fbpx

Mês: AM72019 f01502019-07-12T10:01:50+00:00hsexta-feira

Cannabis legal no Canadá é mais cara que no mercado negro

“Os impostos e taxas criam preços altos desde o início, e a falta de concorrência impede que esses preços caiam lentamente”, disse David Clement, gerente de assuntos norte-americanos do Consumer Choice Center. Rádio CBC-Canadáno momento. “Custa meio bilhão [em cinco anos] para fazer cumprir as regras e regulamentos da Cannabis Act, então, para gerar as receitas para cobrir isso, eles implementaram taxas e licenças para produtores licenciados.”

Leia mais aqui

L'État français augmentera encore vos prix d'avion

A ministra dos Transportes Elisabeth Borne anunciou o mardi 9 juillet que o governo vai receber no lugar dès 2020 uma economia de 1,50 a 18 euros em boletos de avião para todos os vols au départ de la France, sauf vers la Córsega et l'Outre Mer et pour les vols en correspondance. 

No ano seguinte, o mesmo governo decidiu reduzir essa taxa de 1,20 euros a 90 cêntimos para ajudar o setor de aviação. Com a supressão do aumento da taxa interna de consumo sobre os produtos energéticos (TICPE), foi decidida a coleta das receitas fiscais em outro setor de transporte. 

Essa taxa aura de repercussões sobre os custos de seus boletos de aviação. L'agence pour le choix du consommateur s'oppose a cette taxe en France, ainsi qu'au niveau de l'Union européenne. Notre mouvement #HandsOffMyCheapFlights (ne touchez pas à mes vols pas chers) fait campagne contre une taxe de départ européenne de 7 euros par vol.

Em fevereiro, o governo neerlandês começou a difundir um prêmio de posição sugerido para a UE de introduzir uma taxa de partida nos vols au départ de l'Union européenne. O documento apresentado pelo secretário de Estado neerlandês das finanças, Menno Snel, propõe a cobrança de uma taxa de 7 euros por passagem em todos os membros do Estado.

L'UE28 compte près de 1,5 bilhão de passagens aéreas au départ chaque année. Les projets neerlandais coûteraient aux consommateurs européens 10 Bilhões de euros por um et pourraient empêcher de nombreux Européens ao rendre visit a des amis ou a étudier à l'étranger.

Por um don de 7 euros, vous deviendrez membre officiel du mouvement Hands Off My Cheap Flights et recevrez un badge único portant votre nom. O logotipo do movimento Hands Off My Cheap Flights será usado durante toda a campanha para mostrar a importância de seu investimento e para fazer progresso em sua escolha de consumidor para ajudar em diversas ferramentas de marketing.

Por um don de 50 euros, vous deviendrez l'une des principales voix du mouvement Hands Off My Cheap Flights. Você será visto no site da CCC enquanto participa da campanha e será convidado a compartilhar suas ideias sobre a pergunta. 

Nous mettrons fin à la taxe de départ si nous travaillons ensemble

Letônia propõe proibição de publicidade de bebidas alcoólicas

O Ministério da Saúde da Letônia propôs a proibição de todas as propagandas de bebidas alcoólicas, incluindo televisão, rádio e online – uma medida criticada pelo Centro de Escolha do Consumidor.

Os planos foram incluídos no rascunho da estratégia nacional de saúde do Ministério da Saúde da Letônia e incluíam uma proposta para limitar a disponibilidade de álcool em determinados pontos de venda.

No entanto, o Consumer Choice Center, que representa os consumidores em mais de 100 países e monitora as tendências regulatórias, disse que o ministério estava “seguindo o caminho errado com essa estratégia”.

Bill Wirtz, analista sênior de políticas do Consumer Choice Center, comentou: “O álcool é um produto legal, portanto, os consumidores devem ser informados sobre ele. A crença de que a restrição da publicidade reduz os problemas de saúde relacionados ao álcool é antiquada.

“O ministério também acredita que é preciso mais monitoramento do mercado ilegal de álcool no país. Mas não há necessidade de longas investigações: os altos impostos sobre o álcool criaram um terreno fértil para essa economia paralela.

“Talinn e Riga reconheceram esse fato ao se moverem para reduzir os impostos sobre o álcool. Essa estratégia nacional de saúde de proibir a propaganda, no entanto, segue o caminho das políticas de álcool da Lituânia, que ficam mais rígidas a cada ano, sem mostrar benefícios adicionais.

“Patrocinar os consumidores e educá-los são duas coisas fundamentalmente diferentes. Parece que o governo letão ainda não sabe como diferenciar os dois.”

Leia mais aqui

O acordo UE-Mercosul é uma chance de colocar os consumidores em primeiro lugar

O acordo de livre comércio entre a União Europeia e o bloco comercial sul-americano Mercosul (ou seja, Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai) deve ser celebrado pelos consumidores em toda a UE. Idealmente, jantando fora a carne bovina, aves, açúcar e mel importados dos países do Mercosul. Mas antes que essa refeição chegue, o acordo de livre comércio (FTA) UE-Mercosul deve passar por um complexo processo de ratificação.

Muito se tem falado sobre a importância do negócio, e não sem motivo: é um acontecimento histórico. Com 93% de tarifas a serem descartadas em ambos os lados, o acordo não apenas colocará produtos mais baratos e diversificados nas prateleiras, mas também enviará uma poderosa mensagem pró-comércio para o mundo.

Não houve muitos acordos comerciais globais significativos desde a Rodada Uruguai de 1986-1993. Cada FTA deve ser pensado como uma tentativa de colocar os consumidores em primeiro lugar. O fato de, após 20 anos de negociações, o acordo UE-Mercosul ter sido finalmente concluído sinaliza uma coisa crucial: a UE mudou as regras do jogo em favor dos consumidores e enfraqueceu o poder dos protecionistas. Esta é uma vitória importante, pois a determinação da UE em proteger a agricultura doméstica é bem conhecida e bloqueou vários acordos comerciais até o momento.

Vencer a batalha, porém, está longe de vencer a guerra. O lobby agrícola atacará novamente em nível de estado membro, e é essencial que os governos nacionais não sejam vítimas de seus apelos por proteção especial. O primeiro-ministro irlandês, Leo Varadkar, já expressou sua preocupação de que o acordo prejudique o setor de carne bovina, razão pela qual a Irlanda está inclinada a votar contra o acordo. No entanto, o bloco do Mercosul só seria capaz de exportar 99.000 toneladas de carne bovina para a Europa anualmente, com uma tarifa média de 7,5%. Como a Irlanda sozinha produz 520.000 toneladas de carne bovina anualmente, a oposição de Varadkar ao acordo parece mais política do que econômica.

Todos os acordos envolvem concessões e escolhas difíceis. Em termos de FTAs, a escolha é proteger um setor vulnerável da concorrência estrangeira às custas dos consumidores ou transferir os benefícios para os consumidores enfraquecendo os interesses estabelecidos. Ao escolher a primeira opção, os opositores do ALC UE-Mercosul impediriam o consumidor de usufruir de preços mais baixos e, portanto, arcariam com os custos. Isso não é apenas injusto, já que os consumidores são um grupo muito maior, mas também significa que escolher a proteção é politicamente mais lucrativo.

Por que? Porque existe uma assimetria de informação: as indústrias protegidas sabem o que vão perder com os acordos de livre comércio, enquanto os consumidores não sabem como isso pode beneficiá-los. Eles, portanto, têm pouco incentivo para se organizar contra os protecionistas, o que permite que os formuladores de políticas atuem de acordo com interesses especiais.

Não pode mais continuar assim. O fracasso das negociações da Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento e a incerteza hostil em torno das atuais negociações comerciais entre a UE e os EUA são sinais de que os interesses dos consumidores europeus foram ignorados por muito tempo. O acordo UE-Mercosul é uma oportunidade fantástica para finalmente colocar os consumidores em primeiro lugar.

O acordo é percebido como uma ameaça por muitos porque eles falham em reconhecer que há uma diferença entre 'livre comércio' e um 'acordo de livre comércio'. O livre comércio é o fluxo desimpedido de mercadorias nacionais e estrangeiras, e os FTAs estão longe desse ideal. Atualmente, os acordos comerciais cobrem um amplo espectro de questões e representam um compromisso com a liberalização do comércio combinado com a necessidade de manter alguns regulamentos.

Também é importante lembrar que todas as mudanças decorrentes do acordo seriam implementadas ao longo de cinco anos. Isso daria aos produtores domésticos tempo para se prepararem para um aumento na oferta do exterior. Enquanto isso, os consumidores devem ficar de olho no processo de ratificação e continuar a enfatizar os valores do comércio internacional. O comércio envolve cooperação interestadual, maior escolha e produtos mais baratos. Acordos comerciais como o acordo UE-Mercosul tornam o mundo mais aberto, mais interconectado e mais pacífico. Agora isso é algo que vale a pena comemorar.

Leia mais aqui

Wissenschaftliche Rosinenpickerei – Die Grünen wieder als Verbotspartei? – Ein Komentar

Die Grünen wollen die industrielle Landwirtschaft in Deutschland komplett verbieten. Für Verbraucher und Landwirte würde das große und teure Veränderungen mit sich bringen.

Wir Grüne im Bundestag stehen für eine bäuerlich-ökologische Landwirtschaft“, heißt es auf der Webseite der Grünen Bundestagsfraktion. Man würde sich für gentechnikfreies Essen, eine pestizidarme Landwirtschaft, mehr Ökolandbau und regionale Vermarktung einsetzen.

Mit „einsetzen“ meinen es die Grünen ernst, da die Partei nunmehr nicht weniger als das complette Verbot der industriellen Landwirtschaft fordert. Nachdem jahrelang der Bioladen eine Nische für Verbraucher die anders einkaufen wollen bedeutete, sollen Bioprodukte nun also Pflicht werden.

Auch im Ausland schlägt das Wellen. Der Daily Telegraph na Grã-Bretanha schreibt,dass das Image der Grünen „partido da proibição“, também einer Verbotspartei, das man bisher abschütteln wollte, zurückkehrt. Warum dies Wellen schlägt ist ersichtlich:

Die Grünen erleben einen konstanten Wählerzufluß in Deutschland, und damit sind sie und ihre Politik so ernst zu nehmen, wie während ihrer letzten Beteiligung an der Bundesregierung.

Verbieten wollen die Grünen auch die Genschere, die durch Techniken wie CRISPR (repetições palindrômicas curtas regularmente espaçadas agrupadas) bekannt ist. Mit diesen Systemen können Forscher Gene in lebenden Zellen und Organismen dauerhaft verändern und in Zukunft Mutationen an genauen Stellen im menschlichen Genom korrigieren und somit geneticische Krankheitsursachen zu behandeln.

In der Landwirtschaft kann die gleiche Technik ebenfalls zum Einsatz kommen. Die Grünen sehen das „Genome-Editing“ gleich mit der Frage der geneticisch veränderten Organismen (GVO), die für die Parti ebenfalls weiter verboten gehören.

Hier stimmt die Grünen-Position inzwischen nicht mehr mit der der eigenen Jugendüberein. Bereits letztes Jahr verlangten die Grüne Jugend in Niedersachsen „die Debatte um grüne Gentechnik ohne Dogmen neu beginnen und auf wissenschaftlicher Basis politisch argumentieren“.

Neue Kritik gab es auch dieses Jahr. Im Parteibeschluss der Grünen Jugend Sachsen-Anhalt heißt es Ende März:

Heute ist es gerade für die Bewältigung der kommenden globalen Herausforderungen elementar wichtig, diese historische Position [completas Verbot von GVO] zu überdenken“

Diese Wissenschaftsferne ist verwunderlich, da die Grünen beim Klimawandel meist sehr wissenschaftlich argumentieren. Mesmo quando os resultados da pesquisa são politikvorschläge, radikal und gewagt sind, zitieren sie wissenschaftliche Studien als Basis für seus rigores Forderungen. In der Landwirtschaft dobradiças verhält die Partei sich dogmatisch.

Wer GVOs und Pestizide in Wissenschaft und Politik verteidigt muss von internationalen Großkonzernen gekauft worden sein. Skeptiker des Klimawandels funktionieren hier gleich: Wissenschaftler, die den Klimawandel beweisen, müssen von irgendwelchen einflussreichen Kreisen gekauft worden sein.

Auf der Strecke bleibt die wissenschaftliche Methode und faktenbasierte Politik.

Wo führt das alles nun hin? Genome-Editing ist für weiteren wissenschaftlichen Fortschritt, doch aktuelle Entscheidungen vom EU-Gerichtshof in Luxemburg, sowie dem Widerstand von verschiedenen Umweltaktivisten in Deutschland, machen dem schnell ein Ende.

Für Landwirte heißt das weniger Fortschritt und somit die Weiternutzung von ebenso unpopulären Pestiziden, oder Kupfer als Fungizid in der Biolandwirtschaft. Unterdessen wird im Ausland schneller geforscht. Eine weitere Abschottung in der Handelspolitik wäre dann wieder nötig um die stehengebliebenen Landwirte in Europa vor ausländischen Produkten zu „schützen“.

Verbrauchern würde nach solchen Verboten die Wahl fehlen. Bio oder nicht-bio bleibt weiterhin eine große gesellschaftliche Diskussion. Sie sollte allerdings nicht durch die Abschaffung der konventionellen Landwirtschaft gelöst werden, sondern Aufklärung und Innovation.

Die Jungen Grünen em Sachsen-Anhalt schreiben in einer ihrer Forderungen:

Das Schüren von irrationalen Ängsten zum Erreichen eines politischen Zieles lehnen wir grundsätzlich ab, das gilt auch für Gentechnik.

Das ist ja schon mal ein guter Anfang.

Autor Bill Wirtz arbeitet als Senior Policy Analyst für das Consumer Choice Center. Twitter: @wirtzbill

Leia mais aqui

Limite contínuo em lojas de maconha atrai críticas

A decisão do governo da Ford de realizar uma segunda loteria para licenças de lojas de cannabis no varejo está atraindo críticas mistas do Centro de Escolha do Consumidor.

O centro disse que está satisfeito Ontário planeja abrir mais 50 lojas, além das 25 que já operam na província, mas criticou a decisão de manter um limite para o número de lojas.

O gerente de assuntos da América do Norte, David Clement, disse que o anúncio é uma boa e uma má notícia para os consumidores de Ontário.

“É ótimo que o governo esteja se movendo para aumentar o número de lojas, mas o limite existente e os critérios de pré-qualificação erram o alvo”, escreveu ele em um comunicado. “Não vemos nenhuma justificativa para que o limite continue existindo quando a província declarou que está comprometida em abrir o mercado de varejo no longo prazo.”

O centro disse que a confirmação de $250.000 em dinheiro ou equivalente, uma carta de crédito para $50.000 e um espaço de varejo garantido é “uma enorme barreira à entrada e aumenta significativamente os custos para os operadores de varejo. Esses custos acabarão sendo repassados aos consumidores”.

Ele apontou que outros negócios, como bares, clubes, restaurantes, mercearias e mercearias que vendem álcool e cigarros, não enfrentam os mesmos fardos pesados.

O centro acredita que o aumento do custo para os consumidores e o limite de locais para comprar cannabis legal levarão os usuários ao mercado negro.

“Uma solução muito simples seria aprovar todos os candidatos que já possuem espaço de varejo adquirido e fazê-lo sem um limite para o número de lojas – isso garantiria que os candidatos fossem sérios, sem os requisitos financeiros pesados”, disse o comunicado. . “Fazer isso melhoraria drasticamente o mercado varejista de cannabis de Ontário, o que aumentaria significativamente a probabilidade de os consumidores de Ontário comprarem cannabis legalmente”.

Leia mais aqui

Tentativas de bloquear a criptomoeda Libra do Facebook podem sair pela culatra

Grupo de consumidores: tentativa do Congresso de bloquear FacebookA criptomoeda Libra da empresa prejudica a escolha do consumidor e vai sair pela culatra

Washington DC - Dias após o Facebook anunciar sua nova Libra criptomoeda projeto, legisladores federais publicado avisos severos para a plataforma de mídia social e agora solicitou o projeto seja colocado no gelo.

Os legisladores que emitiram as advertências foram o Rep. Máximo Águas, presidente do Comitê de Serviços Financeiros da Câmara, bem como membro do ranking Rep. Patrick McHenry. Os senadores Mark Warner e Sherrod Brown declararam independentemente que o Congresso “não pode permitir” tal projeto.

Em resposta, o vice-diretor do Consumer Choice Center, Yael Ossowski, disse que as ameaças dos legisladores são prejudiciais à escolha do consumidor e, em última análise, sairão pela culatra.

“Supervisionar a regulamentação da Internet e das empresas financeiras é importante, mas a mentalidade de 'regulamentar primeiro, inovar depois' que surgiu em resposta ao Libra deve fazer com que todos os usuários da Internet parem. Se cada nova inovação da Internet está agora sujeita à aprovação automática do Congresso, isso estabelece um perigoso precedente para o futuro da escolha do consumidor online”, disse Ossowski.

“Os consumidores têm o direito de escolher se querem usar criptomoedas ou redes sociais, e estão cientes dos grandes riscos e benefícios que isso acarreta. As pessoas querem uma alternativa e estão interessadas em novas ferramentas digitais online. É por isso que há tanto interesse.

“Permitir que figuras políticas congelem futuras inovações e projetos por causa de política partidária temporária impedirá que milhões de consumidores possam desfrutar de bens e serviços regulares de que desfrutam online, sem mencionar a possibilidade de se conectar com milhares de amigos e familiares online.

“E não vai parar por aqui. Se essas ameaças continuarem, o Bitcoin e dezenas de outras criptomoedas, bem como outras plataformas de mídia social que milhões de usuários adotaram, também enfrentarão regulamentação bem-intencionada, mas falha.

“Devemos ter uma regulamentação inteligente que incentive a concorrência, proteja a privacidade e garanta a escolha do consumidor. A restrição prévia da inovação seria o oposto disso”, disse Ossowski.


O Consumer Choice Center é o grupo de defesa do consumidor que apoia a liberdade de estilo de vida, inovação, privacidade, ciência e escolha do consumidor. As principais áreas políticas em que nos concentramos são digital, mobilidade, estilo de vida e bens de consumo e saúde e ciência.

O CCC representa consumidores em mais de 100 países em todo o mundo. Monitoramos de perto as tendências regulatórias em Ottawa, Washington, Bruxelas, Genebra e outros pontos críticos de regulamentação e informamos e ativamos os consumidores para lutar pela #ConsumerChoice. Saiba mais em consumerchoicecenter.org.

Leia mais aqui

Winter is Coming para programas como Game of Thrones no Brasil

O inverno não começou apenas no hemisfério sul, mas também pode começar em breve para milhões de telespectadores brasileiros. Uma regulamentação poderá em breve ser responsável pelo desaparecimento de programas como o Game of Thrones e eventos esportivos, como a Liga dos Campeões da UEFA das nossas televisões. Se os políticos não agirem rapidamente, poderão comprometer a competitividade do Brasil a longo prazo nos serviços digitais.

Os mercados de mídia, digital e de telecomunicações convergem em todo o mundo. Não há mais uma barreira clara entre esses setores, mas um mercado convergente e único se movimento. Os agentes neste mercado são mais diversificados e maiores em tamanho de mercado do que antes e a competição é completamente diferente do que vimos no passado.

Novos operadores estão crescendo graças às fusões e os reguladores precisam ter uma abordagem diferente nesse ponto.

O exemplo brasileiro, em contraste, mostra que o regulamento está impedindo a integração com o mercado digital único. Limitando significativamente o desenvolvimento do “mercado do futuro”, como o mercado digital é frequentemente conhecido.

Como em outros setores da economia, o Brasil precisa ter como meta criar um mercado digital único, no qual as operadoras podem integrar conteúdos e canais para oferecer serviços de mídia melhores e mais abrangentes aos seus clientes. Esta importante necessidade não é algo legalmente possível no Brasil atual.

Em particular, um artigo de uma legislação de 2011 sobre fusões entre empresas de telecomunicações e empresas de distribuição e licenciamento de conteúdo audiovisual no mercado de TV por assinatura.

Este artigo é considerado anacrônico mesmo pelo presidente da ANATEL, órgão regulador de telecomunicações do Brasil, “porque está indo contra a convergência que está desenvolvendo no novo ecossistema digital”.

O regulamento não está afetando apenas uma importante oportunidade para o Brasil, sendo a fusão entre a AT&T e a Time Warner, mas também afetando a possibilidade de o país continuar atraindo investidores. Ou seja, dificulta a possibilidade de um desenvolvimento digital mais rápido e de mais serviços prestados aos consumidores.

Um ecossistema digital do século 21 é considerado um mercado em que todos os participantes da arena digital podem ter uma competição justa, graças também ao desenvolvimento das conexões 4G e 5G.

O mercado brasileiro de dados móveis está se desenvolvendo muito bem e a tecnologia 4G é amplamente aceita. Isso ajuda a facilitar a mudança do mercado com mais de 130 milhões de usuários de conexões de internet móvel de alta velocidade

A chegada do 5G nos próximos anos irá experimentar uma integração vertical ainda mais rápida entre diferentes setores, como foi dito por Leonardo de Morais, presidente da ANATEL.

É uma ideia anacrônica de que o mercado poderia ser segmentado por subcategorias, como telefonemas, anúncios ou conteúdo, como no passado. O papel das autoridades tem que mudar devido a essa nova realidade. A justa competição deve ser animada não apenas em uma visão clássica, mas também entre operadoras em diferentes setores que agora estão competindo diretamente: um exemplo clássico é uma competição entre os provedores Over the Top (como Amazon Video ou Netflix) e TV por assinatura.

Ser atraente para os investimentos estrangeiros é altamente importante em uma indústria global, como os mercados digitais e de mídia, e um elemento-chave para o sucesso do desenvolvimento de novos serviços para os consumidores.

Um ecossistema digital do século 21 no Brasil só é possível se a manter da integração vertical por revogada. Caso contrário, os consumidores serão prejudicados tendo menos canais de TV ou menos conteúdo disponível na TV por assinatura.

(* Sobre os autores: Fred Roeder é diretor do Centro de Escolha do Consumidor; Andrea Giuricin é sócio da TRA Consulting e professor adjunto da University Milano Bicocca; Andre Freo é professor e gerente de operações do Centro de Escolha do Consumidor (Cesco). O artigo é um resumo de uma análise política sobre esta questão, que pode ser encontrada em www.chegadebarreiras.org. O ponto de vista manifestado neste artigo não necessariamente reflete a posição de TELETIME)

Leia mais aqui

Svarsto naują aviacijos mokestį: kiek lėktuvų bilietai brangtų Lietuvoje

Ragina politikus neskubėti

Nevyriausybinės vartotojų teisių organizacijos „Consumer Choice Center“ vadovas Fredas Roederis, kad naujas europinis mokestis pakenktų vartotojams.

„Keliavimas oru per paskutinius dešimtmečius tapo kur kas pigesnis. Tai demokratizavo mobilumą, nes net mažesnes pijamas turintys vartojai gavo galimybę keliauti užsienyje“, – pranešime žiniasklaidai cituojamas organizacijos vadovas.

Jo teigimu, Nyderlanduose ar Švedijoje 7 eurų dydžio mokestis nebūtų didelis, bet ne tokiose turtingose ES valstybėse jis būtų gana juntamas. Kitokio tipo papildomas skrydžių apmokestinimas esą irgi turėtų neigiamos įtakos vartotojams.

„Klimato iššūkiai svarbūs, tačiau jie negali buti sprendžiami paprasčiausiai stengiantis išlaikyti vartotojus namuose. Nauji lėktuvų modeliai turi kur kas efektyvesnius variklius ir ne už ilgo taps prieinami rinkoje. Politikos pasiūlymų skubinimas niekur nenuves“, – komentavo F. Roederis.

Leia mais aqui

Role para cima