fbpx
logo

O Congresso é inepto em tornar a legislação precisa – esse fato permitiu que administrações consecutivas por décadas usassem agências federais para seus objetivos políticos. A Agência de Proteção Ambiental (EPA) está entre esses exemplos. Pior do que as implicações políticas são os efeitos na vida real que uma decisão regulatória recente terá sobre os consumidores.

A EPA decidiu proibir efetivamente um herbicida comumente usado nos Estados Unidos, principalmente na produção de milho. Este produto químico, a atrazina, será familiar para alguns leitores por causa da maneira cômica com que o teórico da conspiração Alex Jones há muito afirma que “torna os malditos sapos gays”. Além do suposto objetivo de feminilizar toda a população masculina adulta para um objetivo supostamente desconhecido do próprio Jones, a atrazina cumpre uma função essencial. 

Segundo herbicida mais utilizado no país, o composto não só garante que as lavouras fiquem livres de ervas daninhas indesejadas, como também permite a prática do plantio direto – técnica que elimina o preparo do solo com óleo diesel e evita erosão. Quanto menos lavoura realizada em terras agrícolas, menos emissões de dióxido de carbono estão sendo liberadas na atmosfera – um acéfalo para aqueles inflexíveis sobre a redução do impacto que a agricultura tem em nossa pegada de carbono.

Sem esse herbicida, os agricultores dos Estados Unidos enfrentarão um futuro muito sombrio. 65 milhões de acres de milho, sorgo e cana-de-açúcar seriam diretamente afetados, com até 70% do milho no meio-oeste, sul e leste dos EUA. uma grande surpresa se a EPA forçar essa reavaliação. 

Por que não ir apenas orgânico?

Na agricultura orgânica, o plantio direto é, na melhor das hipóteses, imensamente desafiador, e a ausência de pesticidas sintéticos gera perdas significativas nas safras. Um estudo da Universidade de Melbourne, na Austrália mostra que a agricultura orgânica produz 43% a 72% menos do que os métodos convencionais - e que alcançar a mesma produção requer 130% mais terras agrícolas. Além disso, uma mudança para um modelo de agricultura totalmente orgânica aumentaria as emissões de dióxido de carbono em até 70 por cento.

Tão desconcertante quanto os efeitos de uma proibição de atrazina seriam no sistema agrícola americano é a maneira pela qual a EPA atinge esse objetivo. A agência conta com estudos externos para sustentar o chamado nível de preocupação equivalente à concentração (CE-LOC), atualmente fixado em 15 ppb (partes por bilhão). Esse número foi alcançado após uma consideração cuidadosa: embora altas concentrações de escoamento de atrazina possam suprimir as populações de algas em córregos e cursos de água próximos, o nível de 15 ppb garantiu que isso não seria possível. 

De acordo com a EPA, a pesquisa apóia um CE-LOC de 3,4 ppb. Nesse nível de concentração, o produto químico torna-se inutilizável para os agricultores, tornando-o efetivamente ilegal. Os próprios SAPs da EPA (Science Advisory Panel) ter alertado a agência ao fato de que muitos dos estudos nos quais ela se baseia não são confiáveis. Em bom português: a EPA se baseia na ciência lixo para banir uma ferramenta agrícola vital, e seus próprios cientistas a conscientizaram de como isso é insensato.

Até 2 de setembro, a decisão de reavaliar a atrazina pode ser comentada pelos agricultores, mas mesmo que as reações sejam majoritariamente negativas, a EPA poderá aprovar a decisão antes do final do ano, com efeitos devastadores para agricultores e consumidores. . Como a produção de milho será prejudicada, o preço do milho e do etanol à base de milho disparará, apenas exacerbando a inflação existente nos preços dos alimentos. Os preços do milho já aumentaram mais de 20% em 2020 e 2021, respectivamente, com 2022 em trajetória semelhante. Se a EPA aprovar a proibição da atrazina, o governo Biden provavelmente se esconderá por trás desses números da inflação e culpará os efeitos do COVID ou da guerra na Ucrânia, como o faz de forma consistente.

O objetivo político do governo de banir pesticidas após pesticidas é semelhante aos objetivos da União Européia, que se propôs a reduzir o uso de pesticidas pela metade até 2030. Quando o USDA avaliado os efeitos das reformas europeias planejadas, constatou que aumentaria os preços dos alimentos entre 20 e 53 por cento, e também levaria a uma redução considerável do PIB. Se esses são os planos pelos quais Joe Biden toma sua decisão, os consumidores americanos terão uma jornada acidentada.

Publicado originalmente aqui

Compartilhar

Seguir:

Mais postagens

Assine a nossa newsletter

Role para cima