Union européenne donnent le droit à leurs citoyens de comandante des médicaments sur ordonnance en ligne: le Royaume-Uni, l'Allemagne, la Suisse, les Pays-Bas, le Danemark, la Suède, la Finlande et l' Estônia. No Luxemburgo, le gouvernement nous informa que “Seuls les médicaments sans ordonnance peuvent être vendus sur internet. Il n'est pas prévu d'autoriser la vente à distance de medicaments sur ordonnance.” Espera-se que a crise atual dê a motivação necessária aos parlamentares para se interessar por uma legalização desses serviços.

Au niveau de l'Agence européenne des médicaments (EMA), nous aurions besoin d'un audit pourquoi pourquoi un fast-tracking des procé-
dures d'approbation n'a pas encore été possível. Em uma situação de emergência como a célula do coronavírus, il nous faut des pesquisas eficazes, et une burocrata qui autoriza au plus vite les médicaments nécessaires. L'Agence luxembourgeoise des médicaments et des produits de santé (ALMPS) deve funcionar após les memes principes: mettre la priorité pour maximiser le nombre de nouveaux medicaments sur, reduisant les obstáculos administrativos. Ao mesmo tempo, o Luxemburgo também autoriza e incentiva o “direito à l'essai” médica. O loi sobre o direito de ensaio ou loi Trickett Wendler, Frank Mongiello, Jordan McLinn e Matthew Bellina, foi anunciado em 30 de maio de 2018 nos Estados Unidos. Este loi é um outro momento para os pacientes que estão em um diagnóstico de doenças mortais, que testaram todas as opções de tratamento aprovadas e que não podem participar de uma clínica de ensaio, ou aderir a certos tratamentos não aprovados. Os ensaios clínicos permitem saber se um produto é seguro para o trabalhador e pode trair ou prevenir eficazmente uma doença. Les personnes peuvent avoir de nom-
breuses raisons de participar a des essais cliniques.

Além de contribuir com conhecimentos médicos, certas pessoas participantes de ensaios clínicos parce qu'il não existe nenhum tratamento para sua doença, que os tratamentos que eles ont ensaiam não são fonctionné ou qu'elles não são medidos de tolerer les traitements atuais.

Au-delà, il faut aussi plus de cibersegurança chez les Luxembourgeois et les empreendimentos contre les ciberataques que se propagam durante esta pandemia. La securité du réseau doit être garantie pour garder l'at-
Trativité de la place financière – pour ce faire, une exclude de determinados atores do mercado de telecomunicações, dont la Chine, ne doit pas être exclue. E o que dit vie privé, também garante uma revisão do
Constitution qui met en evidence les idées reçues de this crise, afin de prevenir encore plus les abus de pouvoir dans des urgences futures.


O Consumer Choice Center é o grupo de defesa do consumidor que apoia a liberdade de estilo de vida, inovação, privacidade, ciência e escolha do consumidor. As principais áreas políticas em que nos concentramos são digital, mobilidade, estilo de vida e bens de consumo e saúde e ciência.

O CCC representa consumidores em mais de 100 países em todo o mundo. Monitoramos de perto as tendências regulatórias em Ottawa, Washington, Bruxelas, Genebra e outros pontos críticos de regulamentação e informamos e ativamos os consumidores para lutar pela #ConsumerChoice. Saiba mais em consumerchoicecenter.org

Privacidade do consumidor deve ser prioridade

Quase todos os dias ouvimos falar de casos mais graves de roubo de identidade, crimes financeiros e outras formas de ataques ou interferência maliciosa na Internet. As violações tornam-se comuns e os padrões negligentes deixam os consumidores preocupados com a proteção de suas informações.

As violações colossais na British Airways, Marriott e Starwood em 2018 comprometeram os dados privados de centenas de milhões de clientes, e dezenas de outros casos surgiram desde então.

Esses incidentes são evidências de que a segurança dos dados do consumidor e também a privacidade do consumidor não estão sendo levadas a sério. A adoção de soluções de Internet das Coisas e o tão esperado lançamento de redes 5G muito rápidas tornarão a privacidade dos consumidores ainda mais vulnerável nos próximos anos.

A ordem executiva do presidente Trump para impedir que as empresas comprem hardware e software de empresas de telecomunicações consideradas um risco à segurança nacional é pelo menos um bom passo na proteção da privacidade, mas é triste ver que teve que chegar a isso.

Trump provavelmente é influenciado pelas declarações do presidente da FCC, Ajit Pai, que alertou contra o uso de fornecedores de equipamentos de telecomunicações da China com base na segurança nacional e nas preocupações com a privacidade.

Em um caso no outono passado, foi relatado que as autoridades chinesas exerceram imensa pressão sobre empresas privadas específicas para incluir os chamados backdoors em seus softwares ou dispositivos, que podem ser explorados por agentes do governo sozinhos ou com a ajuda de um fabricante. Isso só provoca mais questionamentos quanto à influência do Partido da Comunidade Chinesa sobre as empresas chinesas que vendem no exterior.

Com isso em mente, para o consumidor comum que deseja comprar seu próximo smartphone, laptop ou roteador WiFi, como ele pode ter certeza de que sua privacidade estará protegida?

Como resposta a ameaças como essa, a Austrália baniu a fabricante chinesa de equipamentos de rede Huawei de sua rede 5G. Os Estados Unidos efetivamente fizeram o mesmo. Mas as proibições gerais não são uma solução milagrosa para proteger a privacidade e a segurança dos dados. É necessário um mix de soluções.

O que precisamos é de uma resposta política inteligente que induza as empresas a dar peso suficiente à segurança dos dados do consumidor, ao mesmo tempo em que atinge esse objetivo sem distorções indevidas do mercado, proibições por atacado de certas empresas e limitação da escolha do consumidor.

A competição saudável entre empresas privadas é o melhor mecanismo para a descoberta das ferramentas e aplicações certas para novos equipamentos tecnológicos. Manter a nova regulamentação neutra em relação à tecnologia e, portanto, não decidir por lei qual solução tecnológica é a melhor é uma estrutura muito boa para a privacidade do consumidor.

As regras devem se concentrar nos resultados e ser o mais gerais possível, ao mesmo tempo em que fornecem orientação suficiente. Isso significa que não apenas as maiores empresas que podem se dar ao luxo de cumprir também terão uma chance.

Ao mesmo tempo, algum tipo de esquema de certificação, ou mesmo padrão de código aberto, deve ser adotado para minimizar o risco de backdoors ou outras vulnerabilidades. Dito isto, a segurança perfeita não pode ser garantida. Mas garantir que as empresas usem criptografia e métodos seguros de autenticação deve estar na mesa.

Idealmente, também haveria mais responsabilidade na cadeia de suprimentos para operadoras de telecomunicações e atacadistas de infraestrutura. Isso levaria as empresas a levar mais em consideração a privacidade e a segurança do consumidor ao tomar decisões de aquisição.

Proibições diretas motivadas por preocupações de segurança têm os mesmos efeitos que restrições comerciais no contexto de uma guerra comercial. A primeira vítima de qualquer guerra comercial são os consumidores da nação que impõem tarifas e barreiras não tarifárias ao comércio. A menos que não haja outra solução viável e a menos que a evidência de um sério risco de segurança seja clara, não devemos recorrer a banimentos.

O debate em torno do 5G nos lembra como os consumidores são vulneráveis em um mundo tecnologicamente e politicamente complexo.

Portanto, é necessária uma regulamentação inteligente para proteger os consumidores contra violações de dados e impedir que governos autocráticos os espionem.

Ao fortalecer a responsabilidade das empresas por vulnerabilidades tecnológicas e ao criar bons padrões, tanto a escolha quanto a privacidade do consumidor podem ser asseguradas.

Instrumentos contundentes, como proibições totais com base no país de origem ou reguladores que escolhem os campeões tecnológicos, devem ser vistos como medidas de último recurso.

Leia mais aqui

Role para cima