fbpx

Mês: PM82020 f53312020-08-31T15:53:31+00:00pmsegunda-feira

Cuidado com aqueles que vêm depois de seus aplicativos de entrega

Beware Those Coming After Your Delivery Apps

A pandemia, para o bem ou para o mal, nos obrigou a viver online. Isso tornou o varejo na Internet, os serviços digitais e os aplicativos de entrega uma dádiva de Deus para milhões de pessoas isoladas em casa.

Esse setor totalmente novo da economia nos permitiu comprar e aproveitar com segurança, sem o risco do coronavírus. Com o pressionar de um botão, suas comidas e bebidas favoritas são entregues magicamente à sua porta.

Mas enquanto você morde sua refeição entregue pelo Grubhub, Uber Eats ou DoorDash, há um movimento em andamento para tornar isso ainda mais difícil.

Entre você e sua entrega de comida está uma coalizão de grupos de defesa que trabalham em todo o país para regular, limitar e restringir severamente as empresas que oferecem entrega por meio de aplicativos.

Dublando-se "Proteja nossos restaurantes”, esta coalizão de grupos de justiça social com sede em Washington está pedindo aos governos estaduais e locais que limitem as comissões sobre aplicativos de serviço de entrega.

Eles já tiveram sucesso no Distrito de Columbia, Seattle e San Francisco, onde as taxas de comissão para entrega de alimentos agora são limitadas a 15%. E há um bando de outros conselhos municipais fazendo fila para se juntar a eles, alguns queriam um ainda menor limite de 5 por cento.

Eles alegam que as empresas de entrega, as mesmas que capacitaram os consumidores, deram novos recursos aos restaurantes e forneceram bons rendimentos aos correios, estão “explorando” cada um desses grupos em busca do todo-poderoso dólar.

A indústria da hospitalidade já está em sua última etapa devido aos bloqueios impostos pelo estado. Por que ficar no caminho entre você e sua próxima refeição quente seria a nova questão da justiça econômica e social?

Em julho, foi projetado por o grupo NPD que as entregas de restaurantes representavam até 7% dos pedidos de comida, 50% a mais do que antes da pandemia. Esse número está subestimado, mas prova que a correria ainda não acabou.

Isso significa que mais clientes estão usando aplicativos de entrega de comida para colocar as refeições na mesa, experimentando restaurantes e cozinhas desesperadas por dinheiro. E esse serviço tem um preço.

Para pedidos feitos por meio de um aplicativo de entrega a um restaurante, o aplicativo cobra uma taxa fixa ou percentual como comissão, que financia a logística, o pagamento do correio e os custos de marketing. Esse valor varia entre 13,5% e 40%, dependendo das opções com as quais o restaurante concorda ao se inscrever.

É essa variação nas taxas de comissão que tanto enfurece os ativistas neste espaço. Muitas anedotas invadiram as mídias sociais alertando sobre altas taxas para conduzir negócios por meio dos aplicativos.

E embora esses limites de comissão sejam bem intencionados, eles são contraproducentes.

Isso significará menos volumes de pedidos que podem ser processados, menos dinheiro estará disponível para os correios que se inscreverem para entregar no aplicativo e os aplicativos terão que limitar quais negócios eles aceitam. Isso prejudicaria restaurantes, entregadores e consumidores que dependem desses serviços.

Isso acabaria prejudicando mais pessoas do que pretende ajudar. Isso seria anticonsumidor e antiinovação ao mesmo tempo, o que parece maluco vários meses em uma pandemia.

A outra reclamação apresentada é sobre questões antitruste, semelhantes às audiências do Congresso contra Apple, Amazon, Facebook e Google no início deste mês. Os ativistas querem usar as armas da Federal Trade Commission para quebrar o “poder de monopólio” dos serviços de entrega.

A maioria dessas empresas, no entanto, são verdadeiras histórias de sucesso americanas. Eles existem há menos de 10 anos, giraram várias vezes, expandiram seus serviços e encontraram um bom nicho capacitando restaurantes para levar sua comida de maneira rápida e confiável aos clientes de entrega.

Milhares de entregadores têm um trabalho rápido e fácil, proporcionando uma renda muito necessária para estudantes, pessoas entre empregos e pessoas que desejam uma renda extra. Eles geralmente contratam vários serviços, dependendo de qual oferece a maior comissão por entrega, semelhante aos motoristas de carona compartilhada.

Os benefícios para os restaurantes também são claros: menos dinheiro é gasto na contratação de um entregador ou veículo, as comissões cobradas são transparentes e a parceria com um aplicativo conhecido ajuda a atrair mais clientes que, de outra forma, nunca fariam pedidos naquele restaurante específico. A maioria desses restaurantes provavelmente nunca fez entrega antes de se inscrever nesses aplicativos. Isso dificilmente é um caso de trustbusting.

Se aqueles que pretendem regulamentar as empresas de entrega de alimentos e conseguirem fazê-lo, criarão um paradoxo de sua própria autoria: as únicas empresas que poderão cumprir os regulamentos e limites serão as empresas com mais capital e Recursos. Isso bloquearia qualquer nova concorrência em potencial e faria mais para restringir a escolha do consumidor do que melhorá-la.

Os últimos meses forneceram a todos os consumidores muita incerteza. Ser capaz de encomendar produtos diretamente à nossa porta, no entanto, tem sido uma bênção.

Intervir no mercado para prejudicar a escolha dos consumidores e os contratos comerciais com restaurantes tornaria esse processo indiscutivelmente pior, e não melhor.

Publicado originalmente aqui.


O Consumer Choice Center é o grupo de defesa do consumidor que apoia a liberdade de estilo de vida, inovação, privacidade, ciência e escolha do consumidor. As principais áreas políticas em que nos concentramos são digital, mobilidade, estilo de vida e bens de consumo e saúde e ciência.

O CCC representa consumidores em mais de 100 países em todo o mundo. Monitoramos de perto as tendências regulatórias em Ottawa, Washington, Bruxelas, Genebra e outros pontos críticos de regulamentação e informamos e ativamos os consumidores para lutar pela #ConsumerChoice. Saiba mais em consumerchoicecenter.org

Menjaga Hak Kekayaan Intelektual untuk Mendoron Ekonomi Kreatif

Hak kekayaan intelectual (HAKI) merupakan hal yang sangat penting untuk dilindungi untuk mendorong inovasi di berbagai bidang. Tanpa adanya perlindungan HAKI, maka akan makin kecil pula insentif yang dimiliki oleh para individu untuk berkarya, karena setiap orang dapat dengan mudah mencuri ide dan hasil karya yang mereka buat untuk mendapatkan keuntungan materi.

Salah satu inovasi yang paling penting untuk doorong di era perkembangan teknologi yang fazendo peso seperti saat ini adalah ekonomi kreatif. Istilah “ekonomi kreatif” (economia criativa) sendiri merupakan istilah yang diperkenalkan oleh penulis and akademisi asalh Britania Raya, John Howkins, yang mendefinisikan ekonomi kreatif sebagai sistem ekonomi di mana aktivitas yang dilakukan dan nilai yang diciptakannya didasari pada ide dan kreativitas, dan bukan pada sumber daya tradicional seperti, danah modal. (Howkins, 2001).

Howkins mendasari gagasanya mengenai economi kreatif dengan melihat fenomena yang terjadi di Amerika Serikat pada akhir dekade 1990-an, di mana banyak perusahaan baru yang tumbuh dengan bertumpu dari eksplorasi dan pengembangan ide-ide kreatif. Perusahaan-perusahaan ini umumnya adalah perusahaan-perusahaan teknologi yang revolucioner, yang melakukan disrupsi terhadap berbagai sektor-sektor konvensional.

Badan Pariwisata e Ekonomi Kreatif (Bekraf) enviaram membros a 16 setores econômicos e econômicos da Indonésia. Bidang-bidang tersebut antara lain adalah (1) aplikasi dan pengembangan permainan, (2) arsitektur, (3) desain produk, (4) moda, (5) desain interior, (6) desain komunikasi visual, (7) seni pertunjukan, (8) film, animasi dan video, (9) fotografi, (10) kriya, (11) kuliner, (12) musik, ( 13) penerbitan, (14) periklanan, (15) seni rupa, dan (16) televisi dan radio (Elshinta.com, 30/08/2018).

Namun, perkembangan industri ekonomi kreatif, yang sangat penting untuk menopang ekonomi Indonesia di masa depan, juga bukan tantangan. Salah satu tantangan terbesar bagi pelaku industri ekonomi kreatif adalah masih rendahnya perlindungan hak kekayaan intelectual (HAKI) terhadap karya yang mereka buat. Hal ini tentunya memiliki humidak yang negatif, di mana praktik-praktik pembajakan yang sangat merugikan para pelaku usaha kreatif akan fazendo mudah dilakukan dengan rendahnya pendaftaran terhadap HAKI.

Catatan Badan Pusat Statistik (BPS) tahun 2019, misalnya, hanya ada 11,05% pelaku sektor ekonomi kreatif yang memiliki HAKI, dari 8,2 juta pelaku usaha yang bergerak di sektor industri tersebut. Ini berarti hanya sekitar 900.000 para pelaku usaha sektor industri kreatif yang memiliki HAKI atas karyanya.

Hal ini salah satu sebabnya karena kurangnya pengetahuan dan kesadaran. Hal ini mendorong Bekraf untuk makin mendorong para pelaku ekonomi kreatif untuk mendaftarkan karyanya agar bisa menjadi aset di masa depan (Indopolitika, 27/10/2019).

Salah satu upaya de Bekraf para mendorong e menyosialisasikan pentingnya HAKI kepada para pelaku industri kretif adalah melalui programa pendaftaran HAKI yang tidak dipungut biaya, yang diberlakukan di berbagai daerah. Melalui program ini, diharapkan akan makin banyak para pelaku industri kreatif yang mendaftarkan karya-karya yang mereka buat (Kliklegal.com, 2017).

Akan tetapi, pendaftaran HAKI oleh pelaku ekonomi kreatif juga tentu harus diikuti degan penegakan hukum yang jelas dan kuat. Apabila makin banyak para pelaku ekonomi kreatif yang mendaftarkan karyanya kepada pemerintah, namun tidak diikuti dengan perlindungan yang kuat atas HAKI tersebut, maka tentu pendaftaran tersebut menjadi sia-sia belaka.

Bila kita ke pertokoan atau pusat perbelanjaan di berbagai daerah, misalnya, kita bisa dengan mudah menemukan berbagai produk kreatif bajakan yang dijual bebas dengan harga murah. Produk-produk tersebut bukan saja hasil karya para produsen dan seniman luar negeri, namun tak jarang juga dari dalam negeri.

Hal tersebut tentu akan sangat merugikan para pekerja kreatif yang menghasilkan karya-karya tersebut. Mereka menjadi tidak bisa mendapatkan manfaat financeiro dari karya-karyanya. Bagi para pelaku usaha kreatif, untuk membuat karya tertentu, tentunya dibutuhkan waktu yang tidak sedikit dan usaha yang besar.

Enquanto os membros do HAKI perlindungan perlindungan para pekerja industri kreatif, maka mereka tidak akan dapat memiliki control atas karya yang mereka buat dengan menggunakan kreativitas yang mereka miliki. Setiap orang bisa mengopi dan menjiplak marca atau produk yang mereka hasilkan, dan tentunya insentif seseorang untuk menggunakan creativitasnya akan makin berkurang. Hal ini tentu merupakan sesuatu yang berbahaya, mengingat bahwa industri ekonomi kreatif merupakan sektor industri yang makin terus berkembang dari tahun ke tahun.

Industri ekonomi kreatif sendiri, di Indonesia, merupakan sektor yang mengalami pertumbuhan yang sangat pesat dari tahun ke tahun. Dados coletados de Badan Pusat Statistik (BPS) em 2010, kontribusi industri ekonomi kreatif di Indonesia adalah 528 triliun rupiah. Angka ini menjadi meningkat di tahun 2014 menjadi 784 triliun rupiah (Rahman, 2018).

Em 2015, contribusi industri kreatif di Indonésia terhadap Produtos Internos Brutos (PIB) mencapat 852 triliun rupiah, dan di tahun 2016 e 2017, angka tersebut tidak juga menurun. Contribuição da indústria criativa da Indonésia em 2016 adalah 922 triliun rupiah, dan mencapai 990 triliun rupiah di tahun 2017, ou sekitar 7,4% do PIB total da Indonésia (Rahman, 2018).

Angka tersebut tentu adalah jumlah yang tidak kecil dan sangat besar. O setor industrial criativo merupakan yang mengalami pekembangan yang sangat pesat dan terus tumbuh dari waktu ke waktu.

Para isso, perlindungan terhadap HAKI, khususnya untuk para pelaku industri kreatif merupakan sesuatu yang sangat penting agar industri kreatif di Indonesia dapat makin bertumbuh ke depannya, yang tentunya akan membawa manfaat yang sangat besar bagi perekonomian dan peningkatan kesejahteraan negara kita.

Selain itu, kontribusi industri ekonomi kreatif di Indonesia yang terus meningkat di Indonesia juga membawa humidak yang sangat positif terhadap meningkatnya tenaga kerja di sektor tersebut. Dados de Berdasarkan da Kementerian Sekretariat Negara Republik Indonesia, em 2016, setor de economia econômica da Indonésia, com 16,2 anos de idade, kerja bagi tenaga kerja Indonesia. Angka ini meningkat menjadi 16,4 juta lapangan kerja di tahun 2017 (Kementerian Sekretariat Negara Republik Indonesia, 2018).

Sebagai penutup, untuk itu, perlindungan hak kekayaan intelectual adalah hal yang sangat esensial untuk mendorong perkembangan dan kemajuan ekonomi kreatif di Indonesia. Pemerintah harus bisa members perlindungan dan menjaga para pekerja kreatif atas karya yang mereka buat.

Publicado originalmente aqui.


O Consumer Choice Center é o grupo de defesa do consumidor que apoia a liberdade de estilo de vida, inovação, privacidade, ciência e escolha do consumidor. As principais áreas políticas em que nos concentramos são digital, mobilidade, estilo de vida e bens de consumo e saúde e ciência.

O CCC representa consumidores em mais de 100 países em todo o mundo. Monitoramos de perto as tendências regulatórias em Ottawa, Washington, Bruxelas, Genebra e outros pontos críticos de regulamentação e informamos e ativamos os consumidores para lutar pela #ConsumerChoice. Saiba mais em consumerchoicecenter.org

Os controles de preços de telecomunicações da Argentina são masoquismo econômico

BUENOS AIRES, Argentina – Na semana passada, para garantir o acesso irrestrito de todos aos serviços de telecomunicações, o governo argentino decidiu estender o congelamento de preços para TV, internet e serviços móveis até o final do ano, considerando-os “serviços públicos essenciais”. ”.

Os preços desses serviços estão congelados desde maio, e esperava-se que a proibição fosse levantada no final deste mês.

Em resposta, Luca Bertoletti, Gerente Sênior de Assuntos Europeus do Consumer Choice Center, critica a medida dizendo que tal política era populista e economicamente analfabeta, e destruirá o relacionamento da Argentina com o Fundo Monetário Internacional, que tem apoiado o país – embora sem sucesso até agora – caminho para a prosperidade.

“A crise do Covid-19 sobrecarregou a maioria das economias do mundo e a Argentina não é diferente. Para ajudar a economia a voltar aos trilhos, o governo argentino finalmente precisará implementar reformas pró-livre do mercado, em vez de se apegar a políticas socialistas, como controles de preços em serviços de telecomunicações”, disse Maria Chaplia, Associada de Assuntos Europeus da Consumer Choice. Centro.

“O governo da Argentina deve se recompor e começar a tomar as decisões certas, em vez de empurrar o país ainda mais para baixo. A Argentina merece mais do que um governo populista que finge agir no interesse dos consumidores estendendo os controles de preços de TV, internet e serviços móveis às custas da prosperidade futura”, concluiu Bertoletti.

Publicado originalmente aqui.


O Consumer Choice Center é o grupo de defesa do consumidor que apoia a liberdade de estilo de vida, inovação, privacidade, ciência e escolha do consumidor. As principais áreas políticas em que nos concentramos são digital, mobilidade, estilo de vida e bens de consumo e saúde e ciência.

O CCC representa consumidores em mais de 100 países em todo o mundo. Monitoramos de perto as tendências regulatórias em Ottawa, Washington, Bruxelas, Genebra e outros pontos críticos de regulamentação e informamos e ativamos os consumidores para lutar pela #ConsumerChoice. Saiba mais em consumerchoicecenter.org

Análise internacional: “Cómo los controles de precios en Argentina podrían tener consecuencia de gran alcance”

Luca Bertoletti e Maria Chaplia, Senior European Affairs e Asociada de Asuntos Europeos, no Consumer Choice Center, respectivamente, analisam a decisão do Governo argentino de declarar “essenciais” para os serviços de telecomunicações e as consequências que traerá no sólo no país, sino no mundo.

La semana passada, en un intenção de garantir o acesso irrestrito de todos aos serviços de telecomunicações, ele gobierno argentino decidió extender la congelación de precios de los servicios de TV, Internet y móviles hasta fin de año, por considerarlos “servicios públicos essenciais”. Los precios de estos servicios han estado congelados desde mayo, y se esperaba que la prohibición se levantara a finales de este mes.

Proibir que las empresas de telecomunicações suban los precios puede parecer una política sensata, pero es todo lo contrario. Los controles de precios son una política econômica desastrosa e irresponsável que só conduz a uma fuga de oferta, lo que priva a los consumidores de opciones, expulsa do mercado as empresas que alguna vez tuvieron éxito e reduz a qualidade dos serviços atendidos.

Lá crise do Covid-19 sobrecarregado a la mayoría de las economías del mundo y Argentina no es diferente. O caminho faz a economia econômica requerer uma grande inversão que requer a garantia legislativa. Las latinoamericanas a menudo tienen que recurrir al financamiento externo y cuando surgen riesgos sin precedentes, como los controles de precios, o custo do financiamento también aumenta, segundo Maryleana Méndez, secretária geral da Associação Interamericana de Empresas de Telecomunicações.

A primeira vista, la decisión del gobierno argentino de extender los controles de precios puede verse como la que beneficia os consumidores. A lógica detrás de dichos controla de precios es clara: asegurarse de que todos os consumidores argentinos, inclusive los de bajos ingresos, puedan disfrutar de los servicios de televisión, Internet y móviles.

Se bem este foco está ligado à sua origem nos motivos nobres, lamentavelmente está condenado também e, ao final, as empresas perderão todos os incentivos para operar no mercado. Se as empresas no tienen la libertad de fijar precios como deseen, teniendo en cuenta sus costos operacionais, ¿cuál es la razón para continuar? Uma solução reduz a qualidade de seus precios simplesmente para manter um flote. Por outro lado, os consumidores podem pagar mais se quedan fuera y no se puede satisfacer su demanda.

 introdução do gobierno argentino nas forças do mercado é inaceitável e socialista em sua essência, e também reforça a relação do país com o Fundo Monetário Internacional. Y aunque el gobierno del presidente Alberto Fernández (e seus predecessores) tem suspeitado ampliamente del FMI, Argentina é o principal cliente del FMI.

O país tem recebido mais de 20 programas de ayuda financiera del FMI desde os finais da década de 1950. su relação com o FMI más en serio no lugar de llevar a cabo outra intervenção dañina y populista. Os controles de preços são masoquismo económico.

Todo o consumidor tem muitas opções para eleger como o mar posible e poder equilibrar o consumidor racionalmente o preço e a qualidade. Se no hay nadie que les proporcione estas opções, todos pierden, especialmente um largo plazo. Assim como os direitos de propriedade intelectual, as empresas que não obtiveram proteção para suas invenções, há alguns incentivos para a inovação.

La sobreregulación de la industria de las telecomunicaciones é uma política costosa que tenderá um impacto negativo no clima de inversão da Argentina no futuro, obstaculizando sua recuperação econômica e destruindo sua relação com o FMI. O governo da Argentina deve recuperar e recomeçar a tomar as decisões corretas, no lugar de empujar no país mais hacia abajo. Argentina merece algo de mim que um governo populista pretenda atuar nos interesses dos consumidores ampliando os controles de preços dos serviços de televisão, internet e móveis na costa da prosperidade futura.

Publicado originalmente aqui.


O Consumer Choice Center é o grupo de defesa do consumidor que apoia a liberdade de estilo de vida, inovação, privacidade, ciência e escolha do consumidor. As principais áreas políticas em que nos concentramos são digital, mobilidade, estilo de vida e bens de consumo e saúde e ciência.

O CCC representa consumidores em mais de 100 países em todo o mundo. Monitoramos de perto as tendências regulatórias em Ottawa, Washington, Bruxelas, Genebra e outros pontos críticos de regulamentação e informamos e ativamos os consumidores para lutar pela #ConsumerChoice. Saiba mais em consumerchoicecenter.org

Como o controle de preços na Argentina pode ter consequências de longo alcance

Na semana passada, para garantir o acesso irrestrito de todos aos serviços de telecomunicações, o governo argentino decidiu prorrogar o congelamento de preços para TV, internet e serviços móveis até o final do ano, considerando-os “serviços públicos essenciais”. Os preços desses serviços estão congelados desde maio, e esperava-se que a proibição fosse levantada no final deste mês.

Proibir as empresas de telecomunicações de aumentarem os preços pode parecer uma política sensata, mas o oposto é verdadeiro. O controle de preços é uma política econômica desastrosa e irresponsável que só leva à escassez de oferta, privando os consumidores de escolha, expulsando do mercado empresas outrora bem-sucedidas e reduzindo a qualidade dos serviços prestados.

A crise do Covid-19 sobrecarregou a maioria das economias do mundo e a Argentina não é diferente. O caminho para a recuperação econômica exigirá muitos investimentos que exigem segurança legislativa. As empresas latino-americanas muitas vezes precisam recorrer ao financiamento externo e quando surgem riscos sem precedentes – como o controle de preços – o custo do financiamento também aumenta, de acordo com a Maryleana Mendez, secretária geral da Associação Interamericana de Empresas de Telecomunicações.

À primeira vista, a decisão do governo argentino de ampliar o controle de preços pode ser vista como a que beneficia os consumidores. A lógica por trás dos referidos controles de preços é clara: garantir que todo consumidor argentino – mesmo aqueles de baixa renda – possa desfrutar de serviços de TV, internet e celular.

Embora essa abordagem decorra de motivos nobres, infelizmente está fadada ao fracasso e, no final, as empresas perderão todos os incentivos para operar no mercado. Se as empresas não têm a liberdade de definir os preços como desejam – levando em conta seus custos operacionais – qual o motivo de continuarem? Uma solução é reduzir a qualidade de seus preços simplesmente para se manter à tona. Por outro lado, os consumidores que podem pagar mais são deixados de fora e sua demanda não pode ser atendida.

A intromissão do governo argentino com as forças do mercado é inaceitável e socialista em sua essência, e também irá piorar a relação do país com o Fundo Monetário Internacional. E enquanto o governo do presidente Alberto Fernandez (e seus antecessores) tem sido amplamente desconfiado do FMI, a Argentina é o maior cliente do FMI.

O país recebeu mais de 20 programas de ajuda financeira do FMI desde o final da década de 1950. A Argentina permanece constantemente à beira do colapso, então já é hora de o país seguir o caminho da liberalização econômica e começar a levar mais a sério seu relacionamento com o FMI, em vez de realizar outra intervenção populista e prejudicial. Controles de preços são masoquismo econômico.

Todo consumidor quer ter o maior número possível de opções para escolher e poder equilibrar razoavelmente preço e qualidade. Se não houver ninguém para fornecer essas opções para eles, todos perdem, especialmente a longo prazo. Semelhante aos direitos de propriedade intelectual, se as empresas não obtiverem proteção para suas invenções, haverá pouco incentivo para que elas inovem.

A regulamentação excessiva do setor de telecomunicações é uma política cara que terá um impacto negativo no clima de investimento da Argentina no futuro, dificultando sua recuperação econômica e destruindo seu relacionamento com o FMI. O governo da Argentina deve se recompor e começar a tomar as decisões certas, em vez de empurrar o país ainda mais para baixo. A Argentina merece mais do que um governo populista que finge agir no interesse dos consumidores estendendo os controles de preços de TV, internet e serviços móveis em detrimento da prosperidade futura.

Publicado originalmente aqui.


O Consumer Choice Center é o grupo de defesa do consumidor que apoia a liberdade de estilo de vida, inovação, privacidade, ciência e escolha do consumidor. As principais áreas políticas em que nos concentramos são digital, mobilidade, estilo de vida e bens de consumo e saúde e ciência.

O CCC representa consumidores em mais de 100 países em todo o mundo. Monitoramos de perto as tendências regulatórias em Ottawa, Washington, Bruxelas, Genebra e outros pontos críticos de regulamentação e informamos e ativamos os consumidores para lutar pela #ConsumerChoice. Saiba mais em consumerchoicecenter.org

Ranking 2020: Das sind die besten Flughäfen na Europa

Am Flughafen kann vieles schiefgehen – oder gut laufen. Ein Ranking zu den 30 Größten Airports in Europa zeigt nun, wie passagierfreundlich sie sind. No Top 10, você encontrará também o Flughäfen alemão.

Trotz Pandemie und wochenlangem Stillstand an zahlreichen Flughäfen hat die internationale Verbraucherschutzorganisation Consumer Choice Center (CCC) auch im Corona-Jahr 2020 die 30 größten europäischen Flughäfen auf ihre Passagierfreundlichkeit hin untersucht und daraus ein Ranking erstellt. Auf dem jährlichen European Airport Index Landen im Corona-Jahr 2020 zwei deutsche Flughäfen no Top 10.

Consulte Mais informação aqui


O Consumer Choice Center é o grupo de defesa do consumidor que apoia a liberdade de estilo de vida, inovação, privacidade, ciência e escolha do consumidor. As principais áreas políticas em que nos concentramos são digital, mobilidade, estilo de vida e bens de consumo e saúde e ciência.

O CCC representa consumidores em mais de 100 países em todo o mundo. Monitoramos de perto as tendências regulatórias em Ottawa, Washington, Bruxelas, Genebra e outros pontos críticos de regulamentação e informamos e ativamos os consumidores para lutar pela #ConsumerChoice. Saiba mais em consumerchoicecenter.org

Zurique er den bedste lufthavn

Københavns Lufthavn (CPH) Eu não tenho que passar por cima dela na frente, onde – como andre lufthavne også – ficou leve quando você voou e passou. Corona pandemien tem skylden.

Não faça CPH lidt af glæde sig over. Danmarks største lufthavn é nemlig blevet kåret como Europas tredje-bedste. Kun Zürich og Düsseldorf får flere points.

Kåringen kommer fra Centro de Escolha do Consumidor, der repræsenterer forbrugere e forbruger-organisationer i 100 lande greenon over.

Det nye “Índice de Aeroportos Europeus” er det andet, que a CCC já produziu. Det fokuserer alene på kundevenlighed.

Consulte Mais informação aqui


O Consumer Choice Center é o grupo de defesa do consumidor que apoia a liberdade de estilo de vida, inovação, privacidade, ciência e escolha do consumidor. As principais áreas políticas em que nos concentramos são digital, mobilidade, estilo de vida e bens de consumo e saúde e ciência.

O CCC representa consumidores em mais de 100 países em todo o mundo. Monitoramos de perto as tendências regulatórias em Ottawa, Washington, Bruxelas, Genebra e outros pontos críticos de regulamentação e informamos e ativamos os consumidores para lutar pela #ConsumerChoice. Saiba mais em consumerchoicecenter.org

A decisão de privacidade do ECJ tem custos enormes

Em julho, o Tribunal Europeu de Justiça derrubou o Privacy Shield Agreement, usado por empresas para transferir dados entre a UE e os Estados Unidos.

PA Gov. Wolf tem razão em legalizar a cannabis

Washington DC – Revelando suas prioridades legislativas na terça-feira, o governador da Pensilvânia, Tom Wolf formalmente chamado na Legislatura Estadual para legalizar a cannabis como um meio de ajudar a apoiar o financiamento de pequenas empresas em todo o estado.

Ele propôs que os rendimentos dos negócios de cannabis fossem para programas de justiça restaurativa e financiamento de pequenas empresas como uma medida de alívio do COVID-19,

Yaël Ossowski, vice-diretor do grupo de defesa do consumidor Consumer Choice Center, elogiou a ligação de Wolf.

“Por muito tempo, vidas e recursos foram desperdiçados na fracassada Guerra às Drogas. Ao pedir aos legisladores estaduais que legalizem a maconha recreativa, o governador Wolf está dando o próximo passo prático para salvar vidas e melhorar nossas comunidades”, disse Ossowski.

“Os benefícios da legalização já pagaram enormes dividendos às pessoas no Colorado, Califórnia, Michigan, Oregon e mais, por meio de receitas fiscais e também ao reverter a severa criminalização que teve um impacto desproporcional nas comunidades de baixa renda e minorias.

“Como o quinto estado mais populoso e um dos estados mais diversos do país, a Pensilvânia pode mostrar a todos os estados de nossa nação que a legalização da cannabis é um passo positivo para a justiça e a economia”, disse Ossowski.

“As autoridades devem garantir que a Pensilvânia adote uma política inteligente de cannabis, que incentive a concorrência, o empreendedorismo, evite a burocracia e erradique o mercado negro para estimular uma nova revolução no empreendedorismo e nas oportunidades.

“O Consumer Choice Center aplaude os esforços do governador e espera que os legisladores apoiem sua proposta”, disse Ossowski.

Leia mais sobre as recomendações da política de cannabis inteligente do Centro de Escolha do Consumidor

CONTATO:

Yaël Ossowski

Vice diretor

Centro de Escolha do Consumidor

yael@consumerchoicecenter.org

O CCC representa consumidores em mais de 100 países em todo o mundo. Monitoramos de perto as tendências regulatórias em Ottawa, Washington, Bruxelas, Genebra, Lima, Brasília e outros pontos críticos de regulamentação e informamos e ativamos os consumidores para lutar pela #ConsumerChoice. Saiba mais em consumerchoicecenter.org.

Role para cima